Coleção pessoal de CORNELIOCJW

Encontrados 6 pensamentos na coleção de CORNELIOCJW

Por acaso! Deveria eu ser perfeito? Se herdei todos os meus defeitos com a minha convivência?

CORNÉLIO JOSÉ WIEDEMANN
1 compartilhamento
Tags: https://www.pensador.com/editar.php?editar=mjeznda4ng&a=incluir

AMANHÃ SERÁ OUTRO DIA

Índia Cecília
Num sonho que parecia real me vi caminhando por uma trilha de uma mata virgem, usada por tribos indígenas ou caçadores, assim imaginei que fosse. Quando de repente me deparei com um riacho que onde havia uma taipa de pedras que servia de caminho para atravessar o riacho. De repente ouvi vozes de alguém, eram rapazes e moças indígenas tomando banho no riacho logo abaixo da passagem, fiquei observando o divertimento dos jovens indígenas quando de repente um deles notou a minha presença ali perto e me reconheceu e me chamou pelo nome para atravessar o riacho e ir junto com eles. O nome do qual me chamaram parecia conhecido para eles mas eles me pareciam ser estranhos. Mas seguindo em frente na história os jovens indígenas se aproximaram de mim e entre eles havia uma moça de uma beleza rara, morena esguia e altura média alta, cabelos negros caindo abaixo dos ombros. Tinnha um rosto comprido, lábios finos e compridos. Vestia uma saia que chegava abaixo dos joelhos parecia ser brim branco com bordados de flores silvestres cor de rosa. Usava uma jaqueta de couro de animal silvestre. Costurada com tentos finos e bem trabalhados. A jaqueta de couro tinha uma cor marrom com estampas trabalhados a mão. Ela se aproximou de mim e ficou parada por uns instantes me contemplando, de repente me convidou para ir junto com ela até sua aldeia. Era uma moça quieta, quase tímida, porém séria e segura de si própria. Ela deveria ter uns 27 anos de idade. Me convidou para entrar na tenda da família no qual havia uma idosa que logo imaginei fosse sua vó. Depois de alguns instantes apareceu um senhor, índio mediano trazendo um javali que havia caçado. Chegou quieto me observando de repente pediu para a moça trazer seu cachimbo e o tabaco, ela de pronto o atendeu. Foi quando ele me perguntou o meu nome no qual eu respondi Cacique Cajú e ele respondeu. Eu me chamo Cachoeira Serena, era ja tarde da manhã quando Índia Cecília apareceu servindo carne selvagem e pão feito com milho verde ralado na pedra trabalhada. Mas tinha um sabor extraordinário. A tarde foi divertida com os jogos típicos das tribos indígenas. Num certo momento nos acentamos para conversar e cada um contou a sua história, foi quando Índia Cecília contou a sua, que ela era órfã de pai e mãe e que eles haviam sido mortos numa emboscada de uma tribo rival e que havia sido adotada pela tribo na qual ela estava, e que seu marido flecha branca também teria morrido num ataque de onça. Quase chegando o final do dia Índia Cecília me pediu para acompanhar-la a um passeio ao redor da aldeia, caminhamos por cerca de meia hora. Quando chegamos a um lugar ermo com pouca vegetação e dali podia se ver o pôr do sol. Quando o sol ia se pondo encostando no horizonte Índia Cecília se virou de costas para mim e se sentou na minha frente e inclinou a cabeça entre os pés e colocou as mãos sobre eles. Durante o tempo que o sol ia desaparecendo sem se mexer com o cabelo encobrindo seu rosto, parecia uma oração que estava fazendo. E parecia que sabia que o sol havia se posto atrás do horizonte ela ergueu a cabeça olhando firme para o horizonte e lentamente se pôs em pé diante de mim. Quase trêmula olhando para mim, me pegando pelas mãos e em seguida colocou a sua mão direita sobre minha fáce esquerda e disse num sussurro quase mudo, AMANHÃ SERÁ OUTRO DIA.

CORNÉLIO JOSÉ WIEDEMANN
1 compartilhamento
Tags: www.pensador.com/colecao/corneliocjw/

A RAÇA HUMANA É TÃO FRÁGIL E TÃO VULNERÁVEL QUE ELA SE TORNA INIMIGA DE SI PRÓPRIA.

Cornélio José Wiedemann
1 compartilhamento

O DESESPERO DOS LOUCOS É TENTAR ESTAR SEMPRE SÓBRIOS E LÚCIDOS PARA MANTER AS APARÊNCIAS.

CORNÉLIO JOSÉ WIEDEMANN
1 compartilhamento

DIZEM QUE! ROUPA SUJA SE LAVA EM CASA, MAS MUITOS TEM A CONSCIÊNCIA TÃO IMUNDA QUE ATÉ OS FUNDILHOS SENTEM VERGONHA.

CORNÉLIO JOSÉ WIEDEMANN
1 compartilhamento

O DESEJO DE FAZER ALGO BOM E ÚTIL MUITAS VEZES ACABA NUM MERO SONHO, PORÉM, O MÉRITO É DE QUEM QUER FAZER, SABE FAZER E FAZ

Cornelio Jose Wiedemann
1 compartilhamento
Tags: http://pensador.uol.com.br/editar.php?username=corneliocjw