Coleção pessoal de kiki25

1 - 20 do total de 42 pensamentos na coleção de kiki25

O que tortura o pobre não é a pobreza é a inveja .

Christiano Marques

O tempo é um leão faminto me devorando.

Christiano Marques

Tenho tantas coisas pra ler e outras tantas para viver. Não sei se leio ou se Vivo.

Christiano Marques

" Se puder, viva sem mágoas.

Christiano Marques

Na ausência de elogios, o homem elogia a si mesmo.

Christiano Marques

Meu rio Amazonas,
Eu também choro tuas águas.
Suas ondas ainda se movem em meu peito".

Christiano Marques

Solidão

Ontem ela dormiu comigo,
Deitou-se lentamente em nossa cama.
Me fez carícias,
Fingiu ser você,
Tentou me amar.
De manhã ela se foi mas ameaçou retornar,
A solidão, a maldita solidão.

Christiano Marques

" E se quiserdes ouvir sobre o Amor,
me chame.

Christiano Marques

E nos dias frios, abraço os meus fantasmas.

Christiano Marques

Procuro alguém que tenha no corpo o perfume das flores
e que tenha nos olhos o brilho das estrelas.

Christiano Marques

Quando o coração está triste
Até a mentira o consola.

Cristiano Marques

Vi o tempo.

Hoje vi o tempo irritado.
Animal, indomável e irracional.
Devorando um relógio feito um canibal.

Olhei o tempo, e o tempo olhou para mim.
Vi o tempo brincar de pintar cabelos,
De desenhar rugas e descortinar lembranças.

Vi o tempo segurando o passado e o presente num futuro deslavado.
Vi o tempo sarando feridas e apagando lembranças.

Vi o tempo furtando a inocência de crianças.
Arrebatando sonhos,
Devendo esperança.

Vi o tempo atravessando a e eternidade,
Ignorando a gravidade,
Percorrendo célere pela cidade.

Vi o tempo em sua idade jovial,
Saudosista, com fantasia de carnaval.

Vi o tempo sorrindo,
Preso na sua própria alegria,
Preso no seu próprio tempo.

Christiano Marques

Morre lentamente.

Morre lentamente quem não vive.
Quem cai na armadilha da Internet,
Da vida, do destino.

Morre lentamente quem tem medo do amanhã,
Quem escravisa a si mesmo,
Quem não sabe o valor de um abraço, de um toque, de um beijo.

Morre lentamente quem opta pelo ódio,
Pela raiva, pelo rancor.
Quem sequestra o dissabor e foge da Paixão e do amor.

Morre lentamente quem não aprendeu o valor de uma amizade,
Quem ama apenas seu ego,
Quem trai e despedaça o elo.

Morre lentamente quem não teme ao juramento,
Quem duvida de tudo
E não confia nem em si mesmo.

Morre lentamente quem abandona seus amores,
Quem idolatra seus dissabores.

Morre lentamente quem não sabe que viver vai muito além de existir.

Christiano Marques.

Calvário.

Estou sentado à mesa olhando o vinho e o pão,
E já sinto na boca o amargo gosto da traição.
Me vejo subindo um monte, ansioso, suado e cansado.
Como uma pobre ovelha ao seu matadouro desgraçado.

Estou cercado por pessoas estranhas,
Alguém que me jurou lealdade já me beijou com o gelado beijo da morte.
Meus próprios súditos estão despedaçando minha sorte.

Já não sou rei, nem colecionador de flores.
Sou réu, escravo, o pior dos malfeitores...
Açoites arrancam minha carne,
Mulheres gritam, homens cospem em minha face.
Meu Deus! Que crueldade, quanta maldade.

É a minha via crucies, a via da humilhação.
Devo passar sozinho esse caminho até que chegue o sagrado bálsamo em meu coração.
Estou em um novo monte, inédito e inerte aos seus pés.
Um madeiro me aguarda, é o presente da ingratidão.

Estou sendo ungido na amargura, meu vinho transformou-se em sangue.
Vejo três pregos no chão, percebo que são meus,
Hão de atravessar minha carne e também meu coração.

