Ricardo Cardoso

26 - 50 do total de 44 pensamentos de Ricardo Cardoso

De corpo e alma

Atirei-me em seus braços,
Sem medo,
Sem culpa,
De corpo,
E alma

Atirei-me em sua cama,
Sem medo,
Sem culpa,
De corpo,
E alma

Atrei-me em sua vida,
Com medo,
Com culpa,
De corpo,
E alma

Joguei tudo pro alto,
Com medo,
Com culpa,
Sem corpo,
Sem alma

Atiri-me em seus braços,
Sem medo,
Sem culpa,
De corpo,
E alma!

Ricardo Cardoso

Ricardo Cardoso
Inserida por anajalloul

Meus Medos
Hoje sonhei com o eu criança
Quando diante de um perigo, eu os enfrentava
Arriscava-me muito, me machucava muito
Mas no dia seguinte, arriscava novamente até conseguir meus objetivos
Mas meus medos, eu os enfrentava
“Lembro-me eu em cima de uma árvore, o qual o galho quebrou, agarrei um fino galho, gritava por ajuda, mas não havia ninguém, pensei, se me soltar posso até quebrar a perna ou morrer, então analisei tudo ao meu redor, quais as possibilidades que eu tinha, percebi que havia um galho forte uns quarenta centímetros para que eu o alcançasse com as pernas, e então enfrentei meu medo e me balancei, na terceira tentativa, alcancei e travei as pernas no galho e soltei as mãos, assim conseguindo descer da árvore.”
“Era só uma brincadeira de criança, escalar uma árvore”
Quando adultos, ficamos medrosos, não nos arriscamos tanto
Mas sempre me lembro da árvore e procuro enfrentar os meus medos
Mas esqueço-me o quanto eu arriscava, o quanto tentava até conseguir meus objetivos
Hoje, aquela criança corajosa me despertou
Vou arriscar mais, vou viver mais, vou enfrentar todos os meus medos
Vou reprogramar minha mente, vou ser o eu criança
Vou olhar todas as possibilidades e se me machucar hoje, amanhã tento de novo, até conseguir meus objetivos...
(Ricardo Cardoso)

