Coleção pessoal de DiogoLoureiro

1 - 20 do total de 40 pensamentos na coleção de DiogoLoureiro

"As voltas do mundo sempre são inevitáveis,
E morrer por lobotomia é nascer com um novo nome;
Pensamento, lembrança, cicatrizes.
Um amor intemporal pode curar tudo ?
Nada de julgamentos nem pressentimentos..
Eu e você.
Estou esperando uma resposta.
Obrigado por todo este amor"

Diogo Viana Loureiro

"Escuto passadas em minhas idéias;
O escuro se prepara para perder.
Te garanto, sim garanto, esta melodia ninguém vai silenciar;
La em cima dos Andes, detonando em minha Fender Les Paul.
Um único grito, o grito dos anjos, uni todas as nações.
Todos em uma marcha, rumo ao Arco.
Ao longo do arco-celeste… até seu fim.
Gnomos, faunos e Deus. Todos em uma batida com limão.
_Solos na montanha, na cabana, no Alabama.
Milhões de saltos, fazem palavras e o mundo tremer, sacudir, sucumbir.
Acorde, acorde, aonde você pensa que esteve estes anos?
O mundo mudou bastante, mas seu coração sempre sera puro, desde que nisso você possa
Acreditar.
Agora toque seu acorde, minhas ideias acabam de tropeçar."

Diogo Viana Loureiro
1 compartilhamento

"Queria descreve o silêncio de meus lábios mortos que volvem molhados pela chuva de novembro, e não pelas tuas palavras.
Gotas frias e vivas como alfinetes estalam,soam, explodem no chão como uma orquestra de Ludwig Van Beethoven. Em prantos ,gritos e espantos almas dançam e se mostram sempre dispostas a viver, andar e calar.
O silêncio nasce entre os carros e avenidas, postes e esquinas.
Rebentamentos de luz silenciam qualquer interior.
Nisso morre o frio do estomâgo, o arrepio da pele e a orquestra silenciosa.
Eu te amo."

Diogo Viana Loureiro
1 compartilhamento
Tags: www.twitter.com/Diloure

"Prefiro prezar pelo ardor da vida.
Esta veemência que mora nos olhos dos anjos e demônios.
Das nuvens posso guardar os lampejos e o tempo.
E na terra posso olhar a chuva através da janela embaçada e resistir de pé escutando sua voz até o sono me vencer.
Venho tentando lembrar a estação antes de você.
Mas confesso que os lampejos e o tempo só fizeram sentido após isso."

Diogo Viana Loureiro

"A vida me perpetrou assim,
tão dono de mim e tão além de mim.
Vivendo por um fio em um artifício shakespeariano,
esquadrinho minha verdade e esquivo do meu sono,
Enfim, anseio não adormecer nesta vida,..
Assim terei mais tempo para viver este sonho
que é você.

Diogo Viana Loureiro

O amor te ensina que de nada valem os vícios;
E quando o amor te abandona por um segundo, os vícios sempre querem bater na porta;
E olhando a noite, bucólica e fria, pela janela sem o amor e o vicio na mais completa solidão..
tem-se a chance de refletir...
hora,...de nada seria eu sem o amor.

Diogo Viana Loureiro

Dizem que a gente tem o que precisa. Não o que a gente quer. Tudo bem. Eu não preciso de muito. Eu não quero muito. Eu quero mais. Mais paz. Mais saúde. Mais dinheiro. Mais poesia. Mais verdade. Mais harmonia. Mais noites bem dormidas. Mais noites em claro. Mais eu. Mais você. Mais sorrisos, beijos e aquela rima grudada na boca. Eu quero nós. Mais nós. Grudados. Enrolados. Amarrados. Jogados no tapete da sala. Nós que não atam nem desatam. Eu quero pouco e quero mais. Quero você. Quero eu. Quero domingos de manhã. Quero cama desarrumada, lençol, café e travesseiro. Quero seu beijo. Quero seu cheiro. Quero aquele olhar que não cansa, o desejo que escorre pela boca e o minuto no segundo seguinte: nada é muito quando é demais.

Fernanda Mello
1.3 mil compartilhamentos

Aquilo que esta presente em sua idéia.
Toda equidade moral que te torna minha pertencente exceção...
Estas qualidades que em ti desenvolveste, e que em magnitude me cativas...
Tudo em você é admiração, é distinção, é exigência...
Sentimento vivo que opera e que pode atuar...
Domina minha alma e seduzem meus minutos...
Desde estes meu castelo de sonhos não parecem tão distantes...
Graças aquilo que conversa com seus ideais..
Meus olhos famintos buscam devera compreensão...
E concretizo aquilo que tanto um coração poderia proclamar...
Em ti encontro tudo, e a efígie viva do amor.

Diogo Viana Loureiro

_Viver hipocrisia.
_Sua epígrafe...?
_Maculado comento poliédrico, só isso,entenda!
_Denota ironia ou conota sarcasmo?
_Imperativa rescisão tributaria exultação ou rios de agrados.Esqueça,já!
_Quero saber a obtenção pertinente a essas palavras?
_Nada, só um assunto que acaba de morrer.

