Coleção pessoal de Genuzi

Encontrados 9 pensamentos na coleção de Genuzi

NÃO ÀS OFENSAS


Não precisamos de palavras lapúrdias,

Nem de ações estapafúrdias.

Porque não somos de grupos de balbúrdias,

Somos trabalhadores da educação.

Esta é a nossa luta cidadão...

Genuzi
Tags: ações educação

RETORNAR… POR QUÊ?


As pernas andam no passo que pode
Enquanto a angústia foge do compasso
Coração acelera sem trégua
Neste panorama sono corre légua.

Mas os sonhos não adormecem
Porque o meu pensar sobressai nas palavras.
E neste emaranhado de verbetes
Como não questionar a sabedoria da natureza?

O cacto rústico cheio de espinho
Não agride a sensível suculenta
Não há conflito com a suave rosa
Nem disputa de aroma com o jasmim.

Sua raiz pregada no chão
Extrai o melhor da aridez do sertão
Não se contamina com a impureza
E tudo converge para a perfeição da natureza.

Não sou de grupo codinome
Nem sou conhecida por cognome
Somos José, Maria, João, Genuzi... Sem sobrenome
Sou ativista. E, me apresento com nome?

Lembrem-se: - Os direitos trabalhistas
Foram conquistas
Não de um militante exangue
Mas a preço exorbitante de sangue.

Retorno a década de sessenta
E a memória retrata Pietá
Que ampara uma pessoa querida
Sem o sopro de vida.

E quando a estátua se materializa
Protagoniza a própria Pietá
Nas famílias sem brasão nem divisa
Que na sua dor não aprecia o voo da borboleta.

Sobressaiu a minha mesquinhez
E retornou a minha lucidez
Pensei nas angústias de Severino, Joana, José, Maria...
Que não é estátua com avaria.

Não somos oriundos do regime teocrático
Estamos em um regime democrático
Por que ressuscitar a ditadura
Era de sofrimento e tortura?

Veja a junção de rosa e cacto
Que jamais fizeram pacto
Então, analise e converse sobre a história
Porque foi delineada outra trajetória.

Despedem-se do verde quando chega o momento
Porque cada um tem o seu espaço
Cumprem suas funções de florir em seu tempo
Simples assim companheiro: - Dê-me um abraço.

Genuzi de Lima
Tags: ditadura tortura

O CHAMADO


Se olhares para a floresta
E ouvires o farfalhar das folhas
Repleta de trejeitos

Se olhares para o mar
E vires a onda a dançar
Cheia de emoção

Se olhares para o céu
E vires a beleza do luar
Seduzindo-te sem falar

E o teu coração palpitar
E o teu coração tremular
Não se deixe enganar...

Com ou sem norma
Nesta senda
Ingressos à venda.

Difícil escolha!
Porque muitas apostas
E múltiplas propostas...

Aprecie, suspire, respire...
A flor do bonsai
Porque a voz do amor sobressai.

Se o teu coração palpitar
E o teu coração tremular
Não se deixe enganar...

Com os tons do mundo
Acredite que há um amanhã
Florido e cheio de artimanha

Com ações, gestos e atitudes
Repleto de gotículas de otimismo
E caldo cultural de iluminismo

Neste emaranhado de dica
Ainda é o amor que indica
Que o caminho é Jesus.

Genuzi de Lima
1 compartilhamento

PROSELITISMO

Todas as formas de pensar são tipo prosa
Devem ser analisadas em respeito a si e ao outro.

Genuzi de Lima
1 compartilhamento
Tags: proselitismo prosa

MINHA ESSÊNCIA – PRECISA DE RESPEITO


Sou uma pessoa tipo intrusa
À esquerda do direito
Minha essência está confusa
Escondida de conceito.

Não é uma palavra obtusa
Sem preconceito
Precisa ser difusa
Somente respeito.

Então, respeito a mim
Sem preconceito
E falo de ti para mim
Sem defeito.

Neste emaranhado de conceito
Palavra multiuso
Eu quero respeito
Que uso sem abuso.

Abraça-me sujeito
Sem conceito
Nem preconceito
Somente respeito.

