Larissa Barone: Eu estive olhando o céu há dias e não...

Eu estive olhando o céu há dias e não precisei conter uma só palavra porque, pasme, eu não tinha palavras!
E eu também já não sei como conduzir os pensamentos que me assombram quando você não está, ou até mesmo deixar o caos adormecer.
Eles estão tomando conta dos meus sonhos, eu já te disse?
É que esse espaço oco vive voando em meus pensamentos feito pássaro que cansa do impulso do vento, e eu bem que tentei preenchê-lo com algum marcador permanente… Mas eu sei que você sabe, ou melhor, sabemos, que eu não nasci pra nada permanente. Então eu achei que pudesse te perguntar o que fazer - e que você fosse capaz de me dizer, assim, com simplicidade e sutileza - pro vazio sumir.
Eu devia dizer que sua resposta é de extrema importância porque, acredite, o vazio pode mesmo ser desconfortável. (E eu já não o agüento mais)
O vazio não é aquele de cara que dorme com você e não te liga no dia seguinte. O vazio te liga, te manda mensagem. O vazio é aquele tipinho que não te deixa esquecer que ele tá lá, engolindo tudo o que vê pela frente pra tampar o buraco mas… Exatamente como temíamos, o buraco não tem fim.
Pode ser que eu preferisse, pensando com os meus botões, estar no fundo do poço.
Veja bem, o fundo do poço é o limite, certo? Eu to correndo desesperadamente atrás de algum limite e me pergunto, no fim das contas, cadê aquela história de “do chão não passa”? Cadê a luz do túnel que não tem fim?
O problema aqui, meu amigo, é essa escuridão que brilha, fazendo a diva, dentro de mim…

1 compartilhamento
Inserida por iarllavieira