Coleção pessoal de purapoesia

1 - 20 do total de 62 pensamentos na coleção de purapoesia

Músicas para Amar

nada é pior do que sentir tudo
e não conseguir oferecer tanto
eu realmente amo você
queria dizer, mas são só palavras
me perdoe pelo atraso
me perdoe pela pressa
te viver é o que me interessa
não sei decifrar sonhos ou signos
nem traduzir o que suam seus poros
só te mostrarei o meu céu de meteoros

fundamos um país para coabitar
sem um hino para idolatrar
somente músicas para amar
e em toda estrofe achamos um lar
em toda garrafa inauguramos um bar
em toda amizade queremos estar
e só para você eu vou sangrar
meus versos

o vinho, a carne, o alho, as flores
o vento curioso nos visitando
a grama do quintal se acumulando
nos tapetes e nas quinas
a luz do sol nas cortinas
a mesa que eu tanto queria
e minha semana vazia
depois de domingo

Carlos Humberto Pena
Tags: #carloshumbertopena #humbertopena

A Despedida

seus olhos cortavam como uma espada
da sua boca nascia uma tormenta
me aquietei
como um velho na escuridão
era um barulho incompreensível
um zumbido de elefante
uma voz aturdida
talvez demente
a despedida
dor latente
ainda ouço cada gota
que pingou de sua boca
a descarga do vizinho
era noite
madrugada
em sua vida
sou mais nada

Carlos Humberto Pena
Tags: #carloshumbertopena #humbertopena

É preciso

É preciso aparar os galhos para fortalecer a raiz
É preciso simplicidade para ser feliz
Só não cabe ficar calado
E, por medo, morrer parado

Carlos Humberto Pena
Tags: #carloshumbertopena #humbertopena

Aleppo

Havia uma cidade
E uma população
Padarias, doces e cores
Flores e odores
Famílias vendo televisão
Havia felicidade

Havia uma cidade
Havia um país
Casas, crianças e cães
Mas o ódio fincou raiz
Choram todas as mães
Pelo que restou da humanidade

Já não há cidade
Nem casas nem nada
Fez-se a destruição e o caos
Levando vidas pela metade
Já não há amor nem nada
Só ganância sem piedade

Carlos Humberto Pena
Tags: #carloshumbertopena #humbertopena

Mundo Doente
Para Ryan e todos os refugiados mortos pelo descaso

Se era noite ou se era dia, você nem se lembra.
Talvez tudo fosse apenas uma brincadeira
para uma criança inocente
em um mundo doente.
Mas você nem se lembra...

Seu sono matou um sonho.
Não restaram manha nem manhã,
nem lágrimas a viajar no mar:
o terror se leva no olhar.

Carregar toda a culpa é pouco
pelo pouco que se faz,
já que vida e morte não tem diferença
neste mundo doente.

Todos devem um bocado
pelo trocado que não se dá.
Morrem soldados, inocentes, eu, você,
todo dia, assim como cada refugiado,
que não teve isso planejado.
Vivo ou afogado,
pouco importa, todo amor foi sepultado.

Carlos Humberto Pena
Tags: #carloshumbertopena #humbertopena

O Poeta

Caminho pelas ruas
em noites silenciosas:
insone!

Bebo da lua e circulo as luzes
para brincar com as mariposas
que não têm nome.

Me sento na calçada e observo
- um bêbado –
a embriaguês do mundo.

Com toda a dor e amor,
vejo poesia em tudo.
Abro o peito e me reviro,
batizo cada estrela sem cair do telhado:
estou sempre apaixonado.

Carlos Humberto Pena
Tags: #carloshumbertopena #humbertopena

A Poesia

A poesia caminha pelas ruas
em noites silenciosas:
insone!

Bebe da lua e circula as luzes,
brincando com as mariposas
que não têm nome.

Se senta na calçada e observa
- como um bêbado –
a embriaguês do mundo.

Como a dor e o amor,
a poesia está em tudo.
Basta sentir e olhar para o lado,
basta estar apaixonado.

Carlos Humberto Pena
Tags: #carloshumbertopena #humbertopena

Insônia

O negror é frio e pesado
como um cobertor molhado.
O silêncio está mais calado,
como um retrato apagado.
E eu aqui acordado...

Não passa carro,
não canta um pássaro.
Os minutos adormeceram
e as horas se esqueceram
que estou aqui acordado.

Uma solidão tenebrosa.
Uma paz nervosa.
Alguém falou nada,
nem uma alma acordada:
ninguém me ouve?!
O que houve?

Quero embarcar na viagem,
mas não há mais passagem.
Há paredes, teto e ansiedade,
mais o terror da saudade,
um travesseiro apenas,
eu e meus poemas.

