Coleção pessoal de IgorImprotta

1 - 20 do total de 99 pensamentos na coleção de IgorImprotta

As mesmas Palavras

Eu não queria te dizer as mesmas palavras,
Nem escrever os mesmos versos,
Mas certas palavras terão que ser repetidas
E sempre lhe direi o que é vero,

Hoje te digo as mesmas palavras,
Quero que você sinta a emoção aqui contida!
Quero que saiba que somente é você,
O grande amor da minha vida...

Não deixei de escrever palavras tristes,
Mas anda sendo difícil de escrever,
Pois a tristeza não mais em mim existe,
Já que hoje eu tenho você!

Já tentei Expurgar,
Já falei em sonetos de saudade.
Sobre até as águas do teu mar,
Sobre Minhas mentiras e verdades

Eu te pedi a “Hagia Sophia”,
E disse Adeus para o adeus,
Mostrei a Deus que te queria,
E que como te quero em braços meus!

Escrevi algo para você,
E lhe disse onde eu precisava estar.
Já falei que tu és o meu ser,
E que meu viver é te amar!

Igor Improtta

Igor Improta Figueredo
1 compartilhamento

Amor, viver ou morrer?

Amor é viver...
Amor é morrer!
Viver em teus braços, pois é onde a doçura eu vou encontrar,
Morrer em teus lábios, pois é aonde teu sabor irá me amparar.

Morrer de amor é viver!
Viver sem amor é morrer...
Morrer de amor é ter a certeza que viva está sua alma e só águas puras jorrarão!
Viver sem amor não é vida, é a morte da alma e o sepultamento do coração!

Onde eu morro de amor é onde eu vivo de paixão,
Onde eu vivo é onde eu morro, e onde morro é onde eu vivo;
E vivo meus sentimentos continuarão!
É onde eu me transporto via sentimento para o amor, largando a solidão...

É onde eu morro de vontade, onde minhas artérias quase explodem de tanta emoção.
Onde meu coração bombeia forte e meu corpo treme, onde eu me sinto no céu.
Onde aromas perfumados invadem minhas narinas e nos lábios sinto gosto de mel!
O teu amor é vida, e por você de amor eu vivo a morrer,
É em você que minha vida descansa querendo mais e mais te querer!

Igor Improtta

Igor Improta Figueredo
1 compartilhamento

Mais apaixonado do que Poeta!
Hoje datarei a minha primeira poesia depois de...
Depois de nunca.
Nunca datei uma poesia, e assim não me lembro nem da primeira,
Não pensarei nem na última, mas até essa poderia ser a última,
Ninguém sabe...

Quero dizer algumas coisas, antes que as idéias se percam.
Dizer que como poeta eu aprendi muito,
Porém aprendi ainda mais como um apaixonado.
Hoje sou poeta, mas um péssimo poeta,

Já que quando toco o papel com a caneta
Acabo escrevendo só sobre ti...
Então eu grito – Sou um ótimo apaixonado!
E a poesia me vem assim!

Mesmo que um dia como o poeta que sou eu olhe para esses versos e diga:
- Não deveria ter dado a ti vida. Oh! Palavras insensatas!
Hoje direi assim mesmo, sendo mais que poeta sendo apaixonado...

Estar com você tem sido a melhor coisa até o exato segundo que vivo,
E cada segundo que se passa se torna melhor que o anterior,
Assim, espero que os segundos virem horas, dias, meses, anos...
E se transforme no famoso ”Para sempre”!

Dato no dia 13/06/10, a poesia que fiz a ti meu amor,
Eu me sinto mais “humano” perto de ti. e mais apaixonado do que poeta...
Eu te amo!

Igor Improtta




Nota de roda pé: Como o tempo voa e as coisas mudam (risos)

Igor Improta Figueredo
1 compartilhamento
Tags: igor improtta

Palavras fogem

Algo me prende ao escrever...

Estou louco para falar de amor...

Não sei o que me prende ao escrever, eu quero falar de amor!
Tentando colocar no papel esse sentimento que me adorna.
Mas nada serve para fazer-me colocar tudo isso para fora!

O que fazer, se algo me prende?
São os poucos o que de poesia entendem.
E esses mesmos loucos dizem que me compreendem.
Mas só me dizem que devo buscar em mim o que me prende...
Obrigá-lo a me soltar, a me desprender.

Acho que sei o que me prende...
Como aqueles poucos, eu como mais um louco, já começo a entender!
O que não me deixa escrever, é o mesmo que me motiva a tal!

Poetas não vivem as razões alheias.
E nem misturados a todos como juntos são os grãos de areia.
São teimosos e ao escrever colhem as gotas de suor da alma...

