Ana Severina: Dez da noite em Lisboa, véspera de...

Dez da noite em Lisboa, véspera de terça – feira, noite de calor e uma Lua quase cheia. Um céu escuro, estrelas tímidas. No horizonte, apenas um comboio de luzes infinitas, marcava a outra margem.
Num terraço, alguém estava sentado, numa cadeira de recosto, mesmo ao lado da minha.
Existe gente que crê em levitação, em discos voadores, em vampiros, em Deus, em si mesmo...
Eu tinha um anjo da guarda, um talismã da sorte, que acreditava em mim e eu nele. Que sorria para mim e eu para ele. Que sorria como sempre sorriu. Que o tempo não talha...
Interrompo o que estou a escrever, e as recordações dos acontecimentos, pois a partir do momento em que a tive na minha vida, nada ficou como dantes.
Este anjo tinha um ar sonhador, doce e irresistível. Era ele que atravessava a minha memória, o meu pensamento e trespassava o meu coração e de todos aqueles com quem convivia. E eram tantos... e tantos...
Quando estava com aquele anjo, a sua imagem iluminava o mundo que o rodeava e dava-me a certeza de felicidade. A paixão com que falava em tudo o que acreditava, o ar abstracto e sincero...
Aquele anjo é daqueles que fazia milagres ao domicílio. Quando errava, mostrava-me que o erro humaniza.
É deste anjo que falo, mais de um anjo real e menos de um anjo inatingível, que não vemos.
Este anjo mostrava-me que a valsa pode ser tocada de uma maneira equivoca, porque é errando, errando muito e por largos dias que atingiremos a perfeição. E que o facto de não pormos fermento no pão faz dele uma iguaria, igualmente, deliciosa.
Este anjo era Eduarda. Queria poder dizer-lhe, daqui a muitos anos, que seríamos ainda mais unidos, numa relação envolvente e profunda, cheia de alegrias e de memórias, reforçadas por termos vivido tudo e tanto... nunca disse o principal sobre ela. Há palavras que nunca se chegam a dizer... e é uma pena...

1 compartilhamento
Inserida por AnaSeverina