Warley Tomáz

126 - 150 do total de 183 pensamentos de Warley Tomáz

Possibilidade Poética

Sou um pássaro de asas saradas,
da gaiola não mais prisioneiro,
não mais o horizonte finito e traçado
por verticalidades que não me elevam,
não me levam a lugar algum.
Não me impeça de voar!
E subirei... subirei ao mais longínquo de meus sonhos
e desejos mais sutis,
às mais poéticas paisagens do espírito livre.
E, quando entre as cores anis,
perceber que Deus me sorri gostosamente,
compreenderei que o mistério que a toda vida envolve
não me é mais temerosa,
livre, enfim, serei.

Warley Tomáz
Inserida por warleywaf

Ofegância

Busco no silêncio os seus passos;
algum sinal que me amanse a respiração...
O coração segue um pulsar apressado,
rompendo os limites do espaço,
num abraço que não se cumpriu.
E na noite, porém, meu desejo
desprezo no sono que vem
e o silêncio que outrora aguardara,
rompido apenas pelos entrecortes de ar nos pulmões,
se consente à mudez dos sentimentos adormecidos
em um canto qualquer do meu leito noturno.

Warley Tomáz
Inserida por warleywaf

Anoiteço-me. Sem o ébrio lunar, apenas o infinito apetece a minha sede.

Warley Tomáz

Pecado original

Foi-me dito em minha infância sobre um tal pecado original. Mas criança que eu era e, antes disso, ainda no regaço de minha mãe, inocente, puro, indefeso, como ser portador de um pecado? Nascer pecador, eu, que sem consciência de mim nada sabia e tudo ignorava a não ser os seios que me amamentaram?!

Os anos correram ligeiro, a criança adolesceu para o mundo. E continuava sem entender o porquê do pecado. E, se nos primórdios, o pai e mãe original pecaram por degustar um fruto proibido plantado no paraíso, diga-me, porque diabos a sua árvore estava plantada no paraíso, com o selo de interdição? Seria melhor Deus não a ter plantado... E que diabos, o diabo fazia no paraíso?

O menino cresceu. Tornou-se um homem. Um homem não feito. Porque este menino-homem é um homem de incertezas. O pecado original não o aflige, ignora-o. Os outros pecados, igualmente, recebem o mesmo descrédito. O amor. Apenas o amor é originariamente necessário, magnânimo. A sua falta é uma falta verdadeira.

O homem de incertezas não se apoia em conceitos absolutos. Duvida das verdades doutrinárias e da mediocridade humana, começando por si próprio. Duvida de suas posições contra a natureza do ser, duvida de suas investidas contra o que lhe é mais humano: o desejo, a dor, o prazer e o sofrimento.

A certeza habita apenas o epílogo da morte. Entretanto, a morte não lhe é estranha. Acolhe-a como o pobrezinho de Assis, com familiaridade. A morte que não nos vem por causa do pecado. Mas, porque nos intervalos entre a vida, nascemos e morremos.

O pecado original de Adão e Eva não me importa e, ouso mais, meu Deus, porque se Você morreu por meu pecado, pelo pecado da humanidade passada, presente e futura, é necessário comunicar-lhe que as pessoas cá embaixo continuam desamando-se uns aos outros.

Se se compreende que pela falta do amor entre seus semelhantes, mataram-Lhe, verifico que, na ausência de um amor mais socialmente integrado entre os seres humanos, (com menos apetrechos legalistas e mestres déspotas das fés), nossa racionalidade e emocionalidade se descaminham e se extinguem em um inferno geográfico.
Pecado original...

Warley Tomáz
Inserida por warleywaf
1 compartilhamento

Amizades

O verbo amar conjuga a vida
e dos amores que a vida traz,
a cumplicidade de um amigo
nenhum amor se iguala,
nenhum amante segreda.

Amizades que crescem na simpatia espontânea
no primeiro dia de aula, da primeira infância.
E envelhecem juntas até a hora derradeira.

Um amigo querido que a inevitabilidade da morte
acolhe em seu manto de mistério,
sem ao menos nos permitir um último adeus...
Um amor dolorido por sentimentos
engasgados na garganta.
Tamanha a dor.

Amizades seladas por laços sanguíneos.
Um irmão que se faz grande amigo.
Um amigo que antecede o irmão.

Um amigo, uma amiga que chegam ao acaso
e em pouco ocupam as mais deliciosas lembranças.
Amigos de conversas noite adentro,
de madrugadas até a aurora.
Amigos para se permitir adentrar a casa
sem bater à porta,
abrir a geladeira sem permissão e acordar assustadoramente às onze da manhã.

Amizades que escondem uma paixão, um beijo desejado.
Um beijo bem dado, talvez... por que não?!
Amores que em amizade se fundem, confundem-se.

O amigo que o tempo e o distanciamento enuviaram,
e um dia, quem sabe, tropeçaremos, um e outro,
em uma rua qualquer, em qualquer lugar do globo.
O amigo que parece esquecer-se de mim,
quando na verdade, aguarda-me ansioso para o abraço.

Amizades que me ensinam, me apaixonam pela vida.
Amizades que me salvam não uma única vez,
mas quase todos os dias.
Amizades que guardam consigo metades de mim.

Warley Tomáz
Inserida por warleywaf
1 compartilhamento

Empatias apáticas

Nublei-me... como nublado o céu se acinzenta.
Acinzentado de névoas meu coração primaveril.
Não quero presenças. Não quero amigos. Não quero a mim.
Mas a mim não posso dispersar-me. Impossível.
E ao quarto me tranco na falsa sensação de estar só.
Enquanto a mente permanece aberta a gritar seus palavrões.
Pressão. Indisposição. Empatias apáticas.
Chega!
Quero respirar fundo até sentir vertigem.
Um abraço bem apertado que estrale uma vértebra lombar.
Um beijo, se não for pedir demais.
Um silêncio que me diga algo sem nada dizer.
Eu quero empatia.

Warley Tomáz
Inserida por warleywaf

Sacrilégios

Não me importa um Deus todo poderoso
reinante glorioso em algum lugar...
A minha fé é rica em dúvidas,
ilusão e utopias.
E cá, neste mundo insano, padeço existência.
Sofro o sentimento de tantos amores
sacrilegiados pelos deuses.
Enquanto que em minha irrelevância
frente à magnificência do universo,
de Deus me basta saber
que seja amor.

Warley Tomáz
Inserida por warleywaf

Desentendido

Vá para o inferno!
Escondida com a raiva,
palavras de amor.

Warley Tomáz
Inserida por warleywaf

Profundo silêncio se fez

Eram migrantes, não havia lugar para eles nas moradas de Belém.
Buscavam refúgio para a criancinha que iria nascer.
Nasceu-nos um Menino!
Profundo silêncio se fez.
Uma multidão de anjos vem adorá-lo
ou seriam a multidão de imigrantes
que não encontraram lugar em outra Belém?
Profundo silêncio se fez.
Veio Deus feito menino,
brincar com a humanidade.
Deus menino veio ser gente simples.
Despojado como criança que se lança nos braços firmes do pai
ou no colo seguro da mãe,
lançou-se nos braços frágeis da humanidade.
Profundo silêncio se fez.

Warley Tomáz
Inserida por warleywaf

Solitárias e Solidões

Na pequena cidade, no silêncio noturno e pacato,
quase fantasmagórico e solitário de suas ruas,
não há quem caminhe por entre elas,
cada qual se refugia entre os seus muros de concreto.
Solitária condição fortuita ou não,
as pessoas vão-se embora, migram pelo mundo a procura de si.
Vilas de campos verdes e pastos,
de fortalezas-morros e estradas curvilíneas,
habitados pela simpatia de seus concidadãos,
uma hospitalidade com aroma de café,
solidões acompanhadas de broas e pães de queijo.
Solitárias são as margens de rios que secam aos poucos,
que surpreende um filho que outrora não alcançava as suas ‘funduras’.
Solidões somos muitas entre as matas, o canto do canário, a chuva fininha a cair.
História e sabores das Minas em mim veladas pelas areias do tempo em nós.

