Coleção pessoal de Palmerston

Encontrados 5 pensamentos na coleção de Palmerston

Fraca,
Ferida,
Vazia,
Alma...
Doçura perdida...
Sonhos..
Saída
Planos
Futuro vira passado...
Nome
O teu nome...
Toque
Dúvida...
Lembrança..
Dor
Tormento
Esperança... Não, já não há...
Azul
Os teus olhos...
Respirar
Sozinha...

(é sempre assim quando um amor acaba...)

Mariana Palmerston
1 compartilhamento

Vida
Juventude
Crescimento
Gargalhadas
Amigas
Muitas Amigas
Manga
Só aquelas amigas
Cães (os meus, mas posso gostar dos teus também)
Psicologia (a de bolso ou a cientifica, tanto faz)
Tarde de Sol
Salada de tomate e muzzarela
Noite de Chuva
Flores, muitas flores!
Família
Café
Companhia
Ombro
Dormir juntinho
Cerejas
Lágrima
Colo
Busca
Encontro
Carro
Reencontro
Trabalho
Amigos (não os coloridos, os tais mesmo, de verdade)
A marca do ex (namorado, amigo, amiga, tanto faz)
Saudade
Dançar
Gente que goste de conversar
Pessoas sem complexos
Medo (às vezes tanto)
Cinema
Avenida Brasil
Brasil
Irmã
Porto (mesmo cinzento)
Um porto de abrigo
Gostar (de mim, de nós, deles, delas)
Saber que...

(eu sou assim...)

Mariana Palmerston
48 compartilhamentos

Eu, modo de usar:

Pode invadir ou chegar com delicadeza, mas não tão devagar que me faça dormir. Não grite comigo, tenho o péssimo hábito de revidar. Acordo pela manhã com ótimo humor mas… permita que eu escove os dentes primeiro. Toque muito em mim, principalmente nos cabelos e minta sobre minha nocauteante beleza.
Tenho vida própria, me faça sentir saudades, conte algumas coisas que me façam rir, mas não conte piadas e nem seja preconceituoso, não perca tempo, cultivando este tipo de herança de seus pais. Viaje antes de me conhecer, sofra antes de mim para reconhecer-me um porto, um albergue da juventude. Eu saio em conta, você não gastará muito comigo. Acredite nas verdades que digo e também nas mentiras, elas serão raras e sempre por uma boa causa. Respeite meu choro, me deixe sozinha, só volte quando eu chamar e, não me obedeça sempre que eu também gosto de ser contrariada. (Então fique comigo quando eu chorar, combinado?).
Seja mais forte que eu e menos altruísta! Não se vista tão bem… gosto de camisa para fora da calça, gosto de braços, gosto de pernas e muito de pescoço. Reverenciarei tudo em você que estiver a meu gosto: boca, cabelos, os pelos do peito e um joelho esfolado, você tem que se esfolar às vezes, mesmo na sua idade. Leia, escolha seus próprios livros, releia-os. Odeie a vida doméstica e os agitos noturnos. Seja um pouco caseiro e um pouco da vida, não de boate que isto é coisa de gente triste. Não seja escravo da televisão, nem xiita contra. Nem escravo meu, nem filho meu, nem meu pai. Escolha um papel para você que ainda não tenha sido preenchido e o invente muitas vezes.
Me enlouqueça uma vez por mês mas, me faça uma louca boa, uma louca que ache graça em tudo que rime com louca: loba, boba, rouca, boca… Goste de música e de sexo. Goste de um esporte não muito banal. Não invente de querer muitos filhos, me carregar pra a missa, apresentar sua família… isso a gente vê depois… se calhar… deixa eu dirigir o seu carro, que você adora. Quero ver você nervoso, inquieto, olhe para outras mulheres, tenha amigos e digam muitas bobagens juntos. Não me conte seus segredos… me faça massagem nas costas. Não fume, beba, chore, eleja algumas contravenções. Me rapte! Se nada disso funcionar… experimente me amar!

Martha Medeiros
5.3 mil compartilhamentos

Sumi porque só faço besteira em sua presença, fico mudo
quando deveria verbalizar, digo um absurdo atrás do outro quando
melhor seria silenciar, faço brincadeiras de mau gosto e sofro
antes, durante e depois de te encontrar.
Sumi porque não há futuro e isso não é o mais difícil de
lidar, pior é não ter presente e o passado ser mais fluido que o ar.
Sumi porque não há o que se possa resgatar, meu sumiço é
covarde mas atento, meio fajuto meio autêntico, sumi porque
sumir é um jogo de paciência, ausentar-se é risco e sapiência,
pareço desinteressado, mas sumi para estar para sempre do seu
lado, a saudade fará mais por nós dois que nosso amor e sua
desajeitada e irrefletida permanência.

Martha Medeiros
3.2 mil compartilhamentos

Soneto de Fidelidade

De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

Vinicius de Moraes
18 mil compartilhamentos
Tags: vinicius moraes