Coleção pessoal de stefanimunhoz

Encontrados 17 pensamentos na coleção de stefanimunhoz

Não tinha muita vontade de falar, nem muita força. A delicadeza não era seu dom e a incerteza poderia arrancar-lhe a quietude. Qualquer movimento errado podia tirar-lhe um pedaço, do seu corpo ou do seu coração. Então, escolhera ficar estática, com os pés juntos, as mãos sobre as orelhas e a ilusão da plena certeza de que o corpo esconderia o apelo dos seus olhos, que gritavam incessantemente, dizendo: "Não me deixe aqui sozinha, por favor!"
Era mesmo uma boneca de porcelana, como você costumava dizer.

Stefani Munhoz
2 compartilhamentos
Tags: boneca porcelana

Bateram na porta, e se eu não abrisse dessa vez, eu não abriria nunca.

Stéfani Munhoz
1 compartilhamento

Acordei colocando as coisas a prova, como se a existência delas já não fosse prova o suficiente.

Stéfani Munhoz
1 compartilhamento

Eu tenho essa mania de agoniar as coisas, qualquer coisa que seja neutra. Nem boa nem ruim, nem fria nem quente, nem clara nem escura vira agonia aqui dentro. Porque é mais fácil sentir uma coisa que você já conhece, do que se aventurar num sentimento de decepção. Se permitindo sentir, guiada pelo medo. Sem se negar, filtrando o desnecessário. Eu sempre fui meio assim. Fria, calculista, defina como quiser. É que quando a gente se machuca, não está apto a pegar a bicicleta e descer a ladeira novamente. Não com tanta pressa. Não com tanto medo. Não com tanta rotina.

Stéfani Munhoz
1 compartilhamento
Tags: medo insegurança

Vim pra casa por força maior, arrastando os pés. Querendo sentar na primeira sombra e ficar lá até tudo passar. Sem saber definir o que era "tudo", mas achando que um pouco de sombra, vento e movimento já me deixariam de alma nova.

Stéfani Munhoz
1 compartilhamento

Deixa a vida levar, deixa o tempo correr, acalmar. O paradoxo está no tempo do tempo.

Stéfani Munhoz
1 compartilhamento

Ela fechava os olhos pra se esconder dos problemas. Deitava a cabeça no travesseiro e deixava as lagrimas lavarem seu rosto. Sabia que não tinha forças para lutar contra tamanho monstro que criara. Por isso, apenas deixava que a situação a carregasse. Não encontrava abrigo em si mesma, nem uma segurança que lhe apertasse as mãos. Jogava as cobertas sobre si, pressionava os braços sobre a cabeça, encolhia as pernas e ali ficava, presa a cama, até que o sono lhe vencesse a insistência.

Stéfani Munhoz
1 compartilhamento

Não sei quem eu quero enganar com essa coisa de “esconde isso, faz de conta que nada está acontecendo, que vai passar”. Não passa, não acha, só encaixa. Parece que eu me perco quando você chega. Me perco em mim mesma, nos meus pensamentos, nos meus sentimentos, na minha falha fuga. Fico sem graça e só consigo sorrir, o sorriso que fala por mim. É aquele olhar perdido que dura mais do que devia. É o virar de cabeça rápido quando nosso olhar vai se cruzar. E todas aquelas outras coisas clichês que fazem a gente perder a razão e ficar bobo. Essa história de perder a razão é intrigante. Juro que quando acontece comigo é terrível. O mundo está acontecendo todo na sua frente e a sua cabeça, de repente, tem uma crise de independência e resolve decidir as coisas sozinhas te levando pra outro mundo que só existe dentro da sua cabeça. Na verdade, nem é tão ruim assim, eu adoro o que encontro lá. Mas a cara que a gente fica pra quem está vivendo o mundo real deve ser tipo cara de princesa da Disney esperando o príncipe encantado. Gosto da sua cara quando você perde a razão assim. Você fica pensativo, realmente em outro mundo, um mundo que só existe dentro de você. Dá pra ver que você se perde - ou se encontra - nos seus pensamentos. Dá pra ver profundeza em você. Gosto de gente profunda. Gosto de gente que esconde mistério. Gosto de gente que esconde mundos particulares. Gosto de gente que cria suas próprias regras. Gosto de gente que sorri. Gosto de gente que não aceita imposição. Gosto de gente com olhar fundo. Gosto de gente que admira a lua. Gosto de gente que tem um além. Acho que é por isso que gosto tanto de você.

Stéfani Munhoz
1 compartilhamento
Tags: enganar esconde

Quanto mais eu escrevo, mais eu tenho certeza de que tenho que trancar isso a sete chaves. É como se às pessoas pensassem que é para chamar atenção. Como se imaginassem que eu preciso de socorro. Como se não entendessem as palavras e os seus significados. Tá certo que as vezes eu escrevo pra pedir socorro. Mas eu nunca escrevi pra chamar atenção. Nunca escrevi para as pessoas virem me perguntar se eu estou bem ou qualquer coisa relacionada a isso. Tudo o que eu rabisco em um papel, digito em um espaço branco ou rascunho na minha mente são experiências. É vida. É o que eu sinto, o que eu vivo, o que eu penso. Sem pensar em receber algo de volta. Eu penso só em mim, em me trazer de volta. Quando eu escrevo é como se eu me chamasse de volta pra mim, tirasse todos os disfarces e véus que me escondem pro mundo e me encontrasse com a minha essência, com o meu eu lírico, com a minha alma. As palavras viram confidência, as frases viram segredos e os textos viram um sigilo. É um mundo secreto e silencioso. E é por isso, que a cada dia tenho mais certeza de que não estou pronta para que as pessoas leiam os meus textos, ou elas que não estão prontas para lê-los. É só ter calma, ainda vai chegar a hora. A hora em que as pessoas vão buscar a si mesmos e ouvir o silêncio. E aí sim, elas vão entender o que as minhas palavras sussurram.

