Coleção pessoal de fabianaamaral23

Encontrados 7 pensamentos na coleção de fabianaamaral23

Prefiro escrever uma frase que ninguém entenda do que compartilhar sentimentos que não são meus.

Sean Wilhelm
250 compartilhamentos

Me disseram que esquecer alguém era como parar de fumar, a abstinência se ia com o passar do tempo. Me disseram que seria difícil no começo, mas eu ficaria feliz por conseguir superar. Sempre fui fraco para dizer adeus, não me permito estudar as soluções quando me sinto realmente frustrado. Tem sido difícil entender, transgride o desejo de dar um fim, por mais que motivos não faltem, a ideia dos abraços não dados me agridem mais do que a fumaça. O orgulho também é um câncer. É algo que vai além de simples explicações, e trazem uma tonelada de porquês. Você irá me dizer que o ato de não querer já basta, porque nunca sentiu a saudade queimando seu peito até que reste apenas um vazio irretratável, como um eixo que te arrasta com força por memórias que deveriam ter sido esquecidas. Sempre fui burro o bastante para voltar aos vícios de sempre. Todas as vezes que tentei me afastar, me via indiferente. Odiava a ideia de estar tentando provar algo à mim mesmo. Talvez esquecer seja questão de hábito, nos acostumamos com rotinas medíocres, e pessoas que já não nos surpreendem. É algo do ser humano se degradar com o tempo. Dificilmente iremos encontrar alguém que se torne melhor com o passar dos dias. As pessoas apodrecem dentro de si mesmas. Mas, por algum motivo, por mais que sejam pedras no caminho, sabemos que irá doer se as chutarmos pra longe. Buscamos um grão de esperança no inferno. A gente precisa dos obstáculos para ganhar uma melhor percepção. Me disseram que esquecer era como parar de fumar, nunca consegui largar o cigarro, mas deixar as pessoas partirem já me matou mais vezes do que qualquer droga faria.

Sean Wilhelm
3 compartilhamentos
Tags: esquecer dificil

Já quis muita coisa, uma casa na árvore, ver a neve, tocá-la, criar um boneco de neve, levar o boneco pra casa na árvore, criar uma casa de neve... na árvore, fazer uma árvore de neve, ou um boneco de árvore. Não importa. Já quis muitas coisas, de várias formas. Eu costumava sonhar, e pensar um pouco além. Mas quanto mais você sabe, menos desejaria saber. Eu quis a casa na árvore, tive, e no dia seguinte aquilo era apenas um monte de tábua em cima de um tronco, e eu era um idiota. Quis ver a neve, demorei quase vinte anos pra isso, e quando vi, descobri que era tão interessante quanto dentro da minha geladeira. E eu era um idiota com frio. Cheguei a imaginar que havia algo mágico por trás de tudo, um duende ou o Jack Frost, era bem mais legal na minha cabeça. Os filmes nos passam essa ideia, mas não dizem que você vai furar a mão com o prego e pegar pneumonia. Saber demais estraga a magia. Ando evitando fazer perguntas pras pessoas que amo, assim consigo amá-las por muito mais tempo.

Sean Wilhelm
1 compartilhamento

A pessoa some. Ela escolheu isso, e eu me sinto mal. Ótimo. Pode durar dias ou semanas, talvez meses. Depende. Procuro apenas pra saber se tudo caminha bem, como se fosse da minha conta. Recebo respostas curtas e me sinto ainda pior. Então começo a aceitar que, talvez, seja melhor deixar a pessoa em paz. Faço isso. Me sinto péssimo por mais alguns dias. Recebo um choque de realidade. Uma injeção de adrenalina. Dormir sabendo que ao acordar, tudo estará da mesma forma. As pessoas não voltam. As pessoas não voltam enquanto eu preciso que elas voltem. Acabou. Ótimo. Não foi dessa vez. Me sinto bem, e agora sou outra pessoa. Nunca somos os mesmos após o fim, quando a história se reinicia, jogamos com outro personagem. A pessoa resolve voltar. Bom, agora não importa, eu também fiz escolhas, e me sinto bem. Ótimo. Dessa vez não houve dúvidas, minhas respostas são curtas. Devolvo embrulhado o amor que me deram. Talvez seja a hora de me deixarem em paz. Mas nunca fazem isso. Querem motivos, e eu dou um bom motivo. Cansei. Nunca aceitam que superamos a falta que nos fazem. As pessoas voltam com motivos inúteis depois de muito tempo, e ainda esperam encontrar aquilo o que abandonaram. Boa sorte na busca, procure nos cemitérios que enterram idiotas. Meu túmulo estará lá junto ao seu.