Carlos Humberto Pena
Tags: #carloshumbertopena #humbertopena

A Morte

Estive em um funeral ontem e ouvi repetidas vezes sobre a tristeza da morte, mas como podemos ver a morte com tamanho sofrimento? Tudo tem que ter um fim e esse é o combustível que mantém a engrenagem do mundo ativa. É isso que nos faz acordar e batalhar a vida. Ganhamos um grande presente e nada nos foi exigido. Cada um está livre para fazer o que achar melhor e se transformar no que quiser ser. Somos livres. A morte é somente um “até logo” e logo vamos nos reencontrar na próxima festa. A morte é o momento em que as cortinas se fecham e o público fica ali paralisado, pensando sobre a incrível experiência que foi presenciada. É a angústia que se sente antes de se constatar o milagre. Não se deveria sentir dor ao se brindar uma grande existência, uma vida de glória e a glória da vida. Só há dor e decepção nas histórias insignificantes, daqueles que nada fizeram; que não se apaixonaram; que não correram perigo; que não se doaram; que não erraram e tentaram novamente; que não se machucaram e arriscaram outra vez; que acalentaram uma mágoa como um filho bastardo em vez de abraçar o perdão. Ora, o que você espera de uma criança quando lhe dá um brinquedo? Apenas que ela se divirta e seja feliz. É isso, simplesmente!

Carlos Humberto Pena
Tags: #carloshumbertopena #humbertopena

Arrogância

Achava-se maior, mais bonito e inteligente,
mas era só inconveniente.

Relinchava como um asno
e a todos deixava pasmo.

Dava coices a toda distância,
com estupidez em abundância.

Em seu nome definiu-se a arrogância:
um triste reflexo da ignorância.

Carlos Humberto Pena
Tags: #carloshumbertopena #humbertopena

Gosto de Você

Gosto da voz e de te ouvir falar
E de ser a paisagem em seu olhar

Gosto da energia que você transpira
E da sensualidade que me inspira

Gosto da poesia que te rodeia
E da ingenuidade maliciosa em sua teia

Gosto de seu abstrato caminhar
E de sua verdade debochada a provocar

Gosto do seu cheiro de liberdade
E de seu humor sem piedade

Gosto de sua roupa desencanada
E de sua paixão incontrolável pela estrada

Gosto da sua fé invencível
E de sua felicidade incorruptível

Realmente gosto de você!

Carlos Humberto Pena
Tags: #carloshumbertopena #humbertopena

Coisas Urgentes

Hoje, novamente, terei que resolver coisas urgentes.
Aliás, ao que parece, é só o que tenho feito ultimamente:
resolvido coisas urgentes.
E, na pressa, tudo mais ficou indiferente.

Ontem, hoje e amanhã...
dias tomados de desespero,
mal abro os olhos de manhã
e já espero meu enterro.

Na minha agenda, com tanta coisa importante,
esqueci de anotar sobre felicidade e amizade.
E, na vida, nada é mais urgente!
Sobra tempo pra nada e tudo é saudade.

Ficam na boca e no coração um amargor:
eu nem me lembro o que é amor.
Porém, o que eu posso fazer?
Tenho coisas urgentes pra resolver.

Carlos Humberto Pena
Tags: #carloshumbertopena #humbertopena

O Andarilho

Enquanto um carro passa apressado
e lhe banha o corpo com uma rajada de vento,
ele atravessa uma ponte sobre um pequeno riacho
e para por um instante,
olhando a paisagem.

Ele segue seu caminho!

Passa por pequenas propriedades rurais
e avista um trator arando a terra no alto de uma serra:
_ Do que será aquela plantação?

Ele caminha...

Outro carro passa como uma flecha buscando um alvo
com o som no volume mais alto,
enquanto ele silencia para ouvir o solo de um canarinho
laranja como o entardecer:
_ Bom dia, Senhor Laranja!

Ele caminha...

Uma brisa lhe refresca e lhe dá fôlego,
mesmo com o sol ardendo e fazendo o asfalto suar.
Está muito quente,
mas mesmo assim ele caminha.

Ele sente a dor de seus pés dentro da velha bota rasgada,
mas mesmo assim ele caminha.

Ele caminha...

Ele caminha...

Crianças jogam futebol num pequeno campo de terra
com traves de bambu amarradas com corda,
ele para e observa.
E depois de alguns minutos, ele segue sua jornada,
ouvindo, ao longe, o grito de gol e a farra dos meninos.

Ele continua caminhando...

Na curva da estrada ele passa por uma casa branca
de janelas azuis abertas
e um velho cão vira-lata começa a latir,
correndo em sua direção.

Ele aperta o passo:
_ Sai! Vai deitar, Campeão!

O cão é distraído por duas motos que passam devagar
e ele já foi.
O cão o procura com olhos inquietos.

Outro carro passa
e duas crianças se viram no banco de trás:
_ Pai, para onde vai aquele maluco? De onde ele vem?

