Coleção pessoal de Scutasu

101 - 120 do total de 130 pensamentos na coleção de Scutasu

Ela diz: Mãe eu sei que ele é um zumbi, mais finalmente encontrei alguém que esteja interessado no meu cérebro e não no meu corpo.

Matheus Dimitru Scutasu
1 compartilhamento
Tags: aceitação preconceito

Vamos brincar de contar piadas ?
- vamos sim, vai você começa...
- EU TE AMO !!!
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
- Essa é boa... já ouviu aquela do PARA SEMPRE ?

Matheus Dimitru Scutasu
2 compartilhamentos
Tags: aceitação preconceito

"i love you" JÁ APRENDEU A MENTIR EM INGLÊS TAMBÉM ?

Matheus Dimitru Scutasu
1 compartilhamento
Tags: aceitação preconceito

Ainda creio naquele velho ditado:
- Guerras fáceis, fazem soldados fracos.

Matheus Dimitru Scutasu
2 compartilhamentos
Tags: sábia facebook

Qual é o lugar mais rico do mundo? Já se fez essa pergunta?
Imaginou que seria Dubai? Vaticano? Beverly hills ? Se pensou assim você errou. O lugar mais rico do mundo é o cemitério! Mais porque ? Lá, existe canções enterradas que teriam potencial para ganhar o Grammy Award, mais nunca serão compostas. Artistas que seriam dignos de Oscar,mais nunca atuaram. Invenções que revolucionariam, mais nunca foram projetadas. Empresários de importância econômica mundial, mais não chegaram a possuir nada. Médicos, engenheiros ,advogados, cantores, artistas,mestres, professores, desembargadores, políticos, que nunca mais iram ter a chance de realizar o que sonhavam. O lugar mais rico do mundo não e a onde tem mais dinheiro concentrado, é sim onde se tem mais sonhos, pois os sonhos são a matéria prima da realização.

Matheus Dimitru Scutasu
2 compartilhamentos
Tags: aceitação preconceito

Conheci um homem tão pobre, mais tão pobre.
Que só tinha dinheiro.

Matheus Dimitru Scutasu
2 compartilhamentos
Tags: aceitação preconceito

Não confio em produto local. Sempre que viajo levo meu uísque e minha mulher.

Fernando Sabino
152 compartilhamentos
Tags: aceitação preconceito

O maior inimigo do excelente é o bom.

Matheus Dimitru Scutasu
1 compartilhamento
Tags: aceitação preconceito

Velocidade é a bola da vez. Não sei bem se é isso, mas não tenho mais tempo para errar. Há alguns meses, numa mesa-redonda em Belo Horizonte, o professor Eugênio Trivinho (PUC-Santos) falava em "dromoaptidão". Nunca mais me esqueci. Ele fala difícil, a platéia de estudantes de graduação em Comunicação ainda não sabia o que fazer com aquelas palavras. Muita gente riu baixinho, pensou logo no dicionário. "Dromoaptidão" era um conceito que Trivinho desdobrava ali para aquela "galera". E era mais ou menos a aptidão que nós (e os próximos habitantes desta Terra) devemos ter para lidar com a velocidade.

Além do professor de Santos, capítulos de livro trazem pesquisas sobre o tal do "tempo real" e a perseguição de um intervalo cada vez menor entre os fatos, os fatos e as idéias, os fatos e os textos, os fatos e o jornalismo. Uma correria que aparece na vida de todo mundo das mais variadas formas. Gerações que se sucedem e ficam sem o que fazer cada vez mais cedo.

A geração dos meus professores universitários fazia doutorado aos 45-50 anos. A minha geração é de doutores antes dos 30 ou pouquíssimo depois. Inventou-se, para dar conta disso e manter a "linha de corte", o pós-doutorado. E deste se pode ter um, mas é pouco. Há jovens estudiosos com cartelas de dois, três ou quatro, antes dos 40 anos, uns dentro e outros fora do país.

Vou pelo mesmo caminho, mas não sem me perguntar: para quê estou correndo tanto? Onde vou parar? Para quem quero falar o que eu aprendo? Turmas cada vez menores? Poucos indivíduos que querem fazer carreira na ciência? Embora haja vasta comissão de ressentidos que vão mal na profissão ou que apenas repetem a crítica infundada àqueles que fazem da pesquisa a profissão (muitas vezes a vida), é nisso que este país se fia, com o pouco que ele é, para atravessar camadas e camadas de ignorância reverberada até por quem estuda.

Em todas as grandes universidades deste país (não estou falando de faculdades), há equipes grandes de pessoas de variado nível de formação questionando, examinando, estudando e propondo o que se faz do lado de fora daquelas cercas. Em qualquer região do Brasil, pessoas dedicadas ao conhecimento (e não apenas à informação replicada, muitas vezes mal replicada) fazem seminários para ver o que é possível para melhorar isto ou aquilo.

Fico observando aquelas equipes da Engenharia de Materiais. Eles têm de pensar em tudo, no presente e no futuro, e de fato alteram as perspectivas do que acontece dentro de nossas casas. Ou aquela turma de jaleco branco que acaba de passar por ali. São biólogos e vão almoçar. Um pouco mais cedo, estavam discutindo alguma coisa sobre meio ambiente. Os cientistas da Computação estão ali trancados resolvendo o que fazer com a pesquisa de um tal ex-aluno de doutorado que inventou algo muito importante para isto ou aquilo. E a turma da Faculdade de Educação entregou hoje cedo as matrizes que direcionarão o ensino de Matemática nos próximos anos, se os professores deixarem.

E para quê corro tanto? Para ver a banda passar. Para chegar na frente. Para que minha vida aconteça à minha revelia. Para que meu filho tenha um futuro bacana. Para ter grana. Para aprender coisas que pouca gente sabe. Para contribuir. Posso dizer tanta coisa para me justificar, mas prefiro ficar cansada. No final, estaremos todos vizinhos nas mesmas covas. Para quê correr?

Uma moça me contava, há duas semanas, a experiência de morar no exterior. Não em Londres ou em Nova York, mas em Moçambique. Antes disso, fez um estágio no interior da Amazônia e depois concorreu a uma vaga na África. Lá, não tinha quase onde morar. Pegou malária duas vezes. Depois de três anos, resolveu voltar para o Brasil porque ficou grávida. Não fosse isso e teria curtido mais a missão. Dizia ela: "Aprendi muito com esses povos. Lá você dizia ao cara para pensar no futuro, guardar a comida, conservar o peixe e ele dizia: para quê?". Quando ela argumentava: "Para você ter um dia melhor amanhã". O africano dizia: "Mas aí eu posso ter um dia melhor hoje". Caça, pesca, coleta. Isso mesmo, vida de quem está, não será. E se for, melhor.

Ela dizia isso e sugeria a alunos de Letras que concorressem a vagas oferecidas por agências nacionais de fomento para viagens ao exterior. Não para Milão ou para Lisboa, mas para Moçambique ou para qualquer outro canto do mundo onde não haja uma vida, no fundo, muito parecida com esta. Ela dizia isso e refletia: correr para quê?

Não quero viver da coleta. Não sou caçadora e nem estou preparada para o "carpe diem" dos filmes americanos ou dos poemas árcades, mas bem que eu queria um descanso. Não este descanso falso dos finais de semana que começam no sábado à noite. Não a pseudoparada dos que dormem de dia. Ou a noite exausta de quem trabalha sem parar. É isso o que se tem feito. Eu queria o descanso de viver este dia do moçambicano sertanejo. De quem não conhece, simplesmente não sabe o que é, o celular, a televisão, a caixa de e-mails ou a luz elétrica. Impossível.

Faz tempo que a velocidade vem mudando de jeito. Não por conta da internet, que esta é apenas a etapa que nos soa mais fresquinha. Desde o telégrafo, o trem a vapor, o telefone. Desde que a distância pareceu ser relativa. Desde que os burricos que atravessavam montanhas pararam de trabalhar. O tempo vem sendo manipulado. As pessoas vêm delegando suas reflexões e seus desejos a outras. Se gostam ou não, se querem ou não, se são ou não, tanto faz. Terá sido tudo uma imensa onda de práticas meio espontâneas.

Sem ler sobre o assunto, mesmo sem freqüentar aulas de "Análise do Discurso", seja de que linha for, é possível parar para ouvir os ecos de tudo o que se diz. Aqui, neste Digestivo, é possível ler uns textos que ecoam outros; tantos que expressam bonitamente a conversa do boteco, com mais elaboração, é claro; outros tantos que conversam entre si e nem sabem. O que importa é saber o quanto estamos presos a uma rede invisível de sentidos que já vêm meio prontos. Uma teia de relações que já chegam feitas. Uma onda transparente de significados que carrega os ditos e os não-ditos. Sem ter como escapar. Os dizeres estão sempre presos a outros, mesmo que não se saiba se alguém já disse aquilo antes. E principalmente por isso.

Pensar deveria ser a coisa mais importante de tudo. Da vida em família, da escola, da convivência. Saber pensar deveria ser a habilidade mais almejada de todas. Antes de saber envergar roupinha de marca ou saber inglês, antes de conhecer música ou ler Machado de Assis. Antes de ser "do contra" ou de apoiar a "situação". Pensar deveria ser obrigatório. Não sei pensar. Não aprendi direito. Antes que eu consiga (porque eu até tento, há quem nem isso...), vêm logo essas redes de sentidos me carregando. Que antídoto há para isso? Pensar de novo, ler mais, conhecer os textos (falados, inclusive) que já rolaram nesta correnteza e tentar ao menos me localizar. Saber que ecos tem minha voz. Pensar de novo e assistir aos efeitos do que eu disser.

Em 2002 eu tinha um blog. Ele era até conhecido. Fazia resenhas e entrevistas com escritores. Depois me cansei dele. Hoje tenho preguiça dos blogs, assim como de outras coisas e pessoas. Lá no meu blog era assim: eu mal pensava e já havia escrito. Muitas vezes funcionava. Mas isso não tem a menor importância para mim mais. No blog, no site, na mesa de bar, a velocidade eclipsa uma série de coisas mais importantes. Muito do que se escreve é de uma irresponsabilidade exemplar. O Digestivo já foi texto de prova de vestibular várias vezes. Imagine-se o que isso ecoa nas práticas de muitos lugares? Parece bobagem? Não é. Muito do que se toma como verdade é irrefletido, bobo, superficial, reelaborado, tolo, restrito, mas se quem escreve só faz escrever sem pensar, imagine-se o que fazem os que apenas lêem, e lêem mal?

A velocidade com que as coisas podem ser feitas e ditas tem trazido à luz o que deveria ficar guardado em tonéis de carvalho. Há produtos da cultura que jamais, esteja a tecnologia como estiver, sairão dos barris antes do tempo. Ainda bem.

Ana Elisa Ribeiro
1 compartilhamento
Tags: aceitação preconceito

Uísque ruim, degustador incompetente.

Matheus Dimitru Scutasu
1 compartilhamento
Tags: aceitação preconceito

Quem não é visto, não é lembrado.
E quem é visto, é invejado.

Matheus Dimitru Scutasu
2 compartilhamentos

Deus não está em todos os lugares. Pelo contrário, em todos os lugares está Deus. Pois a sua magnitude não se limita a nada. Ele é maior que tudo !

