Coleção pessoal de BarbaraCampos

1 - 20 do total de 27 pensamentos na coleção de BarbaraCampos

Acho que não preciso fazer a conclusão do texto, ela está dentro de você. Use como quiser. São só conselhos. A atitude é sua.

Bárbara Campos
1 compartilhamento
Tags: conselhos atitudes

As vezes me sinto rodeada de tantas pessoas e tão só. Queria alguém que me entendesse, me sinto de outro mundo, inteligente demais para este. Não nos estudos, mas nas minhas palavras, talvez. Vejo a vida de uma forma diferente, reparo no irreparável, mas de uma forma pura, as pessoas daqui vêem maldade em tudo. Vejo fotografia seja de uma bela paisagem a um pequeno buraco na rua, vejo um sorriso numa flor, vejo lágrimas em um sorriso. Reparei que reparo muito no mundo, mas acho isso tudo muito novo e velho ao mesmo tempo. A lua fica cheia hoje, e daqui a um tempinho fica de novo, e isso é assim há bilhões de anos, mesmo assim… As pessoas nunca reparam nisso, ou não enjoam… Simplesmente esquecem.

Bárbara Campos
1 compartilhamento

"Não permita que a sua felicidade dependa da iniciativa de alguém."

Bárbara Campos
2 compartilhamentos

É tudo tão vazio, noto isso. As pessoas estão precisando de mais vida na vida. Falam tanto, e tantas vezes nada dizem.

Bárbara Campos
1 compartilhamento

Acho engraçado... Vez ou outra me aparecem pessoas dizendo que me expresso e escrevo bem. Não sei se posso considerar um elogio, sempre fui muito de gestos, olhares e sorrisos. Achei durante minha vida inteira que nada seria capaz de explicar olhares apaixonados e sorrisos bobos. Talvez seja esse o meu problema: pensar que posso concertar o mundo sem falar, sem agir, apenas olhando e fazendo um gesto de carinho para uma pessoa que necessita mais, bem mais que isso. Preciso preencher minha vida com ingredientes novos que nunca experimentei, aqueles velhos conhecidos da vida humana: atitude, coragem e, acima de tudo, vontade. E para isso, é necessário tirar um pouco da doçura deste meu olhar e colocar na minha boca. É, cada vez mais tenho certeza que não me dou tão bem assim com as palavras.

Bárbara Campos
1 compartilhamento
Tags: palavras escrever

Estúpido isso. Vocês querem tudo para sempre. Entendam, por favor: tudo será feito de saudade. O eterno tantas e tantas vezes é conhecido em uma noite, em uma tarde no parque, em uma madrugada com luzes, muitas luzes.

Bárbara Campos
1 compartilhamento

O sol já estava queimando sua pele clara por volta das três e quarenta. Pensamentos na sua cabeça na mesma velocidade em que disparavam os carros na pressa de chegar em algum lugar. Sem observar ao menos, que o céu estava completamente azul. Para a maioria, - isso seria de mais igual, poucos notara que dias antes só se via chuva e com ela, como tantas vezes, sendo acompanhada pela tristeza.

Parecia um dia tão mais bonito, e talvez fosse mesmo. Pelo menos dentro dela. Seu coração estava pulsando diferente, com mais amor pela vida.

Ana voltando de um dia cheio, olhava para cima e sentia seu sorriso colando no céu das (poucas) estrelas que apareciam com o entardecer.

O ritmo da suas pernas ia de acordo com as musicas que saiam de dentro de sua cabeça, que lembravam bons momentos, saudade e saudade. E cada local detalhadamente visto, aparecia em automático recordações que fazia aqueles olhos sempre secos chorarem. Às vezes só por dentro.

Agoniada com a confusão que as pessoas ditavam, ela decidiu apressar seu passo e deixar de lado um pouco a vista que estava observando.

Chegando em casa conturbada, olhou para a janela e ao sentir o cheiro e o barulho da poluição, fechou os olhos. Ao abrir, Ana que sempre tinha mania de desvendar quais que eram os desenhos das nuvens, avistou um coração… e no mar, a lua cheia brilhava um prateado parecendo um ritmo que, naquele dia, não-saia-da-sua-cabeça.

E assim, aos poucos, ela sabia que a vida e a beleza das pequenas coisas estão sim à vista, poucos podem enxergar, mas existe. E cada vez mais Ana entrava em seu mundo particular e trazia dele toda a sua paz para o lado de fora, mesmo que a retribuição desse mundo que pede pressa fosse jogando tudo isso fora.