Ele caminha...

Ele passa por um pequeno vale
e para em frente uma cruz de madeira na beira da estrada.
Faz o sinal da cruz e uma prece:
_ Descanse em paz, meu filho. Logo estarei com você, mas não agora. Ainda não.

Ele segue seu caminho carregando algumas lágrimas no rosto sujo.

Ele caminha...
Livremente, ele caminha.
De lugar nenhum ele veio
e para lugar nenhum ele vai.
Ele somente caminha.
Livremente, ele caminha.

Carlos Humberto Pena
Tags: #carloshumbertopena #humbertopena

A Notícia

O telejornal começou com a instigante notícia:

_ A ciência explica o amor!

O jornalista ainda disse com pesar em seu discurso:

_ Para a tristeza dos poetas, cientistas afirmam que o amor nada mais é do que uma cadeia de reações químicas do cérebro...

Podre jornalista. Pobre notícia. Pobres cientistas.

Como poderiam os cientistas decifrar o amor se ainda nem conseguiram explicar a existência dos dragões?

Ora, o que sabem esses cientistas se nunca cavalgaram em um unicórnio ou discutiram sobre os Guadalupes?

Eles nem mesmo puderam descobrir onde moram as fadas e os duendes e nunca escreveram para o Papai Noel. Pobres cientistas!

Aliás, eles nunca se pronunciaram sobre as intervenções salvadoras dos anjos da guarda ou sobre os olhos atentos de São Longuinho.

Por acaso esses sujeitos já viram extraterrestres ou se assustaram com fantasmas? Então como seriam confiáveis?

Podres cientistas que nunca puderam falar com Deus através do amor.

Podres cientistas que amam por reações químicas cerebrais.

Podres cientistas que nunca puderam amar, simplesmente.

Pobres cientistas que se preocupam em explicar o amor.

Afinal, quem disse que o amor pede explicação?

Carlos Humberto Pena
Tags: #carloshumbertopena #humbertopena

Classificados

Troco pernas cansadas, mas pouco usadas,
sequer correram ou deixaram pegadas.

Carlos Humberto Pena
Tags: #carloshumbertopena #humbertopena

Asas

Morre plantado quem veio gente,
mas se esqueceu de dar um passo à frente
(talvez devesse ter nascido árvore).
Atravesse suas divisas e se confronte
diariamente
e lembre-se que só é humano realmente
quem é capaz de sonhar
e só é feliz verdadeiramente
quem está pronto para mudar.
E é preciso seguir adiante, sempre.
Para tocar o céu com a mão
basta ter asas no coração!

Carlos Humberto Pena
Tags: #carloshumbertopena #humbertopena

As Maiores Batalhas

As maiores batalhas são travadas em silêncio
na solidão da casa, no escuro do quarto
nos corredores do coração

Guerras insones
diárias,
constantes

As maiores batalhas são travadas sem armas
ou espadas e, com sorte, sem morte
apenas profundos cortes
na alma

Carlos Humberto Pena
Tags: #carloshumbertopena #humbertopena

A Minha Alma II

Minha alma não quer sossegar:
vive alheia e sem lugar.
É como se tivesse acordado
em um hotel medonho;
é como se tivesse vivido
no limbo ou escuro sonho.

A minha alma não se acalma!

Ela deveria ter baixado em um distante planeta
ou em um cometa,
mas a este corpo ficou presa.
E este corpo virou presa!

Minha alma não é um castelo
ou um forte, é o oposto:
é a bala do canhão que destrói a muralha,
a torre e mata.

Minha alma sangra em cascata
e nenhuma paz cultiva, insensata.

Grita como a tempestade
que a proa do navio invade
e que só não o afunda por piedade.

Vagueia a céu aberto
como um nômade no deserto
fugindo da verdade.

Minha alma carrega a dor de uma infantaria.
E a mim cabe sufocá-la no ser
e ser,
com angustiosa calma,
o carcereiro de minh’alma.

Carlos Humberto Pena
Tags: #carloshumbertopena #humbertopena

Classificados

Compro a sua vida
ou outra mentira parecida.

Carlos Humberto Pena
Tags: #carloshumbertopena #humbertopena

O Corredor

Uma sombra pede passagem
frente uma longa viagem.
É um corredor que passa voando,
com o vento se deleitando.

Como um cavalo testando os cascos,
ele carrega a liberdade nos passos.
Não procura uma verdade velada,
deseja correr e mais nada.

Há um lugar de elevada consciência
onde a glória está na vivência.
Um corredor não tem a alma cansada,
pois sua casa é a estrada.

Também não há temor em sua passada,
já que não busca a vitória na chegada.
Aprendeu sobre a jornada da vida
e que o êxito está na partida.

Carlos Humberto Pena
Tags: #carloshumbertopena #humbertopena