Coleção pessoal de LucieteValente

101 - 120 do total de 135 pensamentos na coleção de LucieteValente

Alegrias vêem e vão tristezas...não... essas teimam em ficar. Escondidinhas... fazendo doer a alma... É preciso fazer uma faxina... ... tirar as tristezas dos cantinhos para que as alegrias possam vir morar..

Luciete Valente
1 compartilhamento
Tags: alegrias tristezas

Amar é procurar nos defeitos, a singular beleza aceitar o diferente, e fazê-lo um igual É sorrir junto no choro e chorar junto na alegria. Amar é admirar o outro e muito e sempre.

Luciete Valente
1 compartilhamento

...eu quero um amor pequeninnho... que caiba num pequeno gesto... eu quero um amor devagarinho que chegue lento...e nunca se vá! eu quero um amor tão pobrezinho que nunca se lembre de cobrar... eu quero um amor deveras amiguinho pra nunca reclamar de carinho. Quando achar prometo que vou cuidar!!!

Luciete Valente
1 compartilhamento
Tags: amor pequenininho

O que eu preciso é de futuro possível, amores impossíveis, beijos abissais amizades eternas, e alguma leitura..

Luciete Valente
1 compartilhamento

Viver é isso. Gritar bravo mil vezes e chorar outras mil vezes. Não tem receita que ensine, nem vocábulos que expliquem a dor de perder-se... porque acredito que um amor não se perde... perde-se a si mesmo...por amar...E acredite ... vale a pena cada lágrima. Chega um tempo, em que mais feliz, foi quem mais sofreu... pois cresceu. Amores são construções...não perenes, nem frágeis...Apenas construções...

Luciete Valente
1 compartilhamento

Planta-se um amor em terra fértil e boa. Dá-se forma, cuida-se. Na germinação cuidados e mimos. E a colheita, será farta.

Luciete Valente
1 compartilhamento

Goste-se, observe suas formas com olhos de querer, sinta-se bela. O resto.. virá. Sensualidade tem mais a ver com atitude que com beleza...

Luciete Valente
72 compartilhamentos
Tags: corpo sensualidade

Sêde pois como as borboletas... que não causam danos por onde passam. Tiram seu sustento enquanto dançam, embelezam

Luciete Valente
1 compartilhamento
Tags: borbloetas sustentam

Mora em mim um coração errante e sem porto, cuja nau veleja ao sabor das ondas. Mora em mim uma vontade enorme de aportar segura meu coração no seu. Mora em mim anseios de liberdade e desejo de aconchego.

Luciete Valente
1 compartilhamento
Tags: coração errante

Eu quero me cobrir de trapos
fazer barracos e ser feliz
Eu quero me despir das sedas
desalinhar os cabelos e fugir
Eu quero vencer meus medos
sem atropelos despir-me de mim
Eu quero abandonar os saltos,
pisar na lama,
correr o mundo,
cantar bem alto,
sonhar meus sonhos antes de partir..

Luciete Valente
1 compartilhamento

Cultivo amigos.
Minha plantação é grande
e requer cuidados.
amigos raros,
Amigos frágeis:
na estufa...
E tem os amigos que florescem fácil...
e aqueles de difícil floração..
Amigos que dão frutos...
e amigos que só dão flores...
Cada um com sua particularidade e beleza...

Luciete Valente
1 compartilhamento

Para quando o amor chegar

Eu me vestirei de branco
para quando o amor chegar.
Ele vem de vermelho
em total paixão
que consome o corpo
sem queimar a alma.
Transmuta-se em mil cores
nas incertezas da convivência
ora tudo azul
ora na ira dos violáceaos...
Uma vez verde
nas esperanças
Outras em amarelo nos desespero...
perfumado e doce
em nuances de rosas
quentes no ocaso.
Eu me vestirei de branco
para quando o amor chegar.
Ele se demora no arco iris
faz volta e meia
na paleta da vida
e enfim
para alguns poucos
desbota-se do vibrante
dos tons...
e calmo, e manso
torna-se alvo...
Enfim...é o amor!

