Coleção pessoal de pSICO

1 - 20 do total de 150 pensamentos na coleção de pSICO

Eu não faço as coisas como vc, eu não acredito no que vc acredita e meu coração dispara por uma canção diferente da sua e por isso te respeito.
Tenha a fineza de fazer o mesmo

“Mas se a ciência provar o contrário, e se o calendário nos contrariar, mas se o destino insistir em nos separar; danem-se os astros, os autos, os signos, os dogmas, os buzios, as bulas, anúncios, tratados, ciganas, projetos, sinopses, espelhos, conselhos, que se dane o evangelho e todos os orixás, serás o meu amor, serás a minha paz.”

Indo direto ao ponto, mas não sem antes saborear as palavras dentro da mente e apreciar o tec-tec no teclado, brincando com a vaidade egoísta e treinando o dois-pra-lá-dois-pra-cá com o discurso fútil sobre o quanto tudo isso é lindo/bobo/triste/cruel/sublime. Indo direto ao ponto como eu ia dizendo, antes de ser interrompido por mim mesmo: amor é escarcéu.

Ah, meu amigo, penso que o segredo das palavras é nunca serem exatas para descrever o que faz pulsar meu sangue. Na tentativa de descreve-lo, as palavras o diminuem.

Eu te abraço para abraçar o que me falta.

A arte enquanto filtro da realidade nos deixa mais seguros contra a insuportável beleza e a obscenidade da vida.

Tags: arte realidade

Obrigado por passar embaraço junto comigo, por ter gargalhado com as piadas sem graça que eu te contei, por conhecer meu lado mais ridículo e divertir-se junto comigo.

Não estranhe esse meu jeito calado de ser. É minha natureza.
Me reduzo a poucas palavras porque ainda estou aprendendo a dizer o que sinto.

No mundo dele as pessoas são pessoas. Os líderes é que são lagartos. As pessoas odeiam os lagartos e os lagartos governam as pessoas.
- Ué-comentou Arthur-, achei wu você tinha dito que era uma democracia.
- Eu disse-afirmou Ford. - E é.
- Então -quis saber Arthur torcendo para não soar ridiculamente estúpido-, por que as pessoas não se livram dos lagartos?
- Isso sinceramente nunca passou pela cabela delas-disse Ford. - Como elas têm direito de voto, acabam supondo que o governo que elegeram é mais ou menos parecido com o governo que querem.

Tags: douglas adams

Chega de Saudade

Vai, minha tristeza, e diz a ela
Que sem ela não pode ser
Diz-lhe, numa prece, que ela regresse
Porque eu não posso mais sofrer

Chega de saudade, a realidade é que sem ela
Não há paz, não há beleza
É só tristeza e a melancolia
Que não sai de mim, não sai de mim, não sai

Mas, se ela voltar, se ela voltar
Que coisa linda, que coisa louca
Pois há menos peixinhos a nadar no mar
Do que os beijinhos que eu darei na sua boca

Dentro dos meus braços
Os abraços hão de ser milhões de abraços
Apertado assim, colado assim, calado assim
Abraços e beijinhos e carinhos sem ter fim

Que é pra acabar com esse negócio de viver longe de mim
Não quero mais esse negócio de você viver assim
Vamos deixar desse negócio de você viver sem mim

Mas se ilude quem pensa que o amor não é ambicioso, a ambição do amor está em ver a pessoa amada crescer por meio do sacrifício feito pelo “eu”, por isso o “eu te amo” é pouco, é hipocrisia, é chula se não for expressão do “eu me dou para que você seja..."

Deus disse quem? Eu respondi "ela", então Deus falou:dê seu amor e carinho e o resto é comigo!

NOS SEUS BRAÇOS

No carinho dos seus braços
Eu me sinto flutuar.
O teu colo é o meu descanso
Teu perfume, é o meu ar.

E assim o tempo passa
Sem eu ver ele passar
Pois você é o meu consolo
E com você, só sei sonhar...