Mas as palavras fogem ao tentar falar da fonte adornada.
Não dá para falar sobre sua amada.
Se não sabe se sua amada, sente amor por você!

Igor Improtta

Igor Improta Figueredo
1 compartilhamento

Sem muito o que lhe dizer
Já escrevi tanto para você ler,
Coisas que deveriam ser ditas.
Não me canso de te escrever,
Mostrando-te que você é o amor da minha vida!

Não tenho promessas para lhe fazer,
Pois tenho medo que se tornem em vão,
Não tenho muito o que escrever,
Mas quero que você tenha a ligeira noção!

Eu já te disse sem que você precisasse ouvir,
Já te respondi sem que você me perguntasse,
Disse tudo o que eu vivia a sentir,
Com beijo nos teus lábios ou na tua face!

Não quero ser longo nas minhas palavras,
Quero que as sílabas vociferem sentimentos lindos,
Que teu sabor esteja até no meu copo com água
E que tua presença torne meus dias os mais vívidos!

Por mim, os versos se multiplicariam,
E que nascessem mais estrofes,
Que as poesias jorrassem sem fim,
Mesmo que me chegasse à morte!

Ainda não escrevi o que eu queria,
Tenho total certeza que outras palavras virão,
Mas tenho que encerrar por aqui,
Um beijo meu amor, por ti palpita meu coração!
Igor Improtta

Igor Improta Figueredo
1 compartilhamento
Tags: amor poesia

Amor de uma vida

Quando estou contigo, é quando sinto o que eu sinto...
É perto de ti que vejo que estou vivo,
Todavia se for para viver por viver,
Prefiro dizer que é por ti que eu respiro!

Tua respiração, o bater do teu coração, isso é minha vida!
Não suportaria deixar-te, não seria possível,
Te ver partir ou sentir a tua ida!
Quero-te minha, quero-te indivisível...

E mas uma vez eu escrevo o que era para dizer,
Espero que não se importe, mas é o meu jeito de ser...
Sendo-lhe mais sincero, tu já és o meu ser!

A morte já não pode contar-lhe que um dia eu morreria,
Se tu vivesse para sempre, vida eterna eu também teria!
Já que tu és minha vida, mesmo em lembranças eu viveria em tua vida!
Igor Improta

Igor Improta Figueredo
1 compartilhamento

No toque calmo de uma doce canção,
Tento esquecer as sinfonias tristes do meu coração!
Nessa reunião de doces sons, não mais posso eu ouvi-las,
Mesmo que tudo se cale, não poderás ouvir batida!

Paradas, pois nem possuo mais vida!
Não estou falando do meu coração “pulsador” de sangue,
Pois este está muito bem,
Mas falo do coração da alma que morto está,
Por causa de certo alguém!

Ouça os gritos da minha alma, ela sim é a sua canção,
Você me fez desistir de viver,
Se não fossem os que me amam eu não saberia como proceder!

Se não fossem os meus amigos eu não saberia o que fazer,
Como fazer para te esquecer.
Esquecer quem mais me fez sofrer!

Ouça os gritos ecoados da minha alma, ela sim é a sua canção...
Ela sim é a sua canção!
Sua canção!
Aquela canção!

Quem mas me fez sofrer!
Me fez sofrer!
Sofrer,
Sofrer...

Igor Improta Figueredo
1 compartilhamento

Momentos com você

São os curtos momentos bons, que se tornam eternos!
São os bobos carinhos os mais ternos,
São os olhares mais discretos que se tornam os mais visíveis!
São as rápidas horas que se tornam as mais inesquecíveis!

Igor Improta Figueredo
1 compartilhamento

Aqueles olhos

E aqueles olhos se cruzaram com seus olhos,
Sendo os olhos de quem mais te quer bem!
E tais olhos, distantes olhos,
Estavam longe, estavam muito além...

Um olhar doce de encontro a uma vida amarga,
Adocicando a vida, açucarando a alma!
E aquele olhar se dispôs em sorriso, risos de verdade.
E que sorriso risonho de sem tamanho tão imensa a felicidade!

E seus olhos querendo aquém aqueles olhos,
E aqueles olhos estando além dos teus olhos,
De fato que só o poderia olhar, só poderia sorrir,
Aqueles olhos deveriam chorar por não ser assim tão feliz!

Mas ao sorrir o riso e ao falar olhando,
Aquele olhar se fez de bobo, só por que estava se apaixonando,
E não poderia mais evitar, queria ficar perto e não além,
Ele não o quis mais longe, quis seu olhar de perto, seu olhar aquém!