Warley Tomáz
Inserida por warleywaf

Alada Rebeldia

Deixe para mim uma janela aberta,
não te preocupe com a porta fechada.
Não terei prazo para entrar ou sair por ela.
Se me amas, peço apenas que eu seja livre para partir.
Se me amas, teus calorosos sentimentos deixarão rastros caso eu me perca de mim,
ajudando-me a recompor o meu ser,
e então, nos encontraremos em algum momento no tempo,
envoltos em saudades.
Pois quando me encontro nos horizontes da tua saudade,
vejo-me como o amante inalcançado, um fato não consumado.
Deixe para mim a janela aberta,
que a minha alada rebeldia tem nomes,
e a quem queira saber,
chamam-lhe amor e liberdade.

Warley Tomáz
Inserida por warleywaf

Dogmas e poesias

O céu é um lugar chato, disse um dia o Rubem...
É, também acho – diria a ele.
Um lugar monótono.
O que eu quero é a terra,
a música que arrepia a pele,
o sabor da comida de mãezinha,
a excitação gostosa do corpo alheio,
o aroma úmido do solo regado pelas chuvas,
e a sofrença do amante de alguém.
Devolvam a Deus o humor que lhe é bendito,
o seu deleite sobre a criação.
E que não se faça Dele as rubricas dogmáticas nossas...
Nem me falem com horror da monotonia do céu ou das diabruras do inferno
porque não quero dogmas, quero poesias.

Warley Tomáz
Inserida por warleywaf

Um outro que não eu

Um outro que não eu passou por mim,
ligeiro como a fase de uma lua.
Foi quando percebi o ar bucólico.
Apercebi-me numa fragrância de pinheiros
quando esse outro que não eu passou por mim.
Brincava com as palavras, a falar de céu e de terra
como quem fala da vida ou da lida com a mesma leveza na voz.
E então, passou por mim, abraçou-me e foi-se embora.
Saberás por ventura, que meus olhos brilhavam silenciosos e risonhos
quando tu, este outro, exalava as suas palavras?

Warley Tomáz
Inserida por warleywaf

Coroação

Mês de maio. Em muitas igrejas, ao final da missa se faz uma homenagem a Maria. Coroação. Uma pequena trupe infantil vestida de anjinhos entram cantando um canto antigo até o altar montado para o momento. A imagem da santa fica no topo e os anjinhos se colocam em volta. De par em par, vão cantando suas estrofes e em seguida, depositam um símbolo: flores, um coração, um véu (se for mulher) e a coroa na imagem da santa ou do santo homenageados.

Na minha infância em Coroaci, fiz muitas coroações de Nossa Senhora, do Sagrado Coração de Jesus e da Senhora Santana, a padroeira. Dona Nigrinha organizava as coroações, preparava e ensaiava as crianças. Em todas elas, dona Nigrinha me encarrega sempre das flores ou do coração. Nunca depositei a coroa... será que pequei, tão criança que eu era, por querer demais algo assim? Mas também nunca pedi para mim a função de coroar. Se eu voltasse no tempo e tivesse a chance de falar sobre isso com o menino que fui, diria a ele – eu – que no futuro me sentiria muito orgulhoso por sempre depositar flores e o coração nas imagens dos santos naquelas coroações.

E diria mais a mim mesmo, diria que as flores me trazem à memória a beleza e a arte. E que o coração traz vida aos meus desejos e amores. Poderíamos ofertar mais? A beleza e a arte; o desejo e o amor é o que impulsiona a nossa humanidade para o futuro, marcas de nossa efêmera existência sobre a Terra.

