Coleção pessoal de rnatosf

Encontrado 1 pensamentos na coleção de rnatosf

Após a leitura de diversos casos extremamente chocantes sobre matar por amor, me permiti ignorar a forma que o livro expunha o amor para mostra-lo de forma diferente, antes de realizar a abordagem sobre o tema.
O amor, sentimento interno e externo, nos demonstra a melhor forma de vivermos individualmente e em sociedade, pois se não amamos, mortos estamos para nós mesmos e a perda deste nobre sentimento é muito grande e muitas vezes irrecuperável.
A mais bela definição de amor que já li até hoje, foi expressa pelo apostolo Paulo em carta aos Coríntios, e na Bíblia Sagrada relata:
“O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece”.
“Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;”
“Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;”
“Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta...”.
Esta mais linda forma de expressão faz vivermos intensamente apenas lendo e reportando ao nosso interior o significado importante deste sentimento.
Quando amamos, nos tornamos um ser melhor, somos diferentes e até mesmo nos transformamos, muitos poetas deram características diferentes ao amor, Luís de Camões o expressou desta forma:
“Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;

É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder;

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence o vencedor;
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o mesmo Amor?”
Quando amamos, somos poetas, a nossa namorada é a pessoa mais especial do mundo, se torna única e só queremos estar todo tempo ao lado dela, e em decorrência deste querer, vem o casamento.
Um amigo um dia me disse que o casamento é a mulher trocar a atenção de mil homens pela desatenção de um homem só, no momento não percebi o que ele queria dizer-me com aquela citação, mas hoje entendo, infelizmente, em alguns casos, após o casamento, o amor que no principio foi uma conquista começa a passar por transformações, se prestarmos atenção na palavra do apostolo Paulo, observamos que o amor é sofredor, em momento algum, ninguém o prometeu como mil maravilhas e em decorrência da vida a dois por sermos pessoas diferentes com instintos diferentes, gênios diferentes, passamos pela maior mutação em nossas vidas.
Quando se lê que alguém matou alguém por amor, é hora de parar para pensar, será que realmente foi por amor?
Sob minha simples ótica, discordo totalmente e após a atenta leitura sobre a paixão no banco dos réus, pude analisar estas questões desta forma:
Alguns que ali mataram, o fizeram por ciúmes, não por amor, um significado de ciúmes para não o confundir com amor é este, apresentado pela Psicóloga Ayala Pines: ciúme é "a reação complexa a uma ameaça perceptível a uma relação valiosa ou à sua qualidade. Provoca o temor da perda e envolve sempre três ou mais pessoas”; outros o fizeram por paixão que também não é amor descrito desta forma: do verbo latino, patior, que significa sofrer ou suportar uma situação dificil) é uma emoção de ampliação quase patológica do amor. O acometido de paixão perde sua individualidade em função do fascínio que o outro exerce sobre ele. É tipicamente um sentimento doloroso e patológico, porque, via de regra, o indivíduo perde a sua individualidade, a sua identidade e o seu poder de raciocínio. Visto deste ponto de vista, podemos avaliar a paixão no banco dos réus, pois cada caso descrito demosntra a multiplicidade dos sentimentos , com exceção de amor.
Quem mata, não o faz por amor, faz por ódio. Não conhecemos o teor de cada processo em detalhes, porém podemos observar que muitas vezes na história jurídica no Brasil este tipo de crime não correspondeu as expectativas da sociedade, considerando muitas vezes que a maioria dos assasinos que os cometeram, foram absolvidos e em casos outros não chegaram nem a cumprir pena. Houve condescendência com criminosos de situação de status e muitas decisões intrigantes nos deixam com questionamentos sem respostas.
Sendo este tipo de crime cometido na maioria por homens, demontra quanto a irracionalidade do homem é estúpida e a caracteristica impessoal masculina não se pode comparar sequer aos animais,pois os mesmos apesar de não serem considerados seres racionais, não cometem tais atrocidades , tanto contra sua espécie quanto sua propria companheira.
Esta agressão gratuita que parte do ser humano é tão mediocre que ficamos sem palavras para definir este ato , um atitude que o homem assume para sí pensando ser a mulher uma propriedade, um bem fisico que pode ser manipulado como objeto pessoal, matar uma companheira por ciúmes, ódio ao ponto de vista moral é imperdoável, porém do ponto juridico, deveriamos ter penas que fossem cumpridas independentes de serem os réus de classe baixa ,média ou alta, ofendem o maior bem jurídico tutelado e não encerram apenas com a vida da vitima, mas a vida social de toda familia , maculando assim com toda convicção ao nome e a honra desta familia.

Renato S. Ferreira