Coleção pessoal de LeandrahCaramori

1 - 20 do total de 41 pensamentos na coleção de LeandrahCaramori

Não adianta se negar, negar seus instintos. Ser inferior é abdicar de quem você é pra refletir em quem você nunca será.

Leandrah Caramori

Mesmo que os hábitos mudem, mesmo que um ou outro se destaque, ainda é incontestável a idéia de que a mulher vai ser sempre inferior. Digo inferior por causa das prioridades da nossa sociedade, na onde o mais forte tem o poder, na onde quem tem o poder define as forças.

Leandrah Caramori

Mulher sempre foi mais frágil, mais sensível e mais tantas outras coisas comuns de se notar num corpo feminino, mas não é questão de escolha, é questão de instintos.

Leandrah Caramori

Nasceu em 52, virou gente em 59, mulher do José em 70. Repugnou José, viveu com José, desafiou José e depois chorou por ele.

Leandrah Caramori

Hoje a noite ta calma aos meus olhos. Só o movimento da chuva que embala pensamentos vagos e apressados, que não se entregam por pensarem que não precisam intensificar como pensamentos. É o desenho da boca deixado na xícara com tinta de café, é o grito da vinheta clichê da televisão, dublagens tão artificiais como voz de telemarketing, fumaça do cigarro aposentado no cinzeiro que incomoda tentando chamar atenção. São meus amores fúteis tomando espaço no meu tempo. Passo mais uma noite em claro? Evito o papel em branco? Qual o meu papel? Esqueceram de me entregar o roteiro hoje... Basta sorrir e desviar a intenção de se destacar, deixar que o açude feito a partir da minha compreensão desmorone e deixe meu ego transbordar e se afogar nele mesmo

Leandrah Caramori

Não preciso saber o limite da minha voz pra poder gritar, não preciso consentir com o clima da tarde pra deixar de me suspender em sentimentos estrangeiros. É verdade clandestina que me intriga, é mentira clichê que me surpreende.

Leandrah Caramori

Não sou livre, mas tenho liberdade pra pensar que sou.

Leandrah Caramori

Não suporto pensar que ainda estou presa a mim, prisão perpetua de carne e cigarros. Pulmão defumado. Coração diabético.

Leandrah Caramori

Eu não rezo, eu viro mais um copo.

Leandrah Caramori

Eu não procuro direção, eu me entrego a mim mesma.

Leandrah Caramori

É tão pequeno o presente quando avaliado o que já é passado...

Leandrah Caramori

Livre de tentações, vivo a margem do meu próprio ego. Sobrevivo a cada momento sem nunca pertencer a nenhum.

Leandrah Caramori

Me desculpem, eu não consigo ser mais clara que isso, na verdade, eu não quero ser mais clara que isso.

Leandrah Caramori

Eu realmente não consigo pensar em ser contra a legalização, talvez pareça confusa e pouco objetiva. Mas me cansa toda essa idéia de vida, sendo que a própria vida, já viva, não é vivida!

Leandrah Caramori

As vezes chego a pensar, por intervenção de raciocínio subconsciente, que se fossemos todos hermafroditas, o aborto nunca teria sido proibido e não pelo motivo maior de sobrecarga do mundo, mas por motivos em que a censura do sabor não existiria por saber que o modo de degustar seria o mesmo.

Leandrah Caramori

Se tratando de aborto, o assunto não é subjetivo e não digo isso pela aquela velha história de “vida interrompida, é assassinato e ninguém pode contestar”, digo por envolver questões políticas, éticas, morais e principalmente teológicas.

Leandrah Caramori

Deixar que meu maxilar defina a direção do meu sono e me ver como uma caverna inabitável, na onde o único lobo que me apavora, me deixando sempre desperta para as minhas insanidades, é o que uiva rente aos meus tímpanos, com hálito quente nos meus ouvidos... De dentro pra fora.

Leandrah Caramori

Essas são as minhas horas de chorar letras, de encharcar o meu redor com frases, verbos e rimas só pra chamar atenção. De resgatar o que eu absorvi e que embolorou, tirar as manchas esverdeadas e me preparar pra uma nova congestão, vomitar e comer o que saiu inteiro, respirar a fumaça que saiu em pânico do meu cérebro em pane.

Leandrah Caramori

Assim como o choro, que expele os excessos do ego de forma liquida, as palavras brincam com uma forma de chorar a seco pra não molhar o papel.

Leandrah Caramori

Dona da casa dos pesares que faz feira na segunda, a primeira não se lembra, a quarta vai pra quinta dos infernos. Sexta dos sentidos, das garrafas ao pé da mesa, não há comentário que espere, não há oração que o guarde, não há sentido que o disserte, não há sapato que a calce.

Leandrah Caramori