Warley Tomáz
Inserida por warleywaf
1 compartilhamento

Aos poucos, pessoas e personagens que enriqueceram de sorrisos a minha infância e de toda uma geração se despedem, deixando-nos imersos na nostalgia de um tempo que não voltará...

Warley Tomáz
Inserida por warleywaf

Credo

Creio em Deus Pai Todo-poderoso...
– Não. Não me importa a potência divina,
aliás, creio que Deus não carece de tal afirmação.
Sigamos. Criador do céu e da terra...
– Empiricamente falando?!
E em Jesus Cristo, nosso Senhor...
– Olha, o sistema de vassalagem faliu há séculos,
esse Jesus entendo melhor como aquele menino arteiro de Alberto Caeiro.
Que foi concebido pelo Espírito Santo. Nasceu da virgem Maria...
– Será que ela... digo... hã, pra que tanta medicalização da sexualidade?
Padeceu sob Pôncio Pilatos.
Foi crucificado, morto. Sepultado.
Desceu à mansão dos mortos. Ressuscitou no terceiro dia.
Subiu aos céus. E está sentado à direita de Deus Pai...
– Arreparando bem, são jogos de linguagem bem articulados, não é verdade?!
Donde há de vir para julgar vivos e mortos...
– Cansei-me de julgamentos, cumpadre. Do inferno e do céu também.
Acho que cada um deveria cuidar da sua vida ao invés de vestir uma toga no Deus e lhe conferir as desgracenças eternas do julgamento.
Creio no Espírito Santo. Na santa Igreja católica...
– Hã? Nada não. Pensei alto...
Na comunhão dos...
Antes que todos concluíssem com o “amém”, encontrava-se ele fora do templo, sentado no sexto degrau que leva ao coreto, rezando a poesia de Caeiro.

Warley Tomáz
Inserida por warleywaf
1 compartilhamento

Refração

...E quando, por ventura,
eu não me reconhecer
no mesmo espelho em que me vejo,
surpreenda-me;
olhos vedados por suas mãos.
Irei tatear a sonoridade de sua voz
até encontrar os contornos de seu rosto.
O sorriso seu, escancarado,
que me desperta uma quietude indefinida,
despertará segundos de paixão,
uma imagem refletida em meus sonhos sem nenhum pudor.
Ainda que imagem refratada na distorção do meu querer.

Warley Tomáz
Inserida por warleywaf

Miudezas

Meu amor é um pássaro pequeno, daqueles miudinhos,
voa e pousa em qualquer lugar,
sem pressa e ambição alguma de ficar.
Um dia encontrei um amor, ele não me devolveu minha beleza.
A melodia que cantava, com o tempo,
entristeceu por ficar num mesmo canto.
Meu amor, esse pássaro pequeno, muitos desejaram deformar,
transformar,
reformar.
A miudeza era feiura. Não era beleza.
Não entenderam que feiura e beleza são aspectos da mesma arte.
Eu, porém, sou poeta dos contrários,
profeta dos caminhos tortos.
Sou um amante de miudezas.
Que a primavera me assopre seus ventos,
aromas diversos de amores,
eu irei.
Meu amor. Adeus.

Warley Tomáz
Inserida por warleywaf

O teu silêncio

O teu silêncio me ensurdece de saudade.
A memória insiste no perfume de instantes
abreviados por uma fronteira que nunca existiu.
E quanto a mim, perdido estou em sonhos flutuantes,
recostado à cabeceira, numa noite de lua minguante.
Meu coração míngua também, ele apequena
e a saudade só aumenta.
O teu silêncio, eu quereria no instante de um abraço.
Mas o silêncio é a presença de tua ausência.
E eu nada poderei.

