Coleção pessoal de editorafaces

Encontrados 14 pensamentos na coleção de editorafaces

A indiferença é perversa, desumana. Dói por ser invisível, indolor e aparentemente inofensiva. Ela anula a possibilidade de relação ou mesmo conexão. Ao contrário do ódio, que cegamente impede relação, mas que, emocionalmente, pode se tornar o elo de ligação entre pessoas e grupos.

Bia Willcox
1 compartilhamento
Tags: indiferença indivisível

Se quiser ferir alguém e ser bastante cruel, seja indiferente. O problema é que, se o outro realmente te afeta de alguma maneira, é difícil torná-lo invisível, ignorando-o com naturalidade e sem esforço. Porque o afeto provoca emoções. Emoções do corpo, mas principalmente da alma.
Não é à toa que o escritor francês Favart disse que "a indiferença é o sono da alma".
Há que se escolher entre a vigília do ódio ou o sono da indiferença. Boa escolha.

Bia Willcox
3 compartilhamentos

Atualmente só quero o extraordinário, ardente e, ao mesmo tempo, muito bem definido, principalmente pela sua intensidade. Sim, quero tags em toda e qualquer relação.

Bia Willcox
1 compartilhamento
Tags: extraordinário amor

Assim como precisamos nomear coisas animadas e inanimadas, incluindo bebês, gatos e cachorros, definir funções e atribuições, e classificar e escalonar afetos, precisamos colocar tags nos relacionamentos - amigos, namorados, relação aberta, fechada, com benefícios ou não.

Bia Willcox
1 compartilhamento

O sonho é a crença e esta última é o combustível para mobilizar equipes, contagiar funcionários, despertar talentos e, de maneira transparente e justa, fazer todo mundo participar dos resultados, pecuniários ou não, imediatos ou não.

sonho equipe talento resultados arte

Queria um desfecho épico para o Brasil como a música que entoei ao ler o texto do Luiz Eduardo Soares: menos desigualdade, menos assistencialismo, menos hipocrisia, mais empatia à dor do outro, menos fome e sede, mais Educação e mais harmonia no final.

Bia Willcox
1 compartilhamento
Tags: brasil desigualdade

Não é fazendo política assistencialista (dando o peixe em vez de ensinar a pescar) que a solução está dada. Dar o peixe não transmite saber. Não é ensinamento. Quem dá o peixe continua detentor do expertise da pescaria.

Bia Willcox
3 compartilhamentos
Tags: peixe pesacaria

Enfim, liberdade é cara e seu preço não pode ser o mesmo de uma caixa de Prozac. Se para Sartre, somos condenados a ser livres, transformemos essa condenação em algo que faça esse ônus valer o bônus. Ou vice-versa.

Bia Willcox
3 compartilhamentos
Tags: liberdade preço

Minha sensação hoje é a de que a tecnologia da modernidade nos trouxe uns óculos monocromáticos e só enxergamos o que está na superfície, o que vem fácil. Sinto-me às vezes no meio de uma legião formada pela alegria instantânea e felicidade fútil. Não se pode perder nada. Aqui onde queremos estar, não há estresse, sacrifícios ou perdas.

tecnologia modernidade alegria felicidade perda

Não há mais espaço pra melancolia, pra perda ou sofrimento. A gente sofre clandestinamente, sem se sentir legitimado a sentir tal dor.

Bia Willcox
2 compartilhamentos

Todo mundo quer o bônus da liberdade, ninguém quer perder nada. O efeito Prozac se prolongou além das fronteiras patológicas. Todo mundo quer ser feliz rápido e sempre.

Bia Willcox
2 compartilhamentos
Tags: bonus liberdade

Sentimos saudade da gente mesmo. Sentimos saudade do que sentíamos naquele passado ou de como éramos. O tempo é algo inexorável, incorruptível, inegável: ele chega e te dá a noção perfeita da irreversibilidade, da irrecuperabilidade. Por isso a saudade se torna algo tão ou mais forte do que estarmos apaixonados. Trata-se de querermos a nós mesmos de volta.

Bia Willcox
2 compartilhamentos
Tags: saudade saudades

Privacidade tá difícil. E porque a gente quer. É uma onda e estamos todos dentro dela, com a real sensação de que estamos descendo a onda ou dando um cutback. Quando na realidade, podemos estar nos afogando.

Bia Willcox
2 compartilhamentos
Tags: privacidade onda

Penso na minha quase automática rejeição aos clichês em geral e em como caio no poço fundo da incoerência quando se trata de amor.
Amor é clichê universal, mas como não o ser? Como achar soluções pra muita coisa (quase tudo) sem se recorrer ao amor?
Escrever sobre amor será sempre um clichê. E daí?

Bia Willcox
1 compartilhamento