Coleção pessoal de ivanildo_sales

1 - 20 do total de 159 pensamentos na coleção de ivanildo_sales

⁠A beleza da nutrição

Aquele sorriso que encanta;
Mais uma primavera, ela completa.
Alegre, simpática, sincera...linda!
Nutrindo nossos corações diariamente.
Dos alimentos, ela tira sua energia.
Amando o faz, nos contagia.

Talentosa e profissional;
Um ser humano que não existe igual.
Receitas saudáveis, ela traz!
Auxiliando na nossa dieta do dia a dia.
Zelosa, sempre ativa e cheia de amor.
Zona de conforto, para ela, não tem.
Inteligente e carinhosa, te desejo parabéns.

Ivanildo Sales

⁠Com o tempo encontrei,
meu verdadeiro lugar.
Descobri na poesia,
Uma maneira de me expressar.
Falar o que sinto;
sentir o que falo;
viajo nos meus versos.
Um florescer de pensamentos;
o surgir de uma poesia;
após de um dia de euforia.
Talvez não seja conhecido,
pela maioria das pessoas.
As poucas que me conhecem,
são tocadas, reconhecem;
essa alegria que compartilho.
Aos poucos, vou conhecendo,
trocando ideias, difundido, aprendendo...
melhorando a cada dia,
este ser que escreve poesia
Leitores, escritores, poetas;




Ivanildo Sales

⁠Mais uma primavera se passou
Seu sorriso continua o mesmo
Doce, meigo, gentil...
Um olhar encantandor
de brilho reluzente
Irradiando sua simplicidade
A beleza de seu espírito
Ajudar sempre foi o seu forte
Filantropia sempre com simpatia
Levando sua fé e esperança
Aos sonhos de uma criança
Plantando suas sementinhas diárias
com amor e dedicação
Colhendo os frutos do futuro
Por trás do seu sucesso
um ser humano humilde
Por trás de cada click,
A simplicidade de ser autêntica
A alegria de comer
A doçura regada a chocolate
A bondade que vem do coração
Amiga, sincera e companheira
Abraça todos a sua volta
Tendo na família, seu porto seguro
Paciência pode não ser o seu forte,
Não admite injustiça
Neste coração acolhedor
Engraçada, divertida, ciumenta
É melhor não discutir
Pois ela sempre tem razão
Falar é com ela mesma

Ivanildo Sales

⁠Não conseguimos voar se nossas asas estão amarradas ao medo de explorar o desconhecido.
Não conseguimos serguir nosso caminho se nossas pernas estão presas ao chão do nosso passado.
Não conseguimos respirar se tudo que inspiramos nos polui por dentro.
Não conseguimos amar se o medo de não ser correspondido é maior que o medo de querer amar alguém.
Não conseguimos ser nós mesmos enquanto ficarmos invejando e querendo ser iguais a todo mundo.
Não conseguimos pensar enquanto não formarmos pensadores livres do senso comum .
As prisões que nos impedem de conseguir muitas coisas em nossas vidas estão em nossas mentes.
Ter consciência da existência dessas prisões é o primeiro passo para se libertar delas.

Ivanildo Sales

⁠O filósofo e sua experiência;
seus ensinamentos e suas ideias.
O jovem e sua perspicácia;
suas dúvidas e seus questiomentos.
Duas pessoas diferentes;
dois mundo que se encontram.
O ensinar e o aprender;
compartilhando conhecimentos.
O mestre e o discípulo;
dialogando e debatendo;
as relações interpessoais;
tão difíceis neste mundo.
Teoria e prática que se confrontam.
um argumento de uma ideia;
uma tese a ser comprovada;
aceitar ou não aceitá-la?
A verdade sendo questionada.
As pessoas e suas diferenças;
igualdade ou equidade?
o que é justo nesta sociedade?
Respeitar e ser respeitado;
colocar-se no lugar do outro;
compreender e ser compreendido;
a convergência de um entendimento.
Filósofo e jovem;

Ivanildo Sales

⁠Mente e corpo;
corpo e mente.
Uma simbiose que se completa.
A mente, o âmago do nosso ser
O corpo, o reflexo desse um ser
A causa e a consequência
Um mundo criado
Sensações, emoções, transições...
O que é real?
Dois mundos, duas realidades.
Mente e corpo;
corpo e mente.
As lembranças que te atormentam;
o medo que te observa;
a respiração ofegante;
a culpa que alimenta a tua angústia.
O fardo que carregamos,
que levamos até o fim.
Ajudar ou ser ajudado?
Torturar um louco
é

Ivanildo Sales

⁠O último olhar

A última impressão.
O fim de uma caminhada.
Um apanhando do passado,
dos meus primeiros traços,
à construção de lindos versos.
Um olhar evoluido;
abrangente de pensamentos;
envolvente de sentimentos,
na poesia do meu ser.
Compartilhei, emocionei, dediquei...
A alegria de escrever,
de coração aberto,
de

Um olhar acolhedor,
nas palavras de carinho
Externadas com muito amor
Na tristeza de um momento,
Encontrei beleza nas palavras
Metáforas ganharam vida
na natureza dos sentimentos
Um olhar para a vida,
que descobri na poesia;

Ivanildo Sales

⁠Escrever o que se sente,
sentir o que se escreve.
Palavras...são apenas palavras;
jogadas ao vento... sem direção.
Talvez lidas, talvez não lidas...
Que importância tem nisso?
Se me entendesse, saberia.
Sentimentos dispersos,
nas palavras que escrevo.
Chuva de pensamentos;
escorrendo pelas terras da indiferença;
acumulando-se no lago da insegurança;
atrofiadas na existência deste ser.
Uma doce ilusão sonhadora.
Este é o mundo que enxergo;
que pertenço, sem pertencer.
Minhas palavras...
nunca serão compreendidas.
Meus sentimentos...
jamais serão correspondidos.
Que beleza existe na melancolia?
Sinfonia da tristeza;
solidão exacerbada;
o descrever sentimental.

Ivanildo Sales

⁠Sob os labirintos do pensamento,
uma mente inebriante.
Percorrendo caminhos tortuosos;
Em meio ao mar de possibilidades.
Sob a maré das ideias,
vem a sua inspiração.
Na alta, os versos fluem.
Na baixa, uma escassez sem fim.
O tempo um mero detalhe,
quando se fala da poesia.
Criar, pensar, escrever...
Sob a tinta da caneta,
sentimentos que ganham voz,
nas palavras de uma vida.
Metáforas inebriantes;
contagiantes
Enaltecem o amanhecer de um novo dia
Transformando o imaginário em realidade

Ivanildo Sales

⁠Querer e não agir

Como posso ser visto,
na essência do meu ser.
Se escondo-me dos teus olhos,
essa vontade de te querer.
Tenho medo de arriscar,
demostrar meu interesse.
Crio expectativas;
imaginando o que dizer;
idealizando te conhecer;
sem ao menos você saber.
Indecisão, receio, hesitação...
Mil possibilidades a mente,
nenhuma ação presente.
Penso demais, hajo de menos.
Como posso ser visto?
Se não me apresento.
A você, às pessoas, ao mundo...
Como realmente sou.
Alguém diferente da maioria;
que talvez alguém perceberia;
se me enxergassem como sou.
se eu me permitisse mostrar quem sou.
Sou falho, sou humano;
tenho muito a aprender.
Terei coragem algum dia,
de querer te conhecer.

Poesia: Ivanildo Sales
Foto: mensagenscomamor

Ivanildo Sales

⁠Duas almas num só coração

Sinto passos ao meu redor
Em casa, não estou só.
A minha alma arrepia.
Um frio repentino;
atrás do pescoço, ao pé do ouvido.
Sinto sua presença;
lágrimas, em meus olhos a derramar;
lembranças de um passado distante.
Sem razões, sem motivos...
Não consigo recordar.
Um sentimento dentro de mim;
uma tristeza que não dá sossego.
Alma perdida, desiludida;
uma vida não vivida;
um amor tão profundo.
Palavras não são suficientes,
para descrever este sentimento.
Minha voz clama por ti,
rompendo o silêncio da tua presença.
Nossas almas se completam;
dois destinos que se cruzam;
reconhecendo-se através do olhar,
o verdadeiro significado de amar.

Ivanildo Sales

Ivanildo Sales
Tags: amor sofrimento

⁠Um grito de liberdade

Eu seus olhos marejados,
Vejo a tua dor.
O quanto sofreste, e ainda sofre;
neste mundo de tanto pavor.
Faltam palavras à boca;
as dificuldades são imensas.
Ser você, falar de você;
ouvir seus relatos, suas histórias.
Percebo o quanto és discriminada;
explorada, forçada, humilhada,...
Nunca poderei sentir o que sentes;
por mais que eu queira;
imaginar-me no teu lugar, na tua vida;
e em tudo que tens passado.
Não nasci como você, mas nasci de você.
Respeito-te e admiro-te, sempre.
És a voz de muitas, num só coração.
A história já provou,
o quanto és forte e destemida.
Seus ideais de emancipação e igualde,
nunca morrerão!
vivo estarão, em cada uma de vocês.
Não estás só, mulher!
Na escuridão do preconceito,
existe a luz de um novo amanhecer.
Dançado e cantando por todas;
num só ritmo, num só corpo;
num só grito de liberdade!

Ivanildo Sales
Tags: luta descriminação

⁠O lobo solitário

Esquecido, encontre-me;
a mercê do vento;
ecoando no silêncio;
o sussurro ao pé do ouvido.

Um uivo de um lobo;
faminto de afeto;
na companhia da solidão;
vagando sob a luz do luar.

Deslocado do mundo;
excluído da alcatéia;
caminhando sozinho;
na estepe vazia da amargura.

Na caverna do seu quarto;
encontra o seu refugio;
na escuridão, seus pensamentos;
nas palavras, sentimento.

Uma nova era vai surgir;
um brilho de esperança;
de novo amanhecer;
para o coração deste lobo.

Ivanildo Sales
Tags: solidão esperança

⁠Um suspiro, uma vida, uma chama

Quem somos nós, em meio ao tempo
Apenas suspiros de uma existência
Uma ínfima chama a apagar-se
De nossa breve permanência

A vida e seus mistérios
Algumas, estendidas por décadas
Outras, abreviadas de repente
Todas, com seu tempo demarcadas
Qual o próprosito da vida?
Se nascemos para viver?
E vivemos para morrer?
Temos muito o que aprender.

O que deixamos dela?
O coração daqueles que tocamos
Os feitos construídos nessa terra
A saudade da família que amamos

Nunca estaremos preparados
Quando essa chama chegar ao fim
Que ela tenha algum significado
Para as pessoas com algum afim

Ivanildo Sales

⁠Acreditar, uma ilusão?

Estou soterrado
Em meio aos pensamentos
De ser ou não ser
A expressão de um sentimento

Uma voz sem palavras
Jogadas ao vento sem direção
Ditas para qualquer um
Que não valoriza o coração

Um perfil escanteado
Alguém sem importância
Uma paixão de momento
Algo sem substância

Palavras não valem nada
O silêncio ecoa no final
Como encontrar o amor?
Nesse mundo virtual

Será que existe verdade
Nesta rede de mentiras
De quem diz ser o que não é
Causa-me tantas intrigas

Acreditar talvez seja uma ilusão
Criada por quem deseja acreditar
Que existe alguém real neste mundo
Que vale a pena de se amar

Ivanildo Sales

⁠O soldadinho e a roseira

Numa roseira te encontrei
Neste belo entardecer
Um singelo soldadinho
Fez meu sorriso aparecer

Rosas sempre me encantam
Com suas pétalas a desabrochar
Mas com um olhar mais atento
Fizeram meus olhos te encontrar

E lá estava você
Tão delicado e singelo
Um soldadinho na roseira
Nunca vi cenário tão belo

As rosas chamam a atenção
Você, apenas um inseto
As rosas são graciosas
Você, sempre discreto

Poucos notariam o soldadinho
Muitos só veriam a rosa
Sensibilidade no olhar
Desta experiência prazerosa

Ivanildo Sales

⁠Privações

Palavras não são suficientes
Falta o carinho do toque
O calor de um abraço
Um amor no coração

Fotos não são suficientes
Falta a presença física
Compartilhar uma celebração
Viver momentos presentes

Ligações não são suficientes
Falta o beijo dividido
O sorriso que encanta
O aconchego de um colo

O virtual não é suficiente
Faltam pessoas reais
Para conhecer e conviver
Apaixonar-se novamente

Até quando será suficiente?
Como é difícil ser prudente
Privar-se de viver livre
Quando temos medo do outro

Ivanildo Sales

⁠A escolha

Mente inquieta, palpita o coração
Um turbilhão de pensamentos
Cheio de dúvidas e incertezas
Passando em segundos de momentos

O filme se repete sem um fim
Como uma pintura inacabada
As idéias aparecem, mas não ficam
Falta tinta no pincel dessa mente agitada

Uma atitude, uma escolha de vida
Decidir não escolher é uma escolha
O rumo seguirá o fluxo do rio
Sem leme, sem âncora, na mesma bolha

Esperar não é a solução
Escolher poderia ser mais fácil
Se não fosse o medo da escolha
Não feita num momento difícil

Tempo para escolher o que fazer
Desperdiçado na escolha não feita
Tempo para viver desta escolha
Acaba, para mente que não aceita

Ivanildo Sales
Tags: escolhas duvidas

⁠Viver sem arrependimentos

As pessoas são diferentes
Não podemos nos comparar
Cada um tem seu jeito
De como a vida encarar

Alguns são mais impulsivos
Não tem medo dos desafios
Estão prontos e decididos
Do que querem sem anseios

Outros são mais indecisos
Cheios de dúvidas do que fazer
Preferem estar na zona segura
Do que se aventurar sem saber

Na vida não existem manuais
Só se aprende a viver vivendo
Independente de quem seja
Todos, por ela, passam aprendendo

Cada um valoriza o que quer dela
Sucesso, carreira, reconhecimento...
Amor, família, felicidade...
Siga seu caminho sem arrependimento

Ivanildo Sales
Tags: vida questionamentos

⁠Sentir ou fingir, poesia?

Dizem que o poeta é um fingidor
Que não sente o que escreve
Que traz um falso estereótipo
Nas palavras que o descreve

Sempre trazendo lamentações
Em seus versos sobre um amor
Impossível de se realizar
Por um coração cheio de dor

Não sei se isso é verdade
Sempre escrevo o que sinto
Não sigo modelos prontos
Sigo meu próprio instinto

Já tive meus arrependimentos
Pelo amor não correspondido
Não me lastimo do meu passado
Procuro apenas ser compreendido

Talvez eu não seja um poeta
Não consigo sentir e fingir
Meus sentimentos vêm do coração
Que busca uma razão para existir

Ivanildo Sales