Warley Tomáz
Inserida por warleywaf

Novembrosas

Desce o poente entardecido por novembrosas precipitações.
E impotente se afiguram as palavras benfazejas que renovam a esperança
ao aterrado desconsolo de minh’alma desarmada, desamada, talvez.
Queira morrer-me um pouco mais por esta noite,
absorto em fantasmagorias da religião.
Se em tua taça houver um pouco mais que amargor,
oferece-a à insaciedade de minha sede.
Abranda a secura que me aflige.
E, incauto, vem tragar minha paixão
no poente infindo em que vivi.

Warley Tomáz
Inserida por warleywaf

Vinte e nove

Fui encontrar-me a mim
em um encontro atemporal,
numa estação sem plataformas,
em meu terreno sem local.
O eu que era e agora jaz
e o eu que aqui se faz.
Passado e presente diante de si,
sem quaisquer dizeres, apenas um encontro de olhares.
Quanto daquele me pertence ainda ser
e quanto de mim se perdeu comigo?
Vi descer uma criança em corpo de homem feito.
Trazia fogo nos olhos e sonhos no andar.
Não hei de afirmar que hesitou ao me ver amarrotado,
de sonhos torcidos como as roupas de lavadeiras de rio.
Apenas um reencontro de olhares,
uma parada prévia para um café sem prosa
e o abraço íntimo entre um homem e um menino
que ‘sendo’ me sonham seguir.

Warley Tomáz
Inserida por warleywaf

Saudade e carestia

No amor há sempre uma saudade.
Carestia do ato de amar.
Se se está perto, saudade na distância que há na proximidade.
Uma distância voraz incessante.
Se longe, saudade da contemplação,
saudade da consumação de corpos na unidade,
abreviação da distância insistente.
No amor há sempre uma saudade e carestia,
um querer a mais,
um querer...
mais.

Warley Tomáz
Inserida por warleywaf

O corpo nu

Ofendem-se com a corporeidade.
A carne, temerária, é algo a ser evitado.
O nu não me reflete o sofrimento humano,
a transparência do meu coração.
O nu, dizem, denota a exacerbação do desejo.
E desejar é perigoso,
faz do corpo ocupações de afeto:
alguém que abraça
e que beija.
A religião se esqueceu do corpo,
preocupada que estava com a saúde d’alma.
Protegida em suas indumentárias.
Olvidam-se que a primeira circunstância para amar
o corpo materializa.
Mas num mundo de corporeidades alienadas
o nu é subversão.
Cubra-te, pois, ó Cristo, a carne crua.

Warley Tomáz
Inserida por warleywaf

Sagração

Era uma tarde chuvosa de fevereiro,
a janela aberta revelava um céu alvacento
enquanto escutava melodias suaves de piano e flauta.
Uma poetisa apareceu-me de repente. Uma senhora nascida num final de primavera.
Conversamos. Ela declamou-me poesias e, como mágica, as palavras tinham cores e sons.
Eu disse a ela que seus versos me falavam de Deus. Confessei-lhe também que a poesia é mais redentora que os dogmas da religião.
A senhora sorriu um sorriso interrogador aguardando a minha explicação.
Respondi que os dogmas são sempre certeiros. Infalíveis. Escritos por teólogos que sabem definir o Mistério.
A poesia não. A poesia não define o Mistério, a poesia o torna sagrado. E em seguida o lança nos ares do imaginário.
Os teólogos sangram a vida com preceitos. Os poetas, ah, os poetas sagram a vida que o teólogo sangrou.
Então a senhora dos versos sagrados se lançou no desconhecido de minhas próprias palavras e desapareceu.

Warley Tomáz
Inserida por warleywaf

Meu Emaús

Quando criança amava um Deus metafísico
como um filho ama ao pai.
Cresci. Amei o Cristo.
Mas lhe amei como um súdito a seu rei.
Agora, no desabrochar de minha juventude,
na minha vadiagem piedosa
e na minha viadagem altruísta,
amei a Deus como homem,
amo o Cristo como quem ama
um homem.

Warley Tomáz
Inserida por warleywaf