Coleção pessoal de Mario11

1 - 20 do total de 948 pensamentos na coleção de Mario11

Houve quem fosse no século XIX contra a escravidão por motivos religiosos como William Wilberforce. Todavia, a postura do governo britânico não era tão altruísta. A pressão que exerceu no Atlântico sul pelo fim do tráfico humano da costa africana para o Brasil tinha como um de seus objetivos aumentar o preço do açúcar brasileiro que era mais barato do que o açúcar das Antilhas britânicas e da Índia. Outro objetivo era que o Brasil se convertesse num país de trabalhadores assalariados que pudessem adquirir produtos britânicos. Por fim vale dizer que a Coroa Britânica pouco ou quase nada fez para acabar com a escravidão na própria África e no Oriente Próximo. Interesses econômicos foram mais fortes que os humanitários.

Mário Pereira Gomes

Sob o pretexto do combate ao tráfico atlântico de pessoas a Coroa Britânica se tornou dona da maior parte da África.

Mário Pereira Gomes

Tanto na série The Walking Dead quanto na série sul-coreana Kingdom (as 2 estão disponíveis na Netflix) o grande problema não é a ameaça zumbi, mas a ausência de um Estado forte capaz de derrotar a horda de mortos-vivos. Na primeira os zumbis são secundários ao conflito entre humanos, pois somente quando um grupo conseguir controlar todos os outros presentes no que um dia foi os EUA é que a ameaça zumbi poderá ser combatida de forma eficaz. O problema é que há muitas armas e isto impede a hegemonia de um grupo específico. Já na série da Coreia do Sul o grande problema é que as armas são monopólio da aristocracia de modo que a população civil só pode contar com a benevolência dos nobres ou fugir para o mais longe possível. Aqui o problema é a corrupção de certos nobres que os afastam do dever de cuidar dos mais pobres. Na verdade, é a corrupção aristocrática que causa o surgimento e disseminação dos zumbis. Assim, somente quando o príncipe herdeiro, que encarna o ideal de governante justo, entra na batalha é que tanto a corrupção palaciana quanto os zumbis são derrotados. É sintomático que somente após a morte e fuga dos nobres corruptos é que os mortos-vivos são vencidos e de que os zumbis só surgiram após o enfraquecimento e corrupção do Estado.

Mário Pereira Gomes

O cérebro humano, assim como o dos outros animais, evoluiu para lidar com problemas imediatos. O cérebro humano é capaz de simular possíveis realidades futuras, mas não damos o devido valor para tal capacidade. Agimos de forma imediatista, emocional, instintiva, automática e estereotipada. Enquanto o vírus estava lá na China poucas pessoas do lado de cá do globo deram a importância devida. Somente quando o vírus chegou bem perto de nós é que começamos a nos preocupar e tomar medidas para tentar mitigar o estrago feito por nossa inação entre os dois primeiros meses do ano. Não é culpa nossa. Nosso cérebro é deste modo, pois se nos preocupássemos com todo tipo de problema futuro possível não conseguiríamos viver. Contudo, desde os primórdios há grupos de pessoas cuja principal função é tomar as melhores decisões para a comunidade tendo como base alguma tecnologia. Antigamente era o xamã, enquanto hoje é o cientista. O primeiro consultava os espíritos durante o transe, enquanto que o segundo usa modelos matemáticos e inteligência artificial. Desde os últimos dois meses do ano passado médicos e cientistas chineses já sabiam do novo coronavírus, um artigo científico de 2007 alertou concluiu que o consumo de morcegos representa uma bomba relógio e uma IA enviou uma notícia sobre o surto no último dia do ano passado. Enquanto, bilhões comemoravam a passagem do ano uma IA sofria do complexo de Cassandra. A pandemia vai passar, mas quando isto acontecer devemos mudar o modo como pensamos.

Mário Pereira Gomes

É próprio do ser humano querer atribuir características suas para agentes não-humanos. Daí o fato de pessoas dizerem que o vírus veio para nos ensinar a importância do contato humano, aproximar as pessoas, não correr atrás de dinheiro, pensar no próximo e menos em si. O problema é que o vírus sequer pensa; ele só segue uma única diretriz: se replicar o máximo possível.

Mário Pereira Gomes

As conquistas de Alexandre III da Macedônia levaram a cultura grega até as margens do rio Indo. Após sua morte o império por ele construído se dividiu em vários reinos comandados por seus generais. Um deles era o reino Greco-Bactriano (250-130 AEC) localizado no Afeganistão e Paquistão atual. Na região de Gandhara, no norte do Paquistão atual, floresceu a arte greco-budista que depois se irradiou para o resto do resto do subcontinente indiano influenciado a arte gupta e máuria. Algumas das características dessa arte são o Buda de pé em posição apolínea, o nó superior no cabelo, o uso do himation (uma túnica ondulada semelhante a uma toga que cobre os dois ombros), a presença de Héracles como protetor de Buda, o cabelo encaracolado e estilizado, a auréola e o realismo artístico.

Mário Pereira Gomes

No século XIX Nietzsche diagnosticou a morte de Deus, mas as armas utilizadas no deicídio (a ciência e a razão) se tornaram objeto de culto. É preciso usar o martelo mais uma vez para destroçar o altar no qual se encontra e depois dar uma marretada na própria cabeça para tirar de si a ideia de crença surgida na mente humana há mais de 12 mil anos.

Mário Pereira Gomes

O Estado norte-americano passou meio século (1941-1991) lutando, em muitos casos literalmente, pelo liberalismo contra o nazifascismo e o comunismo para agora aparecer anarcocapitalistas dizendo que o Estado não é necessário.

Mário Pereira Gomes

A obsessão por papel higiênico neste momento é sintomático do estágio no desenvolvimento psicossexual em que se encontra o presidente. Não é por acaso que seu guru se encontra no mesmo estágio.

Mário Pereira Gomes

Para certos muçulmanos que viviam no Império do Brasil viver numa terra governada por não-muçulmanos e ainda por cima serem perseguidos por sua crença era intolerável. Daí muitos terem migrado para a África quando tiveram a oportunidade ou se rebelado contra o governo. Uma destas revoltas foi a dos malês em que o componente da jihad, mesmo João José Reis dizendo que não, estava presente tanto na revolta em si quanto em seu livro Rebelião Escrava no Brasil: a História do Levante dos Malês (1835).

Mário Pereira Gomes

A contínua chegada de africanos fez com que os escravizados e libertos que aqui estavam sempre se atualizassem das notícias da África e dos costumes que por conta do contato com o Brasil estava se modificando.

Mário Pereira Gomes

O tráfico atlântico de escravos criou novas identidades tanto no Brasil quanto no continente africano.

Mário Pereira Gomes

Os estudiosos religiosos muçulmanos ensinaram que a Peste Negra era um “martírio e misericórdia” de Deus, assegurando o lugar do crente no paraíso, enquanto que para os não-muçulmanos era um castigo. Passado os séculos esta é a mesma narrativa do Irã.

Mário Pereira Gomes

Cronos é costumeiramente retratado com a foice por dois motivos: por ser esta a arma com qual castrou seu pai Urano e por ele estar ligado aos cultos agrários. Cronos é o deus do tempo empírico dividido em passado, presente e futuro. Nem imaginavam o quanto estavam certos em dar uma foice (símbolo do Ceifador) para Cronos, pois a passagem de tempo nos levará para a morte não só da vida como também de todo o universo (morte térmica). O próprio tempo, esta ilusão persistente como disse Einstein, deixará de existir.

Mário Pereira Gomes

Esta pandemia está colocando máscaras em nossos rostos e retirando as máscaras de certos líderes religiosos.

Mário Pereira Gomes

Já que não vai ter eleições municipais este ano, então que se destine o fundo eleitoral para a saúde.

Mário Pereira Gomes

O Império Romano do Ocidente terminou da mesma forma que a República: arruinada pelas sangrentas disputas entre senhores da guerra que decidiram tomar de assalto o que deveriam proteger.

Mário Pereira Gomes

O governo que pede para ficarmos em quarentena é o mesmo que inicia uma campanha de vacinação de idosos contra a gripe comum. Se já estamos em quarentena as chances dos idosos ficarem gripados é bem menor, mas ao sair correm o risco de serem infectados pelo novo coronavírus.

Mário Pereira Gomes

Pauline Bonaparte como Venus Victrix (ou Vênus Vitoriosa). Trata-se de uma escultura neoclássica esculpida por Antonio Canova. Apesar do nome, apenas o rosto é da irmã de Napoleão Bonaparte e não se sabe se ela posou nua para o escultor tendo em vista que o corpo se trata de uma versão idealizada do corpo ideal feminino baseado nos valores neoclássicos. Na mão esquerda há uma maçã que lhe foi dada por Páris; ato este que ocasionando a Guerra de Troia. Queriam que Pauline fosse representada como a casta deusa Diana, mas Pauline insistiu em ser retratada como Vênus. Talvez, sabendo de que era vista como promíscua, decidiu tornar a ofensa um orgulho e assim foi retratada como a deusa do amor.

Mário Pereira Gomes

Para certos pesquisadores o versículo 33:2 do livro de Deuteronômio e a aparição de Iavé para Moisés em montanhas na região de Midiã indica que o deus hebreu foi primeiro cultuado nesta área geográfica.

Mário Pereira Gomes