Ricardo Cardoso
Inserida por ricardo_cardoso
1 compartilhamento

O Menino a Mãe e o Radio
O menino que adorava ouvir rádio com sua mãe, era um radio de madeira com um passarinho e as letras ABC Voz de Ouro, era grande e demorava ligar e ficava em cima de um móvel na cozinha onde a mãe costumava passar horas ouvindo, o menino ficava ao lado de sua mãe observando ela cantar junto com o radio, o menino ficava vendo a mãe cozinhar, lavar roupas e limpar a casa, mas sempre ouvindo radio, ele adorava ver sua mãe cantar com seu olhar fraterno ensinando com muita paciência todos os deveres da casa, ele a acompanhava de mãos dadas em todos os lugares que costumavam ir e sempre ouvindo os conselhos e ensinamentos de comportamento e educação, assim o menino fora criado com sua mãe cantando com o radio, eram varias canções, várias novelas, um programa que tinha um burro (teimoso), uma vaquinha (malhada) e tinha uma voz que dizia É o Zé Bétio e batia em panelas dizendo acorda já são 06:00hs era quando o menino acordava para ir a escola, quando nas férias costumava passar na casa de uma tia e seus (10 primos (as)), sua tia também adorava ouvir radio, mas só de musicas caipira, o menino se divertia com uma Dupla de Japoneses Caipira que cantavam com sotaque muito engraçado, seus primos tinha radinho de pilha e costumavam dormir com ele na beirada da cama, o menino achava legal e queria ter um também, mas sabia que sua mãe não podia comprar, era um artigo de luxo e caro, mas o menino aproveitava o radio do primo quando ele não estava, durante o dia costumava brincar em campo de futebol do outro lado da rua e aos fundo do campo uma mata fechada onde junto com seus primos costumavam explorar, mas só até uma nascente de água onde se refrescavam, não iam muito adiante com medo de se perderem, brincavam de cipó nas árvores feitos tarzam, em uma de suas férias o menino não brincou na mata por medo de um acampamento Cigano que lá estavam, ele ficava por horas na janela do quarto da sua tia que dava pra ver melhor o acampamento, seus primos mais velhos lhe contou histórias sobre os Ciganos pegarem criancinhas, foi a primeira vez que o menino viu um acampamento e ficou com medo, mas era muito bom a convivência com seus primos e primas, a noite o menino era o último a pedir a benção de sua tia que também era sua madrinha, o menino deitava em um dos quartos e contava para si esperando sua vez da benção 1,2,3,4,5,6,7,8,9,10 e então ele gritava benção madrinha e ficava esperando “Deus lhe Abençoe, era uma vida simples que o menino tinha, mas era muito feliz com tudo que tinha, com o amor de sua família e assim o menino se divertia, escutava radio e até decorava algumas musicas, como a que tocava todos os dias na radio (RONNIE VON - A PRAÇA), foram muitas canções, o menino queria escrever musicas ou até cantar tocando seu violão de plástico com poucas cordas, mas tinha mesmo era vontade de ter seu próprio radinho de pilha para embalar seu sono, apesar de ouvir todos os dias ao lado de sua mãe que cantava com o radio, ela tinha a voz bonita e um longo cabelo preto com tranças que o menino ajudava fazer, nesta época era comum ver os homens (Operários) com um radinho de pilha segurando contra a orelha e o menino observava as cores, modelos e tamanho, comparando com o grande radio de madeira de sua mãe, e como uma caixinha tão pequena podia tocar as mesmas musicas já que não tinha fio para ligar na tomada, eram muitas coisas que se passava na cabeça do menino que não conseguia entender e tudo era, “Como, porque”, no mundo de uma criança há inocência, curiosidade, querem ser muitas coisas, querem saber o que não entendem, não há maldades as que têm foram posta por adultos, assim o menino passava seus dias ao lado de sua mãe com um radio de madeira ABC, até que um dia sua mãe parou de cantar, o radio parou de tocar e o menino parou de ouvir “A Praça” e sem ter tido a oportunidade de ter o seu próprio radinho de pilha, mas o menino sabe que sua mãe ainda gostaria de se sentar ao seu lado e ouvir e cantar o seu velho radio de madeira, assim como o menino adoraria ouvir sua Mãe cantar:
“A mesma praça, o mesmo banco, as mesmas flores, o mesmo jardim, tudo é igual, mas estou triste porque não tenho você perto de mim”...
(mas o menino sempre visita sua mãe).
(Ricardo Cardoso)