Bárbara Campos
1 compartilhamento
Tags: pequenas coisas

O mundo está perdendo as cores, sabe? Tanta gente sem encanto ao meu redor que estou cada dia ficando mais cinza. Por dentro, por fora.

Bárbara Campos
2 compartilhamentos

Atualmente estava preenchendo o espaço de sua cabeça com falsas ideias e falsas ilusões em relação a outras pessoas.
Já era madrugada do dia doze, e ela não conseguia dormir – na verdade não tentava, sabia que os pensamentos iam se confundir com sonho, e quando fosse notar... Acordada estava –
Celina só queria entender algumas coisas, entender quem era ele, que ela não conseguia saber, mas que amava (muito). Ela queria mergulhar naquele olhar, até se afogar se fosse preciso – a forma de ser salva era ele, só observar aquele jeitinho que nem ela enxergava –
A respiração dela cansava, cansava, cansava. Mas ela precisara daquilo. Ela era movida pelo amor. E aquele momento estava a roendo em pedaços, doendo cada movimento. Ela não tinha ninguém.
Nunca foi de acreditar em metades da laranja – mas em um grande amor – sim, sempre se achou do tamanho ideal, sem precisar de mais ninguém para completar.
Não conseguia descobrir em madrugadas anteriores, talvez não fosse diferente nessa.
Foi checar os e-mais, deu uma olhadinha em suas redes sociais, e veio uma foto. Uma foto de uma pessoa que ela conhecia, mas que não lembrava mais, que achava que era passado. Mas não, tudo a atormentou novamente, chegaram à sua mente aquelas velhas cenas da sua vida – e outras que talvez nem fossem acontecer –
Uma lágrima caiu. Duas. A terceira veio com força e passou até o seu pescoço. E esse movimentou lembrou o abraço, o carinho, os beijos.
E tudo foi voltando aos poucos. O real sentimento. E também aos poucos, nada sem pressa, aquelas falsas ideias foram vazando feito água do seu coração. A cada dia era um sentimento a menos - pelo menos com a distância ela estava conseguindo-. E o real amor, estava ali, o tempo todo. F i n a l m e n t e ela conseguiu enxergar alem do seu olhar. E assim notar que eles eram um só.

Bárbara Campos
1 compartilhamento
Tags: amor encontro

Tenho certo pavor da frase tão dita por nós seres humanos - inclusive que vos fala – ‘’Eu era feliz e não sabia’’. Não, você não era, o problema é que a vida é tão triste, sozinha, com tantas mudanças com o tempo, que quando tu olhas para trás, enxerga só as coisas boas, e nota que comparada com a grande porcaria do hoje em dia, até aquele passado que você tanto reclamava era bem mais feliz. Admiro quem era feliz e sabia, mas é difícil alguém valorizar essa felicidade, aproveitar… Passa tão rápido. E eu sei mais do que ninguém, que tanto a tristeza quanto a alegria vão-se como o vento, e podem voltar a qualquer momento.

Eu as vezes tenho vontade de voltar, voltar para não sei onde…Só queria ir embora dessa mediocridade que o mundo é hoje em dia, não que antigamente não fosse, mas como falei…Falamos do passado como se fosse perfeição. Precisamos achar um encanto, ter um motivo pra dizer que o mundo já foi algo bonito, mas a verdade é que nunca foi. Vivemos a procura do perfeito que nunca vai existir.

Eu tinha uma imagem da vida totalmente diferente, espero que, além disso, haja alguma coisa que me faça feliz e me encante.

Bárbara Campos
1 compartilhamento

E finalmente, deitada ao som do mar ela descobriu o real motivo para o adormecer de todas as noites.
Como poderia existir esperança se não houvesse outro dia e tudo fosse uma coisa só?
Precisamos dormir para ter esperanças, para existir outra coisa, para aquilo não existir mais. Seja para ter saudade, ou superar.

Bárbara Campos
1 compartilhamento

E ela acreditava que o amor iria além da vida pelo
simples fato de mesmo quando a pessoa morre, o coração continua a bater...

