Coleção pessoal de rafakoz

1 - 20 do total de 68 pensamentos na coleção de rafakoz

Não há luz.
Há ausência. Sombreando meus desejos, tentando ensinar meu coração a aceitar que não há mais você.
Há uma pausa, um hiato; uma possível falta, a suposta ausência, talvez uma certa ofensa condensada no silêncio que tanto se faz perceber.
Atos falhos, omitidos, sem sentido.
Obrigo-me a pensar. Ponderar o sujeito oculto em orações.
As preces sussurradas para que eu volte a sentir você.
E de tanto pedir... você se foi.
Uma ausência hostil e ostensiva, que cria rumores e mal humores dentro de mim.
Revolto-me, inquieto fico.
Amanhece. Já não se pode ver as estrelas de teus olhos.
Busco em meio aos escombros e pedaços interiores alguma explicação.
Vasculho os retalhos do meu coração e não encontro nenhuma resposta.
Não há luz. Há somente a poeira imóvel de algo adormecido e estagnado.
Busco atento palavra tua, um verbo velado, um brilho longínquo, mesmo que opaco. Em vão, pois não há você.
Converso com o silêncio e faço dele meu amigo.
Travo discursos ferrenhos com a quietude.
Então, sozinho, tento embalar-me entre meus próprios braços.
E, enfim, descubro que não há resposta quando o silencio insiste em responder.

Rafael Kozechen
1 compartilhamento
Tags: ausência silêncio

E andando pelas ruas
Tantos rostos, tantas histórias
Mas nenhuma é a sua
Tropeço em tua lembrança
abraço a tua falta
e faço dela minha companheira
não que eu a queira com companhia
Mas ela insiste em se tornar inseparável
Os teus lábios já não tocam mais os meus
Nem ao menos sinto teus abraços
E assim fico, com o pensamento longe
Sentindo como se você aparecesse a qualquer momento...
E dissesse
Amor, aqui estou! E ainda te quero tanto

Rafael Kozechen

Num gesto: o afeto!
Quase prece, apreciamos
os sentimentos que aquece
Aquilo tudo que desejamos, pedimos
Às vezes ganhamos, às vezes não
Mas meu medo fui perdendo
Fui te descobrindo, me reinventando
Me tornando melhor
Afinal, o que sentimos nada tem a ver com cifra, medida ou razão
Apenas somos assim. E gostamos do que temos um no outro.
Um reflexo, um nexo
E "a tua presente ausência, sua ausência presente", ainda insiste
Mas já não mais me incomoda
Pois com uma atitude, um verso
Você me fez sentir tão completo
E vai ser dificil te querer no inverso
Onde minha vida vai estar...

Rafael Kozechen

Dessa vez as mãos não estavam espalmadas,
nem ao menos se encontram
Talvez por medo, anseio ou aflição
Ficaram recolhidas, comprimidas, calcadas
E o corpo prostrado, não em reverência...
Mais como um pedido, um rogo, uma súplica
Um desejo incontestável, quase incontrolável
De querer sua boca perto da minha...
De sentir um beijo seu!

Rafael Kozechen

Dói... Deveras
Mas é tão bonito
E essa dor no coração, tão forte, tão sincera, tão cheia de si
É reflexo fidedigno do que você representa pra mim
Por isso as palavras são do jeito que são...
Só que as palavras ficaram mais bonitas quando foram pensadas em você...
E o verbo transmuta-se
Caso um dia você venha se despedir em um aceno
Quem sabe para um nunca mais...
Eu vou entender
eu vou ter que entender
E vai doer!
E as palavras irão ficar mais tristes
Quem sabe desaparecer, num sussurro, num vento
Em um instante sumir o que era constante e lindo
Verdadeiro
E os poemas irão quase chorar,
Quem sabe, para um nunca mais...

Rafael Kozechen
1 compartilhamento
Tags: papael instante

A cor do mar lembram seus olhos.
São linhas tracejadas no horizonte de teu rosto.
Rochedos alcantilados que recordam a dureza que tantas vezes vi surgir.
A mesma cor, as mesmas linhas, a mesma dureza que tantas outras vezes me esforcei para esquecer.
Mas, se mesmo assim, tão falho que sou; ao me ver incapaz de apagar lembranças passadas; deixo então que as recordações tomem conta de mim e me embalem. Deixo que cada cor e cada traço se transforme na beleza cênica de um por-do-sol.
Seus olhos refletidos neste mar sem fim.
Por fim, é como se cada matiz e cada linha no horizonte sorrisse para mim. Então, sorrindo, me senti em paz por ter tido a oportunidade de sentir o carinho teu.

Rafael Kozechen

Reconstruindo de novo um novo que ainda não conheço.
Afinando em silêncios os meus outros de mim...
Recolhendo retalhos, estilhaços, cacos e sobras...

Rafael Kozechen
1 compartilhamento
Tags: reconstrução novo

ANTAGÔNICA (VASTIDÃO)

"Tentando revelar seu íntimo, fui cada vez mais fundo.
Perdi-me na vastidão profunda dos teus olhos.
Disperso, procurando a saída, tentei desconstruir as muralhas que demoram décadas para se edificar. Pedras forjadas e polidas, firmemente equilibradas em sólidas fundações.
Senti minhas mãos trêmulas, e num ímpeto, fui as envolvendo uma na outra por não saber a medida e nem bem ao certo o que fazer.
Envolvido entre emoções um tanto juvenis - borboletas travessas que insistem em se inquietar -
Desprovido e desmedido, indefeso; acabei envolto em paixão.
Desarmado e inseguro, até mesmo desajeitado...
E com as mesmas mãos trêmulas e inseguras... me entreguei.
Aqueles olhos repletos de candura e bondade, brilhantes estrelas ao alcance das mãos.
Antagônica expressão que não condiz com as marcas deixadas por tantas experiências vividas.
Portanto, permaneço confuso, assolado por essa inquietude que me move para o desconhecido, sem saber bem ao certo o que ocorreu.
Onde está o controle?
Tão fácil se apaixonar por alguém com estrelas nos olhos.
Enormes constelações.
Estrelas ao alcance das trêmulas mãos, porém não são tão palpáveis quanto aparentam ser.
Antagônicas medidas de grandeza.
Quem disse que são tão simples assim?
Afinal, não se pode mensurar astros com medidas tão diminutas.
Porém, são eles compostos apenas por porções colossais, gigantes e desmedidas?
Não há minúsculas partículas que permeiam sua existência?
Talvez você, acostumadas com as ínfimas parcelas da essência - a simplicidade em si - possa me explicar o que as minhas manias de grandeza não me permitem compreender.
Quem sabe você me sustente nas pontas dos seus suaves dedos ou na palma de suas mãos.
E quem sabe você me permita te ensinar a voar."

Rafael Kozechen
1 compartilhamento
Tags: antagônica medida

RESPOSTA
Seguindo seus passos ligeiros, exploro.
Decifrando seus pensamentos ágeis, aprendo.
Compreendendo seus sonhos mais altos, sonho.
Interpretando seus olhos sedentos, admiro.
Ouvindo suas palavras sábias, transcendo.
Atraindo sua presença exuberante, redescubro.
Como beber da fonte infinita de sua juventude?
Como manter o equilibrio diante do constante fluir do tempo?
Como se equilibrar diante de gavetas que insistem em abrir?
Como não se ater a certas chaves que insistem em anunciar que é chegada a hora de partir?
Como deixar ir e ainda assim me dizer inteiro?
Meu único e grande amor, respostas, por favor...
Mas se anseio por respostas, o mais certo é não ir muito longe para obtê-las...
Procurei por elas. Tantas vezes que me perdi.
Achei-as na tua suave presença. Mas as perdi no turbilhão das suas chegadas e partidas.
Tua presença me traz paz e alento. Mas juntos nós perdemos entre paixões e vendavais.
Contigo sinto segurança e esperança de que tudo está bem, mesmo não tenho certeza se existe chão onde me apoiar.
Alcançamos o cume pela via oblíqua, com o abismo nos acompanhando de braços abertos a cada passo.
É a questão de confiar, de pular do penhasco e ter certeza que alguém vai de segurar.
Tenho mais milhas galgadas contigo do que a união delas em todos os meus anos de existência.
Milhas acumuladas, garrafas vazias, silêncios ruidosos, montanhas geladas, cenários deslumbrantes, planejamentos minuciosos, cifrões contados, chuvas intermináveis, conversas suaves...
Estar contigo é uma dádiva. A Divina Providência certamente não economizou em me abençoar.
Então como me acomodar com isso que me incomoda?
Chegará a hora de partir, talvez não seja agora.
As chaves da gaveta por certo foram resgatadas. Mas eu nunca disse que necessitava delas para entrar pela minha porta.
Se preciso de respostas, talvez seja muito melhor esperar por elas do teu lado.
Se não se importar, não tenho as respostas. Tenho um porta aberta que você pode cruzar e um lugar vazio do meu lado... Que é só seu.
Lembre-se que meu coração eu te dei e ele se encontra equilibrado entre suas mãos, necessitando de teus cuidados.
É hora de voltar para base e recobrar o juízo.
Certamente as respostas estão ao alcance de um sopro ou de um grito. Mas quem quer enxergá-las no fundo opaco de uma gaveta?
Nunca fui criatura do chão, da base, do solo...
Sou pássaro
E meu lugar é nas alturas.

Rafael Kozechen
1 compartilhamento
Tags: resposta chaves

TEMPO

"Porque quando estou ao teu lado, invade-me uma vontade enorme de transformar os dias em décadas.
Mas como não tenho nem ao menos o domínio dos meus pensamentos - que tolice essa de controlar o tempo - fico transformando as décadas em dias, juntando o que se foi com o que é...
Fazendo com que todas as emoções e sentimentos de uma década completa fiquem presas em uma centelha de momento e nos fazendo, por um instante, unidos por uma vida inteira.
E assim vou mantendo os meus segredos, com o dedo em riste diante dos lábios, rezando baixo para que eles não me preguem uma peça e deixem escapar palavra alguma contra minha vontade.
E quem não os tenha que se atire da primeira pedra . Ora, quão fácil é se atrapalhar com segredos e rochas.
De repente, tal como um riso franco, um segredo bobo daqueles tantos que guardo com um cuidado descomunal, escapa-me maroto, e com as mãos ao alto tento alcançá-lo para de novo mantê-lo guardado.
Descubro que esses segredos são ágeis, e levados por Hermes já chegaram ao seu ouvido... Tarde demais.
Assim, percebo a fragilidade que temos quando falamos de tempo. Tracejamos tênue linha sobre o sofrimento e, de quando em quando, falseamos os passos e acabamos por sofrer. É assim, não tem jeito. Então se for para sofrer que soframos logo.
As chaves que achamos que tínhamos presas em riste nas mãos agora jazem ao chão, mirando com certo deboche desta nossa
debilidade.
E como não sofrer, quando chegada a hora? O que fazer com essa aflição? Pois o instinto me leva a correr para a saída.
Jogar-me no vazio inevitável ao qual todos somos submetidos... Somos vigiados, espreitados a todo o momento, como tão logo se perceba, estejamos sendo devorados por um monstro que nos ladeia silencioso.
Vou dando conta de que o vazio é sempre uma incógnita. E por ser um vazio, não sabemos do seu tamanho, nem do seu tempo.
E com o passar do tempo, juntamos as chaves, os cacos, os espólios... Pois quanto mais nos aprofundamos em algo, mais inevitável é esse sofrer. Quão tolo querer dominar o tempo, tolice maior é não se aproveitar dele.
E partindo nessa mesma aflição, dessa mesma inquietação e de tantos outros preceitos, descubro que já não quero mais alcançar chave alguma. Recupero a razão, deixo-me ser abraçado com carinho. Farto-me até ser preenchido, aprofundando-me em teu aconchego, roubando o meu sossego, mudando as horas do meu tempo.
Revolvendo as gavetas, vejo no fundo o brilho levemente opaco e já empoeirado; eis ali a chave, bem ao lado daquele já tão conhecido silêncio. E com um medo desmedido, fecho-a rapidamente antes que algum outro segredo ladino fuja.
E se sofrer, então, é inevitável; deixa-me com os breves momentos de alegria e de amor, desses que preenchem uma vida inteira em singelos segundos...
Frágeis segundos, frágeis vidas, ledo engano do domínio.
Então aceita desta feita e permita-me jogar as chaves fora e viver, mais uma década que seja, todo inteiro ao teu lado.
Quem quer encontrar as chaves, que pule da primeira pedra.
Já o tempo, tão abstrato... tão frágil, tão efêmero, tão tempo, tão tão...
Que é melhor deixar que se defina sozinho"

Rafael Kozechen
1 compartilhamento
Tags: tempo silêncio

Permitir indagar-se sobre o ato, o fato e a ocasião. Desapropriar-se da própria história. Apagar-se, anular-se!
Permitir entender o próprio flagelo, e tentar curar as próprias feridas abertas à tanto.
Tremi, porque senti-me descoberto e desnudo por sua percepção.
Percebi-me sem as máscaras ou adereços que costumo carregar. Tirados um a um por sutil brisa que passou.
Respiro fundo e ouso.
Então, sou pego em flagrante, pego por detalhes e sutilezas. Construindo algo plausível de algo que habita apenas o imaginário.
Um diálogo tanto desconexo, fora do contexto. Pois os fantasmas são figuras dificeis de conversar.
Às vezes, meus botões resolvem criar vida, e tal como um jogo, indagam-me coisas de si.
São apenas lampejos do passado, flashes que fiz questão de esquecer. Um bloqueio, uma escusa talvez por medo de sofrer.
E então, vejo-me deitado sobre nobre e macio colo. Alvo berço cheio de candura. Permito-me ser envolvido por tenro abraço.
Deixo esquecido as terriveis lembranças que me assolavam.
Permito-me ser embalado pelos conselho e sentir-me seguro como outrora fui.
E se, por ventura, o que jaz nesse pobre coração não se pode resolver, permito-me despedir-me de tal ação.
Entender que aceitar e respeitar é ato de coragem e de maturidade. Pois o fugir do embate, nesses termos, não é covardia.
Uma vez que não tenho em minhas mãos todas as peças dessa ação, resguardo-me. Ponho-me em marcha de retirada.
Então, com singelas e simples palavras, eis-me aqui.
Deixo-me e partilho-me.
E recolho os retalhos que sobraram de mim.

Rafael Kozechen
1 compartilhamento
Tags: maturidade singelas

Amar-te...
Sem medo ou pudor.
Porque amo tua presença e teus carinhos.
Como não amar-te, se de forma branda e serena, desvenda os mistérios ocultos de minh'alma.
Fala dos meus fantasmas de forma tão sutil.
Como não amar-te, se a cada palavra aconselhada, faz-me refletir sobre o meu modo... sobre o meu jeito.
Como não amar-te se a cada gesto de carinho, se a cada mirada, perco-me do profundo do teu olhar.
E sem novamente querer me encontrar, fico envolvido entre as curvas do seu corpo, entre o calor do seu alvo braço.
E como não te amar?
E porque não te amar?
Manter as claves nas mãos. Chaves sempre em punho e em riste!
Esperando de forma cálida sua presença, o momento de ver-te uma vez mais.

Rafael Kozechen
1 compartilhamento

Acreditar, creditar em si os débitos insólitos de não ser, mas estar.
O que vem depois?
Criar, reinventar-se em si a maneira plena de viver.
Sem remorso, sem culpa, sem desculpa para ser feliz.