Ricardo Cardoso
Inserida por ricardo_cardoso
1 compartilhamento

O Menino e a Menina da Escola
O menino aos três anos de idade fora para uma Escolinha (Pré Primário) era particular, pois naquela época o Governo só oferecia primário, ginásio e colegial, a Escola era improvisada na garagem da casa da Professora o qual lhe ensinou as primeiras letras, palavras o primeiro cartão que o menino escreveu para sua mãe, era uma folha com um girassol com pétalas de papel colada um a um formando uma linda flor amarela com os dizeres “Feliz dia das mães”, fora a primeira vez que o menino escreveu, ficou lá até aos seis anos de idade e aos sete anos entrou no primário e lá também tivera uma ótima Professora que lhe acompanhou até a quarta série contando histórias do bairro, do Rio Tietê o qual o pai dela costumava nadar e pescar, neste primeiro ano o menino conheceu uma menina, não era só uma menina, era uma Princesinha loira de olhos azuis, (Maria Aparecida) o menino então não sabia o que estava acontecendo, o porque ficava tão encabulado, com as mãos suadas e gaguejando diante aquela menina tão linda, a escola era muito boa, tinha Biblioteca, quadra, um pátio onde brincavam e comiam lanches que traziam de casa nas suas lancheiras o qual tinha uma garrafinha acoplada, alguns traziam leite o menino gostava de trazer suco de frutas, na entrada da Escola tinha a Tia do doce, o Tio do algodão doce e o Tio do sorvete de abacate, (Um sorvete de abacate feito em formas de gelo, muito desajeitado pra chupar), o menino ia de ônibus escolar do seu Zè bananeiro, era uma jardineira azul e branca e tinha uma alavanca pra fechar a porta, os bancos eram azuis escuro e tinha alguns vermelhos, o seu Zè bananeiro morava na rua acima da casa do menino, próximo a Chácara onde tinha um acampamento de Ciganos e um Casarão com porão, o seu Zé vendia banana com uma charrete e depois montou um depósito de bananas em sua casa, um de seus netos estudava na mesma escola que o menino, na esquina da casa do seu Zè tinha a Dona Maria que criava porcos, galinhas, patos, perus e codornas, tinha um fogão a lenha feito de barro, ela usava um lenço branco na cabeça e fumava cachimbo de barro, ( Um ano depois ela cuidou do menino e seu irmão para sua mãe trabalhar), o seu Zè era muito atencioso com todos e cuidadoso ao leva lós para a Escola, Escola que tinha uma fanfarra com alunos que costumavam desfilar na Festa de 1° de Maio que acontece no bairro, o menino então queria fazer parte na fanfarra, mas era muito novo e tinha que esperar mais alguns anos, assim ele se conformou brincando nas aulas de educação física e adorava quando era para apostar corridas em torno da Escola com seus amiguinhos e a menina dos olhos azuis o qual ele costumava comprar balas e pirulitos para ela, o menino sempre vaidoso, gostava de usar um anel de ouro que sua mãe mandou fazer com o nome dele gravado, também uma correntinha de ouro com um pingente de uma santinha e andava sempre perfumado, o uniforme da escola era camisa branca, calça ou bermuda azul marinhos e sapatos pretos, tinha que comprar o bolso da camisa que a escola vendia ( O nome da escola Octávio Mangabeira e tinha um desenho de um gorila tocando surdo)ai sua mãe costurava o bolso na camisa e as meninas camisa branca, saia azul marinho, meias brancas até o joelhos e sapatos pretos, o menino tinha uma mala preta de carregar na mão, uma estojo de madeira com a tampa verde e uma lancheira de plástico azul e branca que usou até a quarta série, também tinha os passeios, o qual o menino sentava ao lado da menina no ônibus de excursão, um destes passeios o menino pegou pela primeira vez na mão da sua princesinha de olhos azuis, foi em um passeio no Museu do Ipiranga o qual não reparou direito o que tinha lá, por ficar o tempo todo olhando para a menina, no ano seguinte o menino começou ir a pé para escola junto com seus amiguinhos que eram vizinhos de sua casa e todos os dias ele pegava duas rosas ou outras flores em uma casa que tinha um jardim na frente e uma cerca de arames baixinha, a dona da casa costuma sair e chamar atenção do menino e ele saia correndo, as flores era uma para sua professora (Silvia), a outra para a menina e assim o fez enquanto tinha flores no jardim do caminho da escola, até que um certo dia a mulher dona do jardim estava no portão com duas rosas na mão e disse é pra você menino, leve pra sua professora, o menino não sabia, mas a professora era sobrinha da mulher do jardim e assim ele passou a receber as flores por muitos meses para levar pra menina dos olhos azuis que era prima de um amiguinho que morava na rua de cima de sua casa, já na quarta série o menino considerava a menina como sua namoradinha e nos dias dos namorados pediu para sua mãe comprar um cartão o qual escreveu lindas palavras para a menina, mas ele estava triste pois seria o último ano dele naquela escola, iria mudar pra outra escola a uma quadra de sua casa, onde iria cursar a quinta série ginasial e sabia que a menina iria continuar na mesma escola, o menino aproveitou todos os instantes para segurar a mão de sua princesa e ao chegar no último dia de aula o qual a despedida foi uma festa na sala com tubaína, doces, bolos, salgadinhos e uma recordação dada para cada aluno da Professora Silvia e ao sair da escola o menino segura a mão da menina que estava indo para a casa de seu primo que era perto da sua, sem falar nada o menino andava ao lado de sua “Namoradinha”, uma fraca chuva caia e os dois de mãos dadas caminhavam sem pressa e aquele lindos cabelos loiros molhados a deixava mais linda, o menino sempre teve um olhar penetrante que a deixava encabulada, escolheram o caminho mais longo para ficar mais tempo juntos, já que era o último dia e ao chegar em seus destinos o menino olhou para ela, a segurou em seus ombros e a beijou, ela o abraçou e com lagrimas nos olhos disseram adeus, ficaram alguns segundos de mão dadas um de frente pro o outro, olhavam se com lagrimas, mas era hora de partir e então o menino partiu...
(Alguns anos depois se encontraram em uma festa)
E o resto da noite dançou pra valer
Se teus olhos me olharam fingiram não ver
No meu canto eu fiquei entre o riso e a dor
Lembrando do primeiro amor
Lá-rá-lá-lá-rá
(Trecho da Musica Primeiro Amor – José Augusto)
(Ricardo Cardoso)