Bárbara Campos
1 compartilhamento

Era o mesmo atraso de sempre. Do medo de se levantar, das idéias que estavam deitadas na cama que são obrigadas a morrer no travesseiro mais uma vez.
Era o medo do amor, daquela dor, se dessa vez ia doer menos, se os pensamentos seriam mais limitados. Dor.
Começaram a ser constantes as noites mal dormidas e as olheiras mostradas aparentavam um sofrimento lastimável.
Mas era um novo dia e a pergunta sempre vinha a tona: será que hoje vou sorrir de verdade?
Fazia tempo que ela não sentira essa sensação

Bárbara Campos
3 compartilhamentos

Quinze e trinta e cinco. Agora quinze e trinta e seis.
Local verde, pessoas passeando, outros andando, outros correndo em busca de uma forma mais leve. Musicas no ouvido e outras na cabeça. No caso de outros, era gente mesmo que se tinha no pensamento, coisas que já aconteceram e outras vezes não.
Beijos não dados, mãos separadas, olhares distantes. Beijos dados, mãos separadas, olhares jamais esquecidos.
E durante todo esse pensamento já se foram mais sete minutos; quinze e quarenta e três.
É uma tarde de outubro, céu nublado, um frio no cangote. E Olivia estava a pensar em um amor. Ela mal sabia, mas era o da sua vida. O que ela sabia é que ele não saia mais da sua cabeça e nada mais era lembrado, a não ser o momento em que eles se conheceram em que os olhos se viram – na verdade se reencontraram e o momento em que o beijo aconteceu.
Olivia o tanto no mundo da lua que sempre fora, agora nem se fala... Já fazia meses que ela só pensava nisso e naquilo outro.
Falando em nisso-naquilo-outro, devo esclarecer que Olivia em cima da toalhinha de piquenique, segurando uma maçã, olhando para o nada e ao mesmo tempo para tudo, parada, ali, como sempre fez, observando as pessoas, estava mais linda do que nunca para os olhos de muitos e principalmente no olhar de amor que Lucas a encontrou.
Se é coincidência eu não sei, destino, talvez. Mas não era a primeira vez isso... Em restaurantes, filas, eles sempre se encontravam e fingiam desencontros.
Lucas estara ao lado da sua irmã, Lúcia, ele estava totalmente perdido, coitado. Ela tinha ido naquele parque para umas fotos com o noivo, e ele foi para ajudá-la. Mas ali, de longe, como falei, ele achou Olivia e o coração dele que estava sem direção se achou.
Olivia como já disse estava olhando-pro-nada-e-tudo, mas depois encontrou com aqueles olhos verdes – ou azuis, ela nunca conseguia desvendar. E se achou, da mesma forma que o coração dele.
Paralisados, olhos envergonhados, apaixonados, sussurros do vento em seus ouvidos. Realmente não consegui contar os minutos ou segundos daquele momento. Estou perdida nas horas depois dessa.
Olivia abaixou a cabeça, o seu coração estava prestes a pular pela boca. Mas ela não agüentou e olhou novamente, e se assustou ao notar que Lucas estava vindo em sua direção.
- Lembra de mim?
- Você de novo com essa história de lembranças? Como eu iria esquecer? Já disse uma vez que lembro.
- É preciso, depois tu esquece assim do nada feito os teus olhos e fico com uma cara de trouxa.
(risos)
- Meus olhos? Hã?
- Nunca notasse o quanto teus olhos viajam? Pois eu já.
- E pra onde eles vão? Tem destino certo?
- Não até você encontrar os meus.
(silêncio)
Lucas pra retirar aquele silencio assustador e duradouro, puxa o assunto novamente e pergunta fracamente
- O que uma menina linda dessas está fazendo aqui sozinha?
- Tu tens um texto na tua vida, NE? Sempre as mesmas perguntas (risos)
(risos)
- Mas é que fico impressionado... Uma menina linda dessas...
- Não estou sozinha, fiz um piquenique com umas amigas, mas elas já foram. Quis ficar um pouco só aqui.
- Então estou atrapalhando tua solidão?
- Tu és o motivo da minha solidão
- Explica
- Não
E o silencio novamente aparece.
Lucas abaixa a cabeça, enxuga os olhos como se houvesse alguma lagrima, se tinha de fato não sei.
- Penso muito em você.
- Penso muito em você
- Bondade minha falar o muito e não o tempo todo
- Bondade minha também.
- Mas e você, Olivia. Como anda a vida?
- Boa, e a tua?
- Boa.
Conversa, vai, conversa vem, silencio vai, silencio vem.
- Você tem lindos olhos
- Mas são castanhos. O que se tem demais? (Diz assustava Olivia.)
- São os mais doces que já vi
(silêncio)
- To sentindo a gente distante e os olhos mais próximos do que nunca.
Lucas se aproxima, alisa o seu rosto, o seu cabelo.
- Eu não consigo mais viver sem tua doçura, pequena
- Quer uma maçã?
- É só isso que você tem a me oferecer?
- Não.
Olivia o beija, Lucas a beija; se beijam. E se beijam muito mais ainda.
- Gosto de músicas de todos os tipos
- Também
- Amo futebol
- Meu Deus, eu também! Sou torcedora fanática!
- Podemos ir a um jogo juntos
- Podemos
A cada segundo eles iam se conhecendo mais e mais. Notavam indiferenças fantásticas e coisas igualmente iguais.
Lucas a puxa
- Para onde tu vai me levar, seu louco?
- Conhecer a minha irmã e o noivo dela
- Que vergonha cara, pare com isso!
- Uma hora isso iria acontecer
Eles se apresentam de mãos dadas. Então Lucia pergunta
- É essa Lucas?
- Exatamente.
Lucas a puxa novamente para perto da igrejinha, compra uma maça do amor tão as pressas que o troco nem volta
- Acho que não vai existir alguém nesse mundo que vai ter amar mais do que eu. Quero ficar contigo pela nossa eternidade, junto. Sem essa distancia que tanto me dói por dentro e fora. Minha vida não tem mais graça sem teu sorriso tímido e loucura no olhar. Quer namorar comigo?
- Fale logo que estou nervoso demais!
- É só isso que você tem a me oferecer? Essa maçã?
- Não (risos)
- Meus olhos podem responder por mim? Provavelmente. Mas falo agora porque minha voz também quer gritar pro mundo que sim! Eu quero meu amor.
Abraços, sorrisos, beijos. Finalmente eles se reencontraram e soltaram aquele sentimento jamais visto. Fora o amor, a saudade era grande. E nem aquela tarde a mataria, era preciso uma vida inteira.