Tenho sede. Alguém poderia me trazer água?
Uma rosa vermelha serve...
Estou atravessando meu calvário,
Lento como uma viagem à remo e vela.
Com uma dor não fingida.
A morte está ao meu lado,
Vou inspirar o meu ar, o de missão cumprida.

Christiano Marques
1 compartilhamento

Rimas de dor.

Continuamente sangra em mim essa dor,
Ferida causada pela perca do meu grande amor.
Pela insípida vida que um dia ja teve sabor
É que prossigo firme e forte em meu labor.

Enquanto sou vítima desse sentimento de horror,
Pinto em minha mente tua beleza sem cor.
Paro e observo meu jardim arruinado sem flor,
Suportando no peito a tragédia desse amor.

Compartilhando com o meu velho e experiente avô,
Todas as dores que essa vida maldita me causou.
Sim, ele que é capaz de materializar qualquer vapor,
Fiz dele meu mestre e senhor.
Pratico esporte tentando me recompor,
Futebol, natação, judô.
E ainda brinco com armas de horror:
Bilhar, armas de fogo, jogos e tarô.

E assim rabisco uma poesia de amor
Exaltando teu nome em louvor.
Que Deus sinta pena dos meus gemidos que bradam como tambor,
E desse pobre menino que no palco da vida não soube ser ator.

Christiano Marques

O meu Rio.

Eu vi o rio,
Fugindo em sua vazante.
Seguindo triste seu caminho errante.

Procurava por outros rios para "dar a mão" e continuar o seu passeio.
Serpenteia ligeiro entre lagoas e igapós,
Saudando garças e socós.
Foi-se o meu rio,
Deixando em mim as gotas de um vazio.

Christiano Marques

Saudades da minha cidade.

Um vento forte atravessa as folhas do meu quintal e bate com ímpeto contra o meu peito,
Parece levar um pouco de mim.
E realmente leva,
Toda dor, toda incerteza, toda saudade.
Saudade de cada detalhe de cada esquina da minha cidade.

Do inspirador túnel verde.
Que nos inspira à poesia e nos ensina a canção da esperança.
Do meu venerado rio Amazonas que sempre esteve ali,
Inerte ao meu olhar.
Exibindo sua dança sem músicas.

Saudades dos meus amigos mais íntimos,
Dos amores, das amizades e dores.
Das conversas jogadas ao vento,
Do louco desejo de segurar o tempo.

O vento se foi,
Despertou em mim antigas lembranças,
Que sei que vale a pena lembrar.
Lembranças que me ajudam viver,
E acima de tudo, sonhar.

Christiano Marques

Vida de estudante.

Estrutura Textual,
Regras cartesianas.
Morfologia, Fonemas,
Pitágoras e seu Teorema...
Tudo isso é um saco furado adicionador de problemas.

E eu vou vivendo a minha vida como um velho rabugento,
Fedorento, sorriso nos lábios
Porém Ódio por dentro.

Olho o tempo passando lento bem na minha frente,
Deixando no ar um sorriso irônico pra torturar ainda mais esse coração demente.

Christiano Marques

Não meça meu amor.

Não meça meu amor,
Não pese minha paixão.
Não resista minha canção,
Pois te amarei feito um pagão.

Não resista as minhas palavras,
Não sufoque a minha fala.
Pois te farei comer os meus versos feito uma alma insaciada.

Christiano Marques

Sei que nunca vou esquecer.

Sei que nunca vou esquecer, a menina dos olhos castanhos que me esperou durante dez anos na esperança de ainda me ter.

Sei que nunca vou esquecer,
Minha estupidez renascendo a cada dia,
Enquanto você escrevia os seus mil versos,
Agora sei que nunca os poderei ler.

Sei que nunca vou esquecer,
Você ensaiando todos os dias a mesma canção
E eu um bobo, bati a porta do meu coração.

Sei que nunca vou esquecer,
Seus sonetos, suas poesias.
Seus trinta anos vividos com muita valentia.

Sei que nunca vou esquecer,
A culpa, a revolta e o ódio pela vida.
Em vê você morrer em meus braços,
Pra perceber que você era tudo o que eu queria.

Christiano Marques