Coleção pessoal de Iarinha7

Encontrados 6 pensamentos na coleção de Iarinha7

PROCURA



Montaste no cavalo de batalha
E sem ouvir ninguém,
Galopaste sem destino.
Em cada cidade, um amor diferente.
Um dia, uma semana, forasteiro coração.
Tapumes que ocultam a solidão
Que tentas ludibriar com as fraquezas.
Alma inquieta na obsoleta procura
Constantes decisões difíceis.
Uma pitada de cigarro,
Distraído olhas pela janela.
Nada vês absorvido pelo passado.
Que não retorna, passou...
Escondes a tristeza no íntimo
Onde aflora com intensidade,
Apunhalando a pérfida ferida.
Para disfarçar a dor,
Refugias-te em um bar.
Os amigos perderam-se no tempo.
Novamente, lembranças...
Vida agitada, rotina fatigante,
Horários estourados...
Alguém de longe acena,
Parece estar à procura.
Afoitamente olhares se buscam
Aos poucos se encontram
Em uma mesma situação.
O desejo de possuir
De entregar-se de corpo e alma
A uma dose exata que embriaga
De amor e ternura.
O sorriso do encontro
Término das peregrinações,
Finalmente encontrara
Sua Helena de Tróia.

Iara Ladvig Budelon
1 compartilhamento

HETEROGÊNEA PARTILHA



Alicerces que nada dizem.
Sombrios, frios e mortos
Cenário cotidiano,
Metrópole de investimentos.

Aglomerados de madeira e pedra,
Brusca floresta petrificada.
Edificações de contraste inerte
Presa na monotonia.

Encobrindo divisas humanas,
Esperam substituição de figuração
Arquitetura moderna, arrojada.
Na arrogância de representar.

Compõem a paisagem da cidade,
Amontoados de um mesmo afim.
Préstimo indispensável
Que o tempo desgasta.

São compostos de concreto e carne,
Respondendo à necessidade humana.
Um teto, um habitat,
Heterogênea partilha.

Iara Ladvig Budelon

Sentimentos de rancor são destrutivos,pois alimentam a infelicidade, inviabilizando qualquer intenção de se dar e receber amor.

Iara Ladvig Budelon

CÚMPLICE

A lua expia
Cumplicidade silenciosa.
Indiscreta invade
O pomar dos sonhos
Carregados de esperanças.
Vasculha frestas
Entreabertas das paixões
Ofuscante luz de prata
Cálida companheira
Retrata os amantes
Vislumbrando sonhos
Que divagam
Na presteza de tornar-se realidade
Transparentes a luz do luar.

Iara Ladvig Budelon

BOULEVARD CAFÉ


Chove torrencialmente. Na rua transeuntes dispersam-se. O tempo mudou de humor, esbraveja trovoada. Chora, lava as ruas. O destempero temporal, chuva brava, silencia.
Mulher desce a ladeira, devagar para não cair. Leva nas costas o peso das preocupações impostas pela vida, ao encontro do Boulevard Café, pausa rotineira.
Molhada, no balcão faz seu pedido, na inquietude saborosa do desejo de degustar um mentolado café.
Engole como se fosse o último, prazer destilado aos poucos. Degusta também, algumas aflições inevitáveis, entre um e outro gole.
Olhares sutis despertam a cumplicidade. Homens de paladar apurado saboreiam a admiração.
Entre os olhares, insinuante aceno. Um breve olhar ensaia a resposta do adeus.
No Boulevard Café, o mesmo pedido, a mesma medida, os mesmos olhares e um salutar café.
Na rua a chuva silenciara. A mulher retoma seu trajeto, com o fardo mais leve, deixando as preocupações a mercê do destino.
O sol aparece tímido, alguns pássaros cantarolam, ensaiando um fim de tarde poético, de mornas inquietudes na passarela cotidiana da vida.

Iara Ladvig Budelon
2 compartilhamentos

ALPENDRES DO TEMPO

Alpendres de setembro, florescidos
Galhos de guiné esparramam-se
Madressilvas debutam.
Na passarela exibem
O perfume agradável
Balouçando ávidas
A fresca da tarde
Arrepiando as folhagens
Melindrosas, balouçam.
E a brisa sopra
O leve sufoco
Solto em um suspiro
Do tempo que acorda
Sem nunca ter adormecido
Deixando lembranças.
Na constância mudanças
Que se afloram
Em um piscar de olhos
Que não hesitam em distrair-se
Mas perdem-se no horizonte.
Esperança de um novo amanhecer
Chuva ou sol, não importa
É apenas um contraste
De uma paisagem viva de emoções
E a ampulheta contando, sem parar
O ritmo cardíaco da vida
Nos alpendres cotidianos.

Iara Ladvig Budelon