Sean Wilhelm
2 compartilhamentos
Tags: sumir amigo

Passei o dia todo deitado na minha cama, admirando o teto, pensando e pensando, procrastinação absoluta. Eu tinha coisas para fazer, precisava fazer compras, pegar documentos que vivo perdendo, achar meias novas, e alguma banalidade que me deixasse feliz, tipo essas canecas com desenhos de dinossauro. Eu tinha problemas pra resolver, pessoas para me dizer o quão ruim seus dias foram, sabendo que eu entendo muito bem de dias ruins. Eu precisava ver gente fingindo que gosta de mim. Saber até aonde as coisas vão é algo engraçado pra mim, a futilidade me diverte, mas ultimamente estou de férias dessa rotina. Não me incomode por enquanto, esqueça tudo o que eu disse, preciso estar sozinho por um tempo. Me desculpe se parecer egoísta, às vezes é necessário se ausentar. Quero tempo pra mim mesmo, um tempo pra perder tempo na velocidade que eu quiser, preciso relaxar e me sentir bem, ler algo novo, ver um filme que eu já vi mas perdi algum detalhe, quero escutar as músicas de antigamente. Sem contra-tempos dessa vez. Preciso ajeitar as meias e beber boas canecas de café com dinossauros me olhando. Dormir uma noite inteira. A tristeza impede de sentir o que eu sou de verdade, estou sempre me deixando de lado pra trazer pro meu lado gente que nunca percebeu o que eu faço. É como se eu tivesse tinta no bolso, mas escrevesse minha vida raspando os dedos numa parede de pedra.

Sean Wilhelm
1 compartilhamento
Tags: cansaço escrever

Amigos devem ser os idiotas que fazem a mesma pergunta todos os dias e nunca se cansam da resposta.

Sean Wilhelm
1 compartilhamento

Fiquei sabendo que minha professora de sociologia do ensino médio se matou no começo do ano, daí acharam o corpo no apartamento depois de dois dias num estado horrível. Ela vivia dizendo nas aulas que havia uma resposta pra tudo, e que quando parecia não haver uma, apenas não sabíamos como interpretar o que estava bem na nossa frente. Ninguém quis encontrar uma resposta que justificasse esse final trágico, porque no fundo, as pessoas sabem o que causa o cansaço, e sabem também do caminho que leva uma pessoa à dizer que já basta. Você sai de casa pra tentar entender um pouco mais, e volta com outras vinte dúvidas. Algumas certezas apagam as luzes e te fazem bater a cara nos obstáculos, a verdade vicia, uma busca infinita por ideias descartáveis. Uma coleção de novos questionamentos. Por que não devo? por que não posso? por que comigo? A resposta está bem ali e você sabe, mas sua mente ignora as evidencias para manter-se intacta. Precisamos de uma nova dose que seja mais forte do que a anterior, uma verdade que nos obrigue a subir um monte até cairmos em um buraco negro de perguntas estupidas. Bom, ninguém sabe porque ela desistiu, mas ela sabia demais, e se pudesse escolheria não saber tudo, apenas o bastante pra não cair nas armadilhas da vida. Por hoje já chega de novas descobertas, ninguém foi bom o bastante para salvá-la das perguntas.

Sean Wilhelm
1 compartilhamento
Tags: morte dúvida