Na praça jasmim
Juntinho ipê, amor-perfeito...
Um cheirinho de alecrim
Sem definição, nem conceito.

Eu quero respeito
Eu preciso respeito
Eu, tu, eles queremos respeito
Nós queremos respeito.

Genuzi
1 compartilhamento
Tags: respeito confusa

AOS NÃO DECENTES

Eu sou aquela não só de momento
Escreverei poesias maledicentes
Corrupção, engodo, envolvimento...
Verbetes considerados indecentes.

Escrevo mais uma vez, uma poesia
Assuntos iguais ou até divergentes
Assunto que não me causa alegria
Éris, chefe da discórdia e seus agentes.

Curupira pedira que proliferasse com clichê
De centro-oeste, nordeste, norte, sudeste, sul
Jatobá, carnaúba, seringueira, mogno, ipê...
Festival em cores verde, amarela, branca, azul...

Nenhum momento excetua o calar
Sonhe e levante-se do divã,
Porque sua atuação há de se espalhar
E acordar o zagal Tupã.

Será? Sou tipo o Boca do Inferno?
Minha essência predomina o falar?
Escreverei até conceito que e/ou externo
É o que posso fazer para não calar...

Vivo em um mundo de valores
Seguindo mandamento divino,
Preconceitos, conceitos não inovadores
Sem manual, nem destino.

Metade de nós, perfeita
Repleta de virtude
A outra metade imperfeita
Maldade em plenitude.

Sou resquício da era que não fala
Sabendo da situação do país em tormenta
Que prende, acusa, banaliza, cala,
Chora, lastima e se atormenta.

Sonho e dou asas à fantasia
Um representante honesto,
Incorrupto, sem hipocrisia
E na política experto.

Escolho o político velho, impuro
Cheio de artimanhas e vícios
Escolho o político novo, imaturo
Nas entranhas, cheios de artifícios.

Qualquer verbete faz boca
Enfatiza que todo político é ladrão
Qualquer oportunidade na biboca
Compra sem nota e não perde ocasião.

Sou guardiã de certo preceito
Dona da verdade, cheia de atitude
Na entranha nenhum conceito
Abuso de almas com e, sem virtude.

Em cada fresta um olheiro
Que sabe a vida do vizinho
Pesquisa, escuta, espreita ligeiro
Para informar certinho.

Um anjo, um projeto de santo
Verdadeira besta ciranda
Espalhando desencanto
Adeptos de igreja, umbanda...

Quantas falcatruas expostas no jornal,
Que usam garfos de cinco unhas,
Estampadas propinas, em rede nacional
Com sobrenomes tradicionais e alcunhas.

Acredito em alienígena
Herdei telhado de palha
Sou de ascendência indígena
Portanto não acendo fornalha.

Somos ascendentes de Adão
Que comeu a maçã pelo desejo
Enganado por Eva cheia de sedução.
Saúde, segurança, educação... Almejo.

De cada região um representante
Que compõe qualquer regra, norma ou preceito
E que interpreta palavra dissonante
Nem analisa morfologicamente o conceito.

O tempo passa... Previdência.
Previdência?... Em berço esplêndido.
O que esperar? Divina providência.
Nosso investimento? No paraíso escondido.

Sisudos da tecnologia não têm alegria?
Não sabes tocar, cantar? Então dance...
Sabes sonhar? Transforme em poesia...
Plante uma árvore e faça até um romance.

Genuzi de Lima
1 compartilhamento
Tags: decentes educação

O FRACASSO DO PAÍS*

Corrupção no Brasil
É fracasso de um povo
E um político ruim
É fracasso de novo
O fracasso do país
- Politicagem povo!



Sextilha – estilo rítmico X A X A X A

Genuzi de Lima
1 compartilhamento

Se eu fosse uma deusa eu arrumava a felicidade

Colocava dentro de uma bomba atômica

Acionava a reação de fissão

E proliferava no espaço.

Genuzi de Lima
1 compartilhamento
Tags: felicidade deusa

O segredo de desmascarar a corrupção é a persistente vigilância.

Genuzi de Lima
1 compartilhamento