Bárbara Campos
1 compartilhamento

1912

Eram apaixonados como eu nunca vi.

Neste dia estavam á beira do mar de mãos dadas, ela se chamava Bárbara e ele Eduardo.

Confesso que hesitei quando vi, mas logo eu e o mundo que os rodeava notamos que era inevitável aquele amor não acontecer. Sempre esteve nos dois corações aquele sentimento, e aos poucos eles iam se tornando romance, dia a dia, companhia, sorrisos, cartas…

O primeiro beijo aconteceu, quando eles se olharam nos olhos fixamente. O ego deles se cruzavam de qualquer forma. Era como se os dois fossem um só. Daí não parou mais, não se largaram um minuto. Muitos beijinhos, abraços, sorrisos, lágrimas, briguinhas, voltas.

Eles já sabiam mesmo sem saber a importância e o tamanho daquele sentimento.

No primeiro mês de namoro Eduardo deu uma rosa que prendia no cabelo – que combinava com seus vestidinhos que ela tanto amava de bolinhas -, no segundo foi um perfume, no terceiro confesso que não sei, mas acho que uma rosa e um perfume.

Só tinham quinze anos, e com o tempo os pais de ambos foram se acostumando com a ideia.

Passou-se sete anos, Eduardo a pediu em casamento. Casaram-se na igrejinha com poucos convidados e os trajes mais lindos da época. Bárbara estava impecável com o seu vestido de noiva com uma cauda enorme e uma simplicidade ao mesmo tempo.

Jogou-se o buquê, brindes, valsas, e tudo que se tem direito.

A lua de mel foi no estrangeiro, na Europa. Passaram por lá algumas semanas. A volta foi triste. Queriam para sempre aquele lugar apaixonante. Mas então voltaram para o Brasil, mas especificamente, Recife.

E continuava com aquele clima romântico, afinal… O amor e a cidade ajudavam.

Todo dia, o dia novo que vinha, era a melhor fase do casal, sempre melhorava aquele romance, o dia seguinte sempre era melhor que o passado. Era tudo demais, feliz demais. Triste demais nos dias de brigas, normal.

No dia 31 de julho, Eduardo sofreu um acidente.

Bárbara não sabia o que fazer naqueles dias conturbados no hospital, ela rezava a cada segundo, beijava a testa do seu amado, rezava novamente, chorava no ombro se deus amigos e familiares. Eis que sete de agosto, sete dias depois do seu acidente… Eduardo faleceu. E bárbara foi junto a ele. Não no corpo, mas na alma. Ela passou dois anos não vividos. Ela não sabia mais quem era, só vivia do passado.