Diogo Viana Loureiro

“interpretar uma poesia é questão de pensamento e estado de espírito;
Interpretar um ser humano é impossível; ou entende ou não entende.”

Diogo Viana Loureiro

"Nas tardes bucólicas,
as garças rosa pairam em revolvo das almas mortas, coligidas...
nos adornos das arvores que ainda continuam vivas..
tamanha a gentileza de seu escarcéu nos permite imaginar o som de suas assas celestes,
independente do seu referencial.
Lágrimas de vida incidem de seu sutil alicio.
Onde foram parar as garças rosa?"

Diogo Viana Loureiro

L'Amour

"Amor te consente ter a cabeça nas nuvens.
E apanhar uma pena caída no chão com os dedos do pé,..
Permite ouvir o silêncio e cantar por horas emocionadas.
Cair em perdição sem consumir o bom senso...
Respeitar anseios que lanceiam a própria integridade.
Amar além de si próprio
Ter assa de anjo para buscar-te em qualquer parte.
Ser mais que a verdade e a vida..
O panorama das estrelas estampando o seu sorriso,
O fim da noite e do mundo que permitem enxergar o dia..
Enfim, o amor...
Você me faz ver de tal modo."

Diogo Viana Loureiro

“Tudo que anseio é a uma varanda, um balcão e duas cadeiras, o cheiro do café pelo alvorecer, ouvir a harmonia da sua voz e um bloco para anotar suas apreciações”

Diogo Viana Loureiro

"Todo homem necessitaria se indagar o que exprime amadurecer...
Isto nada mais é que adquirir novas desenvolturas e as empregar
como modelo de dominador do conhecimento.
Um exemplo de pessoa madura é um mestre ou como deveriam ser os progenitores.
Este tem o dever de expressar palavras e as demonstrar em seu comportamento tal significado."

Diogo Viana Loureiro

"Alguém que toca piano me ligou após a meia noite,
E mostrou-me composições de um futuro que não distingo..
Não tenho certeza, mas esta melodia me permite fechar os olhos e voar.
Os anjos derrubam suas lágrimas para eu dançar..
Eles me dão suas lagrimas para eu me descobrir..
Do fundo de minha alma, obrigado por me amar."

Diogo Viana Loureiro

Garoa, fleuma..
Hasteie, gota..
Pele, arrepio..
Adágio, ausência...
Curvar, risos..
Ternura, carência..
Pensar, libido...
Placidez, leitura, chuvisco.

Diogo Viana Loureiro

“Bom amigo é aquele qual olvida de si próprio e pensa um pouco no ulterior.
Cada um apresenta uma realidade e amigos são aqueles que acatam as individualidades e as reverenciam em evidencia”

Diogo Viana Loureiro

"De fato todos primam pela consciência, mas somente a maturação consente aferir o coeficiente de acuidade que é abonada a reputação.
Francamente a felicidade e a paz da primeira exposta não acopla o da segunda.
E como é intricado elucidar isso para qualquer indivíduo que se limitou."

Diogo Viana Loureiro

"Na inquisição de declarações em um veraneio contíguo.
Deparei-me com o assomo dos pássaros que respondiam desvairadamente em um movimento pressuroso
que o frio logo chegaria.
Inquietei-me em indagar às palavras mais abrangentes à ursa maior..
Esta teimosamente me advertia um logradouro nebuloso e errôneo.
Que deste feitio apeteço professar, tudo pelo seu sorriso.
Consecutivamente sei que adquirindo tais versos, os mais pulcros,
Perpetrarei-te ser a consorte mais afortunada do mundo e não unicamente
encerrar uma ocasião feliz, por uma pueril queda da chuva.
Consagro-me a imutável busca de tais ensejos.
Ainda conhecendo que eles jamais vão permanecer em ulterior lugar
qual não consista em seu contemplar, que me fita.
E neste posso denegar tudo que já delineei e a titular
de privilegiada exceção de minha vida.
Confesso que esta historia não prediz nem o princípio do escrito.
Enfim, já sinto ela ecoar, Te amo."

Diogo Viana Loureiro

"Ó vós homens do séc. XXI,
Surjo trazendo vocábulos acerbos e de amoedo moral..
Por demasiada insuficiência de decoro e cidadania que os vejo disseminar
como dísticos de fleuma, tomando as alamedas de consternação e ausência de expectativa.
Idealize o que versara em um porvindouro aonde nossas crias penderam da hodierna
puberdade.
Jogral, cínica, pouco profunda.
Não assisto prosperidade aonde não a premeditação,
E nem lucidez aonde não a espera.
Vós que de determinada critica sobrevivem em um ser pensante,
Não irão jamais se adaptar a adequação,
Ampare ao menos um destino."

Diogo Viana Loureiro