Igor Improta Figueredo
1 compartilhamento

Você apareceu em minha vida
E percebi desde o primeiro olhar que não foi por acaso,
No começo deixamos o acaso nos guiar,
Deixamos a vida improvisar encontros e desencontros,

A maré dos meus sonhos começou a aumentar!
Percebi que tinha uma chance de um amor encontrar!
Foi ai que resolvi te confessar...
O acaso nos levou ao primeiro lugar!

O lugar onde nossas vidas se cruzam “por acaso” pela primeira vez!
Onde o meu sonho em realidade se fez.
Eu resolvi te confessar que eu vivia por você e eu queria te amar!
Desde aquele dia me perdi e até hoje não sei onde me encontrar!

Se por acaso você conseguir me encontrar me traga de volta,
Aliais me deixe continuar perdido por você, pois estar perdido é bom demais!
E se por acaso o acaso quiser me tirar de você,
O mande me procurar na esquina,

Pois amo você e quero para sempre em minha vida!
Nem o acaso pode te tirar de mim,
Pois não foi por acaso que te encontrei!

Igor Improta Figueredo
1 compartilhamento

Eu não te queria ver chorar,
Mas choro eu por desejar
Que as tristes lágrimas que eu chorei
Também desçam do teu lindo olhar!

Igor Improta Figueredo
2 compartilhamentos

Eu não posso me deixar sofrer assim,
Mas o passado teima a ficar dentro de mim.
O passado passou e passando ainda passa
Como um corte profundo feito por navalha.

É culpa,
É saudade
É remorso,
É vontade!

Mas não sei se é amor!

IGOR IMPROTTA FIGUEREDO

Igor Improta Figueredo
1 compartilhamento

A boneca de porcelana

Quando eu era criança eu quebrei uma boneca de pano de cabeça de porcelana que pertencia a minha Vó. Compelido pela culpa e pelo medo a escondi na própria estante onde ela ficava de enfeite, entre outros trecos e troços lá guardados a escondi junto com seus próprios cacos.
Se passaram dias e a culpa em mim se estendia e eu me perguntava o porquê de eu não ter feito diferente, mas já era tarde, já o tinha feito, já tinha quebrado a boneca de minha vó.
Quando resolvi consertar o erro sem conserto, me fiz de espanto: A boneca não estava e nem mesmo seus cacos.
Mas onde será que estava a tal boneca? Jogada fora provavelmente... Ah... Minha culpa não passou, ela continuou a me ferir, veja bem, a boneca escafedeu, sumiu dali!
Os dias se passaram e a boneca apareceu!
Já não mais naquela mesma estante estava.
Minha avó tinha colado caco por caco, pintado novamente traço por traço!
Então lhe perguntei:
- Vovó, a boneca ainda prestava? Fui eu quem a quebrou vovó, me desculpe, estou muito triste por isso.
- Nem a sua tristeza meu filho e nem a culpa consertariam a boneca, apenas cola, muita paciência e amor. Ingredientes que você não possuía, só eu. Deveria ter me procurado e eu te ensinaria a consertar seu erro.

Escondemos o nosso erro, não buscamos resposta de Deus, o ignoramos completamente, esquecemos que quem nos ensina, que nos mostra como mudar o caminho, consertar os erros, refazer a nossa Historia é DEUS.
Busca resposta de Deus e os seus problemas podem ser resolvidos muito antes do que você esperava. Amém?

Por: Igor Improta Figueredo

Igor Improta Figueredo
1 compartilhamento
Tags: amor poesia

Procurando a mais ínfima inspiração,
E não poder achar, pode ser um motivo a escrever!
Mas como te escrever sem a devida inspiração?
Não posso te entregar pobres palavras escritas por escrever!

Mas o que mais quero além do que te escrever
É ter você perto de mim...
Pedir a Deus que não te tire do meu ser,
E que o nosso amor nunca tenha o fim!

E peço a Santa Sabedoria...
Que não tire a minha alegria,
Oh! Hagia Sophia, não tire minha alegria!

Aos poucos as palavras se encaixam...
Aos poucos mostro um soneto de uma oração!
Deus e sua sabedoria, e a mercê meu coração


IGOR IMPROTTA FIGUEREDO

Igor Improta Figueredo
1 compartilhamento

Aos que nos acham melosos,
Somos então!

Aos que nos acham autoconfiantes de mais!
Somos então!

Aos que nos acham tristes,
Somos então!

Aos que nos acham desprezíveis,
Somos então!

Aos que nos acham de outro mundo,
Somos com certeza!

Aos que nos acham mentirosos,
Somos então!