Rafael Kozechen
1 compartilhamento
Tags: déditos insólitos

Olhando pelo retrovisor vejo um passado acenando para mim.
Vejo nada além de fantasmas, de faces borradas e enevoadas; pois já não são o que foram.
Vejo amigos de escola que nunca foram meus.
Miro os amores impossíveis que tive, daqueles que nunca se estabeleceram.
Fito os fantasmas dos quais peguei carona, um a um...
Ficaram perdidos no passado, esquecidos em uma curva ou jogados ao limbo em uma parada qualquer.
E com o passar do tempo, resolvi que amar era bobagem. Bobagem tamanha que; Oh, Deus! Quantas infindáveis vezes me apaixonei.
As metas que tinha ficaram num canto esquecido, oculto, ou quem sabe se foram com um sopro, ou num suspiro, tal como um fantasma que sempre fui.
Um fantasma sem rosto, sem forma e sem raízes.
As metas que tinha se foram com o vento, provavelmente por estarem pessimamente presas num varal qualquer, estendidas num quintal que nem ao menos lembro-me qual era... Talvez porque, no fundo, rábulas não tenham memória. Rábulas não tem passado.
O que sobra-me, afinal? O que fica?
Pois olho no passado e, fixando-me nele, não vejo nada dele refletido no que sou. Nada além de um borrão.
Porque meu passado, minhas metas, meu anseios... Se foram... Todos levados por um vendaval.

Rafael Kozechen
1 compartilhamento
Tags: memória rábula

Eu

Eu nunca guardei flores
Embora fosse como se as guardasse
Minha vida flutua como as asas
Voa no céu e na imaginação
E anda no coração das estações para observar e para amar

Apenas o sentimento do coração tem brilho
e tenta comunicar-se com qualquer cor

Embora ela sinta vida... como um pôr-do-sol, que é sua existência,
sempre esfria ao lado da planície

e me diz, como se fosse um sol quente,

Que o meu mar é uma janela.

(Inspirado, sem saber, em "O Guardador de Rebanhos" - Alberto Caeiro (Fernando Pessoa)

Rafael Kozechen
1 compartilhamento

Queria tanto estar perto de ti...
E nada do que escreva ou fale vai ter a intensidade do que sinto... ou a leveza firme do meu toque em você... Queria sentir uma vez mais tua mão em mim e sentir o suave gosto dos teus lábios...
Quisera eu, enxugar o pranto de teus olhos com a ponta de meus dedos e fazer você sentir que podia contar comigo ao seu lado...
Porém, como palavra alguma ou frase nenhuma conseguiria expressar o real valor de tudo isso e do sentimento que aumenta em mim... e não poderia mensurar a saudade que sinto de você comigo...
Resolvi escrever o mais simples possível!...
tentar internalizar aquilo que não podia expor naquele momento para você
Ficou assim: direto, seco, enxuto, modesto...
Ficou assim amor meu... Idem.... igual ao que sentes por mim

Rafael Kozechen
1 compartilhamento

Que bobagem essa, a de gostar de alguém!
Que bobagem essa... De sentir falta de alguém!
Quiçá pudera sentir novamente o gosto dos teus lábios e olhar a profunda cor dos teus olhos. Quisera eu passear meus dedos sobre teu ventre desnudo e sentir o suave aroma que percebi em tua pele outrora.
Ao me ver em justa reflexão, quis algo simples, não obstante, completo; sem esquecer do seu complexo.
Ficas, então, com a lembrança da saudade que um dia eu deixei... Que me deixas-te!

Rafael Kozechen
1 compartilhamento
Tags: saudade reflexão

"... E quando todos os cadeados se desfazem, e quando todas as candeias se apagam... o que fica é só o resto; a ínfima parte, a lembrança do que um dia fomos, do que somos e do que nunca deixaremos de ser...!"

Rafael Kozechen
1 compartilhamento
Tags: candeias cadeados

E quando lembro das montanhas... daquelas minhas preferidas, e me recordo das paredes altaneiras, vejo o céu que desponta por trás daqueles píncaros em riste... E lembrando daquele céu, lembro-me dos olhos da menina. Que por um instante fez meu coração parar, para depois sacudir-se de tal modo que o que sinto de verdade... Não sei ao certo explicar...

Rafael Kozechen
1 compartilhamento

Lidamos com a vida como ela fosse uma ciência exata. Na verdade queremos que ela funcione como tal. Mas, desculpe meu amigo... A vida não é Matemática!

Rafael Kozechen
1 compartilhamento
Tags: vida matemática