O cemitério por algum tempo tornou-se seu lar. Lembro de uma vez que ela chegou a deixar no caixão a flor do seu cabelo – do primeiro mês de namoro –

Passou a desacreditar de Deus por alguns meses. Depois, voltou a acreditar. E a partir daí mudou.

Ela saiu e foi viver, viveu. Teve outros amores, casos. Viveu feliz com a família – que aos poucos também iam partindo – e com seus amigos – que também alguns partiriam antes dela – não que ela não fizesse isso, pelo contrário. Bárbara e Eduardo eram extremamente ligados as suas famílias e amigos. O amor deles não só juntava os dois, e sim as pessoas.

Ela viveu, diga-se de passagem. Não um viver bem, mas um viver vivido apesar de tudo. Sempre faltava um pedaço nela, um pedaço de terra, de pessoa, de amor. Tudo fazia falta, tudo. Ela não tinha filhos com Eduardo, não tinha nada. Só as fotografias de momentos inesquecíveis.

2010

Bárbara é o seu nome. Menina feliz, com uma família maravilhosa, amigos bons.

Ela é de recife, ama a cidade e o pessoal de lá. Mas as vezes não se sente totalmente ‘em casa’ falta um pedaço nela que Bárbara não fazia ideia de onde vinha.

De vez ou outra ela ia no recife antigo e chorava, chorava sem parar. Múrmuros de choros.

Na praia, ainda era pior. Eram lembranças que ela não conseguia ver ou saber, mas sentia.

Dia oito de agosto, ela estava perto do mar, sentada e chorando muito.

Do nada, apareceu um menino aparentemente da sua idade – 15 – e lhe deu uma rosa e disse:

- E a historia não recomeça, ela continua. E cada vez mais linda e eterna.

Bárbara sem entender nada, diz

- Hã? Desculpa, não to entendendo.

O menino riu

- Eu também não entendi, saiu do nada. Você ta chorando, me doeu te ver assim, mesmo sem te conhecer. Quer um presente?

Bárbara riu

- Não precisa, mas obrigada pelas palavras.

- Eu faço questão, tome essa flor.

- Nossa, que linda! Obrigada.

- Mas olha, é pra por no cabelo, é uma flor de vida, mas com um tick - ou sei lá o nome – atrás dele que tu coloca na cabeça.

- Ammmmmmmm, (risos) pronto. Que engraçado, onde comprasse isso?

- Ficou linda, e combinou muito com sua blusa de bolinhas. Achei aqui no chão. Não vai deixar de aceitar não, ne?

- (risos) claro que não! E qual seu nome?

- Eduardo. E o seu?

- Bárbara.

Os dois paralisara por três segundos.

- Que fofa! E que bom que suas lágrimas sumiram

- (risos) É… É como se eu tivesse achado a minha casa, o meu porto seguro.

- Agora quem não entendeu fui eu.

- Talvez eu também não.

Os dois sorriram.

E dessa vez os dias sete, os momentos sete, setenta, dezessete, nada atrapalhou. Foi para sempre, e olhe que dizem que isto de eterno não existe. Mas para aqueles dois irá existir. E vai ser sempre como se fosse o primeiro e eterno amor.

E sim, eles não se perderam um do outro.

Agora, anos depois. Ambos já adultos… Possuem dois filhos. Um menino e uma menina. Deixaram na vida uma raiz.

E no momento em que eles partirem, vão partir de um jeito totalmente deles.

Bárbara Campos
1 compartilhamento

Começo já me perdoando pela repetição de palavras, mas é que entre essa história, rodou o tudo em uma coisa só. O amor, o olhar.

Foi um romance aparentemente eterno. Um amor jamais imaginado, na cabeça dela. Na dele confesso que não sei, mas o seu olhar dizia por qualquer palavra.

Eduarda era daquelas meninas desapaixonadas, que não gostava do amor, fazia de tudo um pouco para dizer que não amava a ninguém.

Gustavo era daqueles de rosas, poemas e romantismo. Só faltava realmente a coragem.

Eduarda sonhou com ele, Gustavo já pensava nela. No outro dia, quando ela o notou, lembrou do sonho… Que eles diziam que iam ficar juntos. Na mesma hora ela se apaixonou por aquele novo amor. Mas dessa vez – como sempre – maior do que todos.