Aos que nos acham poetas,
Não ache melhor ir com os outros, só poetas entendem poetas!

IGOR IMPROTTA FIGUEREDO

Igor Improta Figueredo
1 compartilhamento

Esperei tua resposta, depois de ter desabafado as minhas magoas,
Te esperei bater em minha porta para receber o seu cálice e derramar as minhas águas!
Não quero te levar as minhas tristezas, não!
Só te peço que as arranque do meu coração...

Arranque esse monstro que me destrói!
Voraz e feroz!
Eu preciso da tua ajuda, preciso de você!
Quero-te aqui perto, não precisa me entender!

A tristeza bate, bate, bate forte...
E as lembranças que me abatem derrubaram o meu forte.
O forte que eu construí sobre a gélida neve da alma...

Alma gelada, insípida e triste, coberta pela neve branca e alva!
E como me corroem antigas lembranças,
Como me destrói não ter novas esperanças...

IGOR IMPROTTA GIGUEREDO

Igor Improta Figueredo
1 compartilhamento

Eu não quero dizer adeus...
Não quero deixar para o passado o que desde o passado me fez feliz!
E eu não quero dizer adeus...
Não vou me despedir do que me fez despedir da tristeza que vivi!

Recuso-me a deixar-te assim, a ficar sem ti,
A deixar-te sem mim!
Pois por mim, seria para sempre assim,
Tu e eu, eu e ti...

Ah! Não quero dizer adeus, pois foi a Deus que te pedi...
E que o mundo não tente insistir,
Pois fui feito para persistir por ti.

E que não tentem me conter,
Deixe-me viver somente por ti...
Deixe-me sonhar e acordar por ti!

Igor Improta Figueredo
1 compartilhamento

Hoje eu senti o teu toque...
Mesmo sem ele na real presença em mim!
Sei que foi à necessidade que tenho do teu toque,
Lembrando que não posso esquecer-me de ti!

Sabe...
Não quero falar sobre saudade,
Já que inerente é esta desmedida vontade...
(De você!)

Sabe... Não tem pra que dizer que te quero de verdade,
Nem dizer o sabor dos lábios da tua face,
Do que é mais magno em você!
Não preciso mais afirmar,
Nem com grandiloqüência lhe dizer!
Já que claro e cristalino é que sem ti não sei viver!

Falo sobre você, dormindo,
Falo sobre você rindo...
Lembrando das doces loucuras de você!
Falo de você sentindo...
Falo de você quando estou indo,
Ou quando vou embora de você!

Lembro de você sorrindo...
Lembro de você partindo,
Lembro das voltas de você!

Poetizo quando eu não te vejo...
Poetizo quando eu mais te desejo!
Ou quando simplesmente estou perto de você!

Não te amo só quando te escrevo...
Eu te amei em pleno desespero!
Todavia te guardei em meu peito,
Naquele lado esquerdo, onde mora você!

Perdendo-me em bobas palavras
Pedi a Deus que fosse ti, a minha namorada,
Que fosse a minha amada, a amada que nunca irei esquecer!

Ate agora nada pode me impedir...
E faz-me rir,
As barreiras que me impedem de ver a ti!

Depois te todas as palavras,
Deixa eu te dizer e faz-me ouvir...
Que eu amo a ti, tu amas a mim!

Igor Improta Figueredo
1 compartilhamento
Tags: amor poesia

E digo a quem fez a justiça, condenando meu amor por ti...
Por tua razão não fui julgado, eu confessei ter errado!
Só por ter amado e cravado seu pensamento com tanto amor assim!

Igor Improta Figueredo
1 compartilhamento

Expurgar

O poeta tem que expurgar de si tudo o que lhe atrapalha...
Como tocar fogo na palha, do que resta do capim,
Explodir a sua ultima granada, se for preciso assim.
Se assim não for ou se for algo mais,
Não mais será o poeta e o escritor tão voraz!

O meu único problema é expurgar o que me atrapalha
Já que é você, minha amada, que não me deixar escrever!
Para ser poeta eu teria que também ser um pouco triste,
Mas a infelicidade não existe já que eu tenho você!

E sendo assim abro mão das minhas palavras,
Guardo-as em bolsas fechadas para ninguém mais ler...
Se um dia eu as abrir será para escrever a minha ultima sentença,
Pois descerei lá na arena, para com a morte lutar!

E se não for por isso, um dia abro e te digo,
Não mais amo quem tanto eu vivi a amar!
Tudo o que eu escrevo pode não acontecer,
Pois, meu amor, eu sou poeta e eu nasci para escrever!

IGOR IMPROTTA FIGUEREDO

Igor Improta Figueredo
1 compartilhamento