Vem, meu amor, se encostar em mim
vou te abraçar de leve e te beijar assim
te fazer carinho e te dizer que sim,
que entrego em teus braços o meu amor sem fim
foi seu jeitinho doce como de querubim,
que me fez perceber e confessar assim:
até seus defeitos são perfeitos pra mim.

Aprendizado

Do mesmo modo que te abriste à alegria
abre-te agora ao sofrimento
que é fruto dela
e seu avesso ardente.

Do mesmo modo
que da alegria foste
ao fundo
e te perdeste nela
e te achaste
nessa perda
deixa que a dor se exerça agora
sem mentiras
nem desculpas
e em tua carne vaporize
toda ilusão

que a vida só consome
o que a alimenta.

Mau Despertar

Saio do sono como
de uma batalha
travada em
lugar algum

Não sei na madrugada
se estou ferido
se o corpo
tenho
riscado
de hematomas

Zonzo lavo
na pia
os olhos donde
ainda escorre
uns restos de treva.

Venham enfim as altas alegrias,
As ardentes auroras, as noites calmas,
Venha a paz desejada, as harmonias,
E o resgate do fruto, e a flor das almas.
Que venham, meu amor, porque estes dias
São de morte cansada,
De raiva e agonias
E nada.

Eu luminoso não sou. Nem sei que haja
Um poço mais remoto, e habitado
De cegas criaturas, de histórias e assombros.
Se, no fundo poço, que é o mundo
Secreto e intratável das águas interiores,
Uma roda de céu ondulando se alarga,
Digamos que é o mar: como o rápido canto
Ou apenas o eco, desenha no vazio irrespirável
O movimento de asas. O musgo é um silêncio,
E as cobras-d´água dobram rugas no céu,
Enquanto, devagar, as aves se recolhem.

Do novelo emaranhado da memória, da escuridão dos
nós cegos, puxo um fio que me aparece solto.
Devagar o liberto, de medo que se desfaça entre os
dedos.
É um fio longo, verde e azul, com cheiro de limos,
e tem a macieza quente do lodo vivo.
É um rio.
Corre-me nas mãos, agora molhadas.
Toda a água me passa entre as palmas abertas, e de
repente não sei se as águas nascem de mim, ou para
mim fluem.
Continuo a puxar, não já memória apenas, mas o
próprio corpo do rio.
Sobre a minha pele navegam barcos, e sou também os
barcos e o céu que os cobre e os altos choupos que
vagarosamente deslizam sobre a película luminosa
dos olhos.
Nadam-me peixes no sangue e oscilam entre duas
águas como os apelos imprecisos da memória.
Sinto a força dos braços e a vara que os prolonga.
Ao fundo do rio e de mim, desce como um lento e
firme pulsar do coração.
Agora o céu está mais perto e mudou de cor.
É todo ele verde e sonoro porque de ramo em ramo
acorda o canto das aves.
E quando num largo espaço o barco se detém, o meu
corpo despido brilha debaixo do sol, entre o
esplendor maior que acende a superfície das águas.
Aí se fundem numa só verdade as lembranças confusas
da memória e o vulto subitamente anunciado do
futuro.
Uma ave sem nome desce donde não sei e vai pousar
calada sobre a proa rigorosa do barco.
Imóvel, espero que toda a água se banhe de azul e que
as aves digam nos ramos por que são altos os
choupos e rumorosas as suas folhas.
Então, corpo de barco e de rio na dimensão do homem,
sigo adiante para o fulvo remanso que as espadas
verticais circundam.
Aí, três palmos enterrarei a minha vara até à pedra
viva.
Haverá o grande silêncio primordial quando as mãos se
juntarem às mãos.
Depois saberei tudo.

Em que língua se diz, em que nação,
Em que outra humanidade se aprendeu
A palavra que ordene a confusão
Que neste remoinho se teceu?
Que murmúrio de vento, que dourados
Cantos de ave pousada em altos ramos
Dirão, em som, as coisas que, calados,
No silêncio dos olhos confessamos?