Eram pensamentos da parte de Eduarda, musicas, coisas que ela escrevia sem parar…

Não sei de fato se foi uma forma dela encontrar uma razão para a vida criar uma felicidade, ou foi realmente algo inexplicável.

Só sei que ela não parava de pensar nele um minuto sequer, e ele sempre vinha em seus sonhos dizer tudo o que ela sonhava.

Todos os dias, o momento mais feliz era aquele em que eles se viam, e em que seus olhinhos brilhavam e o sorriso no cantinho da boca aparecia.

O encontro aconteceu, mas nada aconteceu. Mas ficaram esperanças altas no ar, iria acontecer algo.

E nesse lenga-lenga, passou-se um ano. Quando chegou o tal 2010, Eduarda estava cheia de esperanças, cheia de amor. Mas ai é que tá, o ano chegou levando tudo… Até os sentimentos. E a partir do momento que eles se conheceram, o amor saiu por ai… Vagando pelas ruas do Recife. O problema de Eduarda era que a partir do momento que ela conhecia a pessoa, ela via que não existia aquela perfeição toda. E mesmo dizendo amar o imperfeito, no fundo… Aquela doçura do romantismo que sim existia nela falava mais alto. Já Gustavo, se mostrou uma pessoa fria por fora, mas Eduarda sabia muito bem que ele não era nada disso. Ela via em seus olhos. E Gustavo também sabia muito de Eduarda, sabia que ela não era nada disso aparentemente mostrado.

Acabou. Não existe nada mais triste do que um amor assim acabar. E acabar do nada, da mesma forma que começou. Os olhares não mais se encontram não se tem a melodia das notas iguais. Nada, o tudo virou nada.

Agora Eduarda voltou a ser aquela desapaixona de sempre, nunca mais gostara de alguém. Ela dizia que tinha descoberto o amor verdadeiro, e agora seria difícil de interessar por alguém, nada se comparava… Mesmo sem mais sentir.

Já Gustavo continuava com sua capa por fora. E foi embora, longe dela… Para nunca mais voltar.

Bárbara Campos
1 compartilhamento

Perdeu, do verbo perder. O perder sem ter volta, sem uma segunda chance, nem ao menos sequer uma despedida, um adeus. Aquele perder das mãos, sem sentir, sem poder tocar. Aquele caminho todo traçado se apagou, morreu com você. A estrada que ia ser percorrida acabou antes do que todos nós imaginávamos. E sabe o que é pior? Eu imaginava, no fundo eu sentia, era um aviso.

Não sei de fato a hora e o momento, mas sinto o agora, o meu sofrer por Pablo… Ele estava a se sentir sem chão, ninguém merecia tal dor. E agora é necessário falar no plural, não só por ele, mas por Carolina… Não quero que ambos se sintam incapazes de nada, vocês são capazes de tudo. E se foi assim, tinha que ser. Esse sofrimento nunca vai morrer, mas um dia vai virar musica, e todos vão cantar conosco aquela melodia sem essa vontade louca de morrer, de largar tudo por ela. Nada vai vira pó, principalmente o sentimento. Existem pessoas que não merecem a vida, são almas boas demais para este mundo mau.

Eu só estou tentando jogar meus sentimentos nas palavras, e os seus também.

Se você tinha um chão, tenho certeza que ele caiu. Mas ora… Quantas vezes você já foi derrubado pela vida? Dessa vez a vida morreu, mas nunca dentro de você.

Pablo e Carolina são nomes fictícios. (homenagem ao meu professor Márcio, que infelizmente a sua mulher perdeu o bebê)

Bárbara Campos
2 compartilhamentos

Latina, brasileira, recifense, pernambucana.
Sonhadora... Apaixonada pela fotografia, por escrever e pela música. De mim, é o que sei.

Bárbara Campos
2 compartilhamentos

Fez-se um nó no meu coração e nas minhas palavras. E cá estou eu, tentando desenrolar meus sentimentos.

Bárbara Campos
2 compartilhamentos

Lágrimas, acontecimentos da sua vida, fotografias sem envelhecer... Vez ou outra noto que muitas pessoas se preocupam com o externo, o outro, a opinião deles, e acabam esquecendo do seu eu.
Eu só queria os tempos de ontem no hoje
Eu só queria que não fizessem por mim o que eu posso fazer
Eu só queria as pessoas com preocupações da vida, e não com o trabalho sendo vida.
E eu fico aqui com o meu queria... Vivendo um presente e um futuro, mas na realidade querendo um passado.

Bárbara Campos
2 compartilhamentos