Matheus Dimitru Scutasu
1 compartilhamento

Nós, homens, não nos importamos se você falar com outro cara. Não nos importamos se vocês são amigas de outros caras. Mas quando vocês estão sentadas com a gente e um cara qualquer aparece e você sai correndo e pula em cima dele, sem nem ao menos nos apresentar, é, é bastante irritante. E não ajuda se você chamar ele pra sentar com a gente e ficar conversando dez minutos com ele sem nem se dar conta do fato de que ainda estamos ali. Não nós importamos se é um amigo de anos ou se é um novo amigo. Sentiremos ciúmes da mesma forma. Não nos importamos se um cara te telefona, ou te manda uma mensagem, mas se isso acontece às 2 da manhã, nós nos incomodamos um pouco sim. Nada de tão importante costuma acontecer às 2 da madrugada que não possa esperar até o amanhecer. Além disso, quando te dissermos que você é bonita/linda/estonteante/maravilhosa, nós estamos falando a verdade. Não diga que estamos errados. Uma hora vamos parar de tentar te convencer. A coisa mais sexy numa garota é confiança. Mas ter confiança não significa ser convencida. Não se irritem quando abrirmos uma porta para você. Aproveitem e abusem do meu humor. Nos deixem pagar as coisas pra vocês! Não se “sintam mal”, nós gostamos de fazer isso. Não é mais que o esperado. Sorriam e digam “obrigada”. Nos beijem quando não há ninguém olhando. Mas, se vocês nos beijarem quando sabem que alguém está olhando, ficaremos impressionados. Vocês não precisam se arrumar para nós. Pra começar, se formos sair com vocês, vocês não precisam sentir a necessidade de colocar a sua saia mais bonita ou passar todos os tipos de maquiagem que vocês têm. Gostamos de você por quem você é, e não pelo que vocês têm. Sinceramente, eu acho que uma garota fica mais bonita de pijama ou com uma camiseta minha e um shortinho qualquer do que toda embelezada. Não levem tudo o que dissermos a sério. Piadas e brincadeiras são coisas lindas. Tentem enxergar a beleza delas. Não se irritem tão facilmente. Não fiquem falando sobre como o Chris Brown, o Brad Pitt ou o Taylor Lautner são lindos. É tedioso, e nós não nos importamos. Você tem amigas pra isso. E meninas, isso é o mais importante: se um cara não está te tratando bem, não espere que ele mude! Dispensa essa vergonha para a população masculina da Terra, e ache alguém que te trate com respeito. Alguém que honre seu código moral. Alguém que te faça sorrir mesmo no seu pior momento. Alguém goste de você mesmo quando você erra. Alguém que pare o que está fazendo só pra te olhar nos olhos e sorrir. Dêem uma chance pros caras legais. Homens, copiem e colem essa mensagem se concordarem. Mulheres, copiem e colem se acharem ela bonita. Qualquer homem que não for um babaca vai concordar com isso, e espero que todas as garotas postem isso nos seus murais. A vida é curta demais pra ficar reclamando de tudo que aparece no seu caminho, então pare e cheire as flores da vida, porque você pode nunca mais ter essa oportunidade. Pare e aproveite, porque cada uma é diferente à sua própria maneira. Corra riscos, porque se não der tudo certo, sempre haverão mais flores para se cheirar...

Matheus Dimitru Scutasu
2 compartilhamentos
Tags: aceitação preconceito

Já que tenho o direito do livre arbítrio, que me permite escolher,
eu escolho não ter escolhas, e escolho entregar esse direito à você.

Matheus Dimitru Scutasu
2 compartilhamentos

Se você esta em dúvida, a resposta é NÃO.
Porque se fosse certo você teria certeza !

Matheus Dimitru Scutasu
2 compartilhamentos

Na vida só desça um degrau se for para pegar impulso e saltar mais dois.

Matheus Dimitru Scutasu
2 compartilhamentos

Quando eu era muleque lembrei de algo que diziam,
que a medida do amor era amar sem medidas.
E se não souber amar, intão nem procure aprender,
por que amar é tão fácil, o díficil é esquecer.
A arte de amar é a mesma de ser poeta,
casar linhas com idéias e rimas na direta.
O amor não é palavras que se dizem ao acaso sem pensar,
são outras emitidas ao sorrir e ao abraçar.
Saudade é aquilo que fica,
daquilo que não ficou,
mais pra fugir dos espinhos desse mundo enganador,
eu penso nos teus carinhos e sonho com seu amor.
O mundo é loco, é da vontade de chorar...
...aprendemos com a dor o que alegria não soube ensinar.

Matheus Dimitru Scutasu
1 compartilhamento

A regra é simples:
- DÊ AMOR A QUEM TE DÁ VALOR !

Matheus Dimitru Scutasu
1 compartilhamento

Essa conversa de que a pessoa só dá valor quando perde não é verdadeira. Cada um sabe exatamente o que tem a seu lado. O problema é que ninguém acredita que um dia vá perder.

Desconhecido
41 compartilhamentos

“Aprendi que mesmo que as coisas estejam péssimas, pensamento positivo e emitir coisas positivas você vai acabar começando a atrair coisas positivas pra sua vida, assim deixando todo o mal para tras.”

Matheus Dimitru Scutasu
7 compartilhamentos