Stéfani Munhoz
1 compartilhamento
Tags: escrevo escrever

Ficar um pouco sozinha, ouvir o som que você mesmo tem a se oferecer.

Stéfani Munhoz
1 compartilhamento

É que as vezes é necessário relevar… o medo, a agonia, a indiferença. Não é um não sentir, é apenas um deixar de lado, um colocar em um canto pra pegar de volta depois, é um colocar de cabeça no lugar.
Colocar a cabeça no lugar, pra falar, pra pensar, pra sentir. Pra não viver achando que o mundo gira em torno da gente.
Na verdade eu sempre acreditei que cada um tivesse um mundinho interno onde imperavam regras individuais, sem licenças pra críticas e desvalorização de ideias. E realmente, esses mundinhos existem, e é esse o motivo de tanta discórdia. Não saber lidar com esse mundinho,particular, ou com a alma, ou com a imposição.
E mesmo com a discórdia, acho necessário essa individualidade do ser humano, é necessário saber se relacionar consigo para se relacionar com os outros.
É necessário esse mundo. Esse portal de transferência, do interno pro externo. Um lugar onde se alojam os pensamentos, entre o real e o subconsciente. Um lugar escondido, particular. Provavelmente, o lugar onde mora a alma.

Stéfani Munhoz
1 compartilhamento
Tags: necessário relevar

E se um dia seus pensamentos virassem um mar de ideias? Se fechasse os olhos e sua razão submergisse seus ideais? E. Se.

Stéfani Munhoz

É só isso ou tudo isso. O mesmo de sempre ou o diferente de nunca. O clichê da história de que ninguém está bem sempre.

Stéfani Munhoz
1 compartilhamento

A verdade é que a gente não sabe o que quer.
Se está sol, falta chuva. Se está chuva, queremos o sol. Se está calor, preferimos o frio. Se faz frio, mudamos de opinião. A verdade, é que ninguém tem uma certeza definitiva.
Sempre quando criança me perguntavam sobre as minhas preferências e a inocência deixava-me responder todas as perguntas. Mas quando a vida vai passando, o vento vai soprando contra a correnteza e limpando todos os traços da surrealidade, você aprende, por bem ou mal, que ninguém tem uma opinião formada sobre tudo e nada é mais certo como um picolé aos seis anos de idade em um dia de calor.
Ninguém que tem como comida favorita a sopa, vai querer toma-lá em um dia de calor na praia. Alguém que prefira a cor azul, não vai usa-la todos os dias. Ninguém quer uma tarde de chuva para passar o dia no clube, nem que a chuva seja sua inspiração.
Queremos o calor para ir para a praia e tomar um sorvete, queremos o frio para ver um filme sobre as cobertas, a chuva para sentir a presença de alguém.
Deu pra entender o sentido? Nós não somos lei, não somos imposição. Somos um sapato que dança no ritmo da música. Um carro numa pista de mão dupla. Uma folha. Uma folha que voa conforme o sussurro das árvores.

Stéfani Munhoz
1 compartilhamento

Nós temos a liberdade como ar que nós respiramos a cada segundo. A liberdade não está na privação dos seus problemas, ou na criação deles. A liberdade não está nas regras, ou na ausência delas. A liberdade não está no sentir, nem no pensar. A liberdade está em você. Não se encontra a liberdade, se vive. a liberdade está na escolha de viver ou privar. Está no encher-se ou esvaziar-se. Está no enfrentar ou no esconder-se. A liberdade está. Ela simplesmente, está.

Stéfani Munhoz
1 compartilhamento

Fecha a mão e segura os problemas todos lá dentro, só pra ter a sensação, nem que por um minuto, de que é você quem tem o controle da situação. Fecha os olhos e se imagina em um lugar diferente, onde suas regras não imperam, onde os seus dilemas não tem vez. Fecha o coração e emudece os sentimentos, se priva por um minuto do turbilhão de sentimentos, só pra se sentir neutro. Fecha a mente, e se exime por um tempo dos seus pensamentos, deixando sua mente branca vagar pelo universo, só pra te trazer a sensação de desprendimento. Depois de solto, vá pra longe, fuja de você. E só volte, quando ao invés de problemas, você trouxer nas mãos a liberdade.

Stéfani Munhoz
1 compartilhamento
Tags: problemas controle

E depois de muito apanhar, você começa aprender que não são às pessoas que te decepcionam. As pessoas simplesmente são quem são e é você quem espera que elas te surpreendam. A decepção não está nas pessoas, mas na ilusão que você cria sobre elas. Porque sim, o ser humano tende a esperar demais do próximo. Tende a esperar amor, tende a esperar surpresa, tende a esperar reciprocidade, tende a esperar. Esperar. E-s-p-e-r-a-r. Talvez sentado. Porque cansa viver sozinho, cansa não ter onde se apoiar. E toda essa individualidade que o ser humano apresenta ter, é só uma capa que disfarça sua busca incessante pela verdadeira filantropia.

Stéfani Munhoz
1 compartilhamento
Tags: esperar decepção