Thaís Duran

Encontrados 11 pensamentos de Thaís Duran

Sobre o chão cinza
Cantamos e dançamos,
Viramos e bebemos,
falamos e aspiramos
O ar velho e carregado que nos acompanha.

Não me peça desculpas,
Não me traga as fagulhas de sua ignorância,
Meu olhar não te pertence,
meu amor você não sente
porque já foi....
Já foi,
mesmo assim,
tão rente!

Thaís Duran
Inserida por thaisduran

Não fale nada!
É só um pensamento meu...
Faz tempo que não escrevo, mas hoje
Hoje eu preciso escrever.
Tantas coisas têm acontecido
Nunca mais escrevi
Deixei pra trás todas as idéias.
Idéias se vão, se evaporam
palavras ou vento...
Mas a mente não pára
Palavras a mim e ao vento, ao tempo
Mas elas se perdem, se perderam.
Faz tanto tempo....
Faz tanto tempo que eu queria escrever
uma palavra, uma canção.
Elas se perderam... as palavras!
O vento as levou para longe de mim
O vento muda o sentido
As fez voar para outro lado, numa outra direção.
Ele, o vento, as trouxe de volta,
as palavras, para mim.
O vento que rápido destrói
que intenso deturpa,
que rodopiando machuca,
que calmo, refresca, acalma, agrada....
O vento me faz um carinho
Me dá um ninho,
Me dá a palavra.
O vento sou EU!
Talvez eu não me queira,
talvez eu não me sinta...
O Vento!

Thaís Duran
Inserida por thaisduran

Não! Não!
Não pode falar palavrão
Não pode gargalhar
Por o pé no chão
Filosofar
Não preciso dos seus modos
Nem das suas regras
Do seu jeito tosco
Porque eu gosto mesmo
Do burburinho da multidão
De ficar descalça e soltar um palavrão
De gente que ri e se abraça
De gente quente
De gente!!!
Sem modos, sem regras
De gente que arde
De gente que sente!
Não preciso da sua hipocrisia
Só preciso dessa gente
Só preciso amar, amar e cantar

Thaís Duran
Inserida por thaisduran

Hoje vou sair sozinha
Vou dançar até morrer
Hoje vou ficar na minha
Hoje eu quero enlouquecer
Hoje eu quero alegria
Capoeira, sexta-feira
Eu vou ver raiar o dia
Acabar com a calmaria
Hoje eu vou ficar sozinha
Hoje eu vou sair da minha

Thaís Duran

Sinto em você cores astrais
Nesse vago, lento, denso corpo
febre, frágil corpo... são!

Vejo em você versos a mais
Mas conheço, quero, luto,
nego tudo, leve, verso... não!

Você me conhece
E eu... ilusão!
Você reconhece
E eu... solidão!

Sinto em você versos astrais
Nesse lento, denso, vago corpo,
frágil febre... não!

Vejo em você cores a mais
À medida que o tempo passa,
versos, sonhos... vão!

Mas conheço, nego, quero tudo leve,
verso, luto.... são!

Thaís Duran
Inserida por thaisduran

Mudanças na vida
Tudo ao mesmo tempo
Agora!
Cama, coisas, carro
Casa nova!
Todos se movimentam
Felizes daqueles que têm amigos e
São amados apesar do que são!

Cachaça da branca
Dias e noites sem fim
Padaria, cachorros
Uma gelada ás 10h da manhã
Amizades instantâneas

A metrópole parece-me o interior
e a nostalgia dá um nó na alma
e no coração.

Thaís Duran
Inserida por thaisduran

Branco, puro
Sujo pranto
Lindo, grande
Antes sinto
Sangue puro
Amargo e sujo
Antes, pranto
Risos brancos
Dor de cabeça
Dor no corpo
Na consciência

Thaís Duran
Inserida por thaisduran

Psicologia
Aqui estou numa discussão
Dos sentidos e significados
Sentindo o significado do momento.
Dentro dessa discussão da materialidade discutível
Do indiscutível sentido
Não paro para pensar!!
Sinto, sinto.... o material.

Ao léo, o princípio de tudo
É o fim do começo.
Divago sobre assuntos
Aproprio-me da discussão,
Envolvo-me??
Sem querer é minha, é árdua...
A louca apropriação da realidade.
Novamente, aqui..
É o meu significado,
encontro-me nas teorias e compreendo
De maneira incompreendida.

Mais um papagaio??
Ouço... Não sou... Sou livre...
Aqui estou:
Apreciando, ouvindo e incompreendendo!

Thaís Duran
Inserida por thaisduran

domingo
O pequeno homem caido no chão
No tapete ele dorme
Cansou sua mão
Tocou, tocou... dormiu
O violão trocou de mão
O teclado funciona!
Violão, tapete, carron, pastas
e o pequeno homem no chão
O teclado funciona!
Voz e som.... medo...
Teatro, música, poesia...
Nada dito
nada combinado
Nunca aos domingos...
Já é segunda!

Thaís Duran
Inserida por thaisduran

Frio na barriga, coração na boca
Noite intensa, lagartas na parede, "piripaques"
Coração, loucura, na boca intensa,
nas pernas e barriga trêmulas...
Sonho, imagens...
É um extra-terrestre?
ET ET
ET dos meus sonhos.
És real?
Espero ansiosamente que abra os olhos,
abra os braços e a mente!
És real?
Espero-te entre os "piripaques"...
Na parede, coração louco como lagarta entre as pernas
na boca...
trêmula barriga.....
Ainda te espero na insana perna que treme
com imagens entre o coração e a mente.

Thaís Duran
Inserida por thaisduran

Eu sou o que nunca serei
Não tenho nada que seja meu
Minha vida atrasei
E hoje vivo nesse breu
Essa casa não é minha
Não tenho nada, nem ninguém
Só tenho a mente que aporrinha
O meu espaço e meu além
Perto das artes e longe das formas
Fácil pegar, difícil amar
Me procuro nesse breu
Nesse nada, nessa casa
Nessa sala, nessa vala
Na vida atrasada
Só procuro o meu eu

Mente, nada, breu, além
Espaço, nunca, vida
Sem, nada, tudo, o que e à quem?
Amor, arte, forma...
A dor, parte, goza...
Pra quem??

Thaís Duran
Inserida por thaisduran