Luciete Valente
1 compartilhamento

No embalo do amor
eu adormeço
no embalo do amor
eu me perco...
pra me encontrar
eu embalo,
abalo,
afago,
e faço chover!

Luciete Valente
1 compartilhamento

Na dança das cadeiras...
sobra ela, sobra eu
quem sai nao volta...
e quem senta não dança.
Na dança das cadeiras...
quem não roda, perde
e se perde não dança
Dança eu, dança ela
perco eu, perde você
quem tiver vontade,
dança
quem não tiver,
se levanta

Luciete Valente
1 compartilhamento
Tags: dança cadeiras

Amor & Paixão
Paixão é amor novinho...
que fica inseguro
que toca a face
e retoca a alma.
Paixão é viver
todos os dias de uma vez.
É sofrer sem medida
e na medida da dor
se alegrar por pouco.
Paixão é amor
que não quer crescer
e crescendo arrebata
o corpo e entorpece os sentidos.
Amor é paixão velhinha...
que anda devagarinho
e fala baixinho.
Amor é paixão
sem choro,
sem pressa
que empresta e doa.

Luciete Valente
1 compartilhamento

Amigos são como borboletas...
variados...
coloridos
irrequietos...
pousando aqui...ali e alí
trazendo vida à vida

Luciete Valente
4 compartilhamentos
Tags: amigos borboletas

Amar é
procurar nos defeitos, a singular beleza
aceitar o diferente, e fazê-lo um igual
É sorrir junto no choro
e chorar junto na alegria.
Amar é admirar o outro
e muito
e sempre.

Luciete Valente
1 compartilhamento

Voar
voar pra dentro de si mesmo
voar pra longe do seu eu
voar como quem quer partir..
voar como quem quer chegar...
vôos razantes na essência do ser
vôos distantes das misérias humanas.
Voando leve como as borboletas
voando veloz como os gaviões
De flor em flor, com o beija-flor
solitário como as águias
Voar em busca dos verões como as andorinhas
Voar sem asas no inverno dos pinguins.
Voando em conjunto com as abelhas
e em vôo suicida do zangão.
Voando errante
até que nos recolham as asas.

Luciete Valente
1 compartilhamento
Tags: voar andorinhas

Erga seu castelo
em muitos pilares.
Que apenas um, seja
o do amor.
Ventos virão
e vão abalar as estruturas.
Sêde firme nas suas convicções.
Dê a cada pilar a importância fracionada.
Divida seu peso
não sobrecarregue nenhum.
Enriqueça os alicercers do pilar amigos
com pequenos mimos de carinho
e atenção.
Aprofunde as raízes do pilar profissional
com a capacitação
E regue todos os dias o pilar do amor...

Luciete Valente
1 compartilhamento

Geometria da vida : Motivos Ponto

A vida, assim como uma reta
ou uma curva
precisa de um ponto...
Aliás pelo menos dois pontos:
o ponto inicial
e os demais.
Parece óbvio...
Mas hoje eu percebo que tem mais
da matemática, na minha vida
que eu supunha.
Sou 100% subjetiva.
Hoje, talvez 99%.
Descobri relações na minha vida com a geometria.
Preciso de motivos, motivos-ponto.
Começo a traçar a reta
que às vezes se curva,
da minha vida.
Preciso sempre divisar um motivo-ponto
pra seguir adiante.
São traços curtos
porque eu não quero viver tudo de uma vez.
Poupo.
Motivo-ponto pra cuidar do cabelo.
Uma festa, talvez.
Motivo ponto pra ganhar aquele contrato:
contas e mais contas a vencer.
Motivo-ponto pra escrever:
Uma tristeza, uma incerteza, um sonho.
E assim vou fazendo o traçado da minha vida.
Percebo agora,que traço mais curvas, que retas.
E me pergunto:
-O que eu espero encontrar no fim das curvas?
prefiro a incerteza da curva,
á realidade visível das retas?
Só o traçado final dirá.

Luciete Valente
1 compartilhamento
Tags: geometria retas