Ricardo Cardoso
Inserida por ricardo_cardoso
1 compartilhamento

O Menino e o Velho Cigano
Meados dos anos 70, o menino nas suas andanças pelos arredores de sua casa se depara com um acampamento Cigano (era a segunda vez que o menino se depara com um acampamento o primeiro fora na casa de sua tia), ele olhou com curiosidade, mas prosseguiu, no dia seguinte contou a um amiguinho e o assunto claro foi aquele que escutamos diariamente, ciganos roubam crianças, mas tinham o espirito aventureiro, gostavam de desafios e perigo, algumas vezes ao entrar na mata pegavam aquelas frutinhas silvestres e juntos contavam até três e comiam dizendo se morrer morrem juntos e sempre foi assim, portanto resolveram ir juntos até o acampamento que ficava duas quadras de suas casas, era uma antiga chácara com uma casa grande, com um porão o qual o menino acreditava que os escravos dormiam ali, na lateral havia uma granja e em frente um terreno que outra hora servia de campo de futebol e lá os Ciganos acamparam, o menino e seu amiguinho ficaram atrás de uma árvore observando os Ciganos, havia cavalos, carroças, mas também dois carros antigos e ao redor de uma fogueira mulheres com lindos vestidos coloridos faziam comida e ao fundo um velho de chapéu e barba branca batia em um balde cor de ouro e o menino ficou curioso em saber o que o velho fazia, escutou de sua mãe que ciganos gostavam de ouro, gostavam de dançar, tocar violino e violão, tentando não ser visto pelos homens que escovavam os cavalos e as crianças que ali estavam correndo, aos poucos o menino foi se descuidando até que o velho fez um sinal com as mãos para se aproximarem, com muito medo o menino e seu amiguinho correram enquanto aqueles homens e crianças os olhavam, chegando em suas casas nada falaram, mas o menino ficou pensando nas crianças correndo, nos cavalos lindos e no velho batendo o balde de ouro, o menino tomara uma decisão, no dia seguinte retornaria ao acampamento com seu amiguinho ou sozinho, assim o fez após o retorno da escola, o menino ficou atrás da árvore observando e novamente o velho estava batendo em um balde de ouro, as crianças estavam comendo milho e as mulheres estavam cuidando dos bebes de colo e não tinha cavalos presos às árvores, o menino estava sozinho, pois seu amiguinho não quis ir por medo de ser raptado pelos ciganos, o pequeno menino com o coração acelerado as mãos molhadas e com muito medo que transparecia em seus olhos, novamente o velho lhe acenara com a mão para que ele se aproximasse o menino que gosta de se aventurar, que gosta desafios, que gosta de ouvir histórias de pessoas velhas, como a que o Senhor Piscidone costumava contar, um senhor de noventa e poucos anos que viera da Bahia aos dezoito anos de idade trabalhar em uma fazenda com seu tio que aqui já estava instalado onde hoje situa o bairro em que o menino vive, filho do “Ventre livre”, mas aprisionado na fazenda na Bahia ao lados de seus pais escravos, ele falava sobre as trilhas de carroças hoje as principais vias do bairro, morrera aos cento e três anos de idade, o menino tomou coragem respirou fundo e foi na direção do velho Cigano de cabelos e barba branca com um chapéu preto desbotado, uma fogueira com um caldeirão que tinha um cheiro bom, as crianças sentadas no chão comendo milho e os olhares voltados para o menino daquelas lindas mulheres com seus lindos vestidos coloridos, como os desenhos que o menino costumava fazer, o velho Cigano pediu que o menino sentasse ao seu lado em um toco de madeira, perguntou ao menino se ele estava com medo dele, o menino chacoalhou a cabeça dizendo que não, mas com as pernas tremulas ouvia o velho, passado alguns minutos, já descontraído perguntou ao velho Cigano porque ele batia naquele balde de ouro, ele sorriu com seus dentes de ouro e disse que era um tacho de cobre, ele o fazia para vender, que os seus irmãos sairá a cavalo para vender e comprar mantimentos, o menino perguntou lhe se eles haviam pegos aquelas crianças, porque ouvira dizer que se as crianças que ficassem na rua seria pegas pelos ciganos ou o homem do saco, novamente o velho sorriu mostrando seus lindos dentes de ouro – menino olhe ao seu redor, não existem cercas, somos livres, as crianças são livres, não pegamos crianças, muitas são abandonadas em nossos acampamentos e cuidamos como nossos filhos, mas aqui são todos filhos e filhas dos nossos irmãos, o menino ficou por horas escutando e vendo as peças de cobre que o velho fazia, comeu milho assado bebeu chá de frutas conversou com os meninos de sua idade, mas não entendia o porque não iam a escola, porque não tinham casa de tijolos, não tinham televisão e nem brinquedos, o menino na sua inocência convidara aquelas crianças para ir a casa dele brincar, o velho então retrucou, venha aqui quando quiser mas eles não iram a sua casa, o menino abaixou a cabeça desolado sem entender o porque elas não podiam ir na casa dele, o velho lhe disse você é só uma criança quando crescer vai descobrir que não somos bem vindos e logo seremos expulsos deste local e assim foi a primeira e a última conversa com o velho cigano dos dentes de ouro, barba branca, cabelos brancos um chapéu preto desbotado que fazia tachos de cobre, pois alguns dias de castigo por ter saído de casa sem avisar (nesta aventura de ir no acampamento cigano), na primeira oportunidade o menino foi até a chácara e chegando lá se deparou com um terreno vazio sem carroças, sem cavalos, sem crianças, sem fogueira, sem mulheres bonitas com seus vestidos coloridos e seus lindos bebes só tinha o toco onde o velho cigano fazia seus tachos de ouro e assim o menino voltou para casa e em seus pensamentos queria ser cigano, cavalgar com um lindo cavalo preto livremente sem precisar ir a escola, andar por muitos lugares e viver em uma barraca ao lado do velho cigano fazendo tachos...
(O menino cresceu, não virou cigano, mas tem um espirito cigano, hoje admira e defende a cultura cigana)
(Ricardo Cardoso)

Ricardo Cardoso
Inserida por ricardo_cardoso
1 compartilhamento

O Menino e o Jardineiro
O menino corria pelo quintal contemplando os pássaros, as borboletas, as flores do jardim e um pequeno lago com peixes dourados, em frente da sua casa tinha muitas árvores, pé de frutas silvestres o qual os passarinhos, abelhas e o menino desfrutavam, sua mãe costumava pagar alguém para capinar o quintal e o jardim o qual o menino adorava plantar cravos, margaridas, palmas e onze horas, ficava ansioso esperando dar onze horas para ver a flor abrir, no fundo do quintal também tinha cana de açúcar, um pé de ameixas e girassóis, o qual ficava se perguntando o porquê do girassol estar sempre olhando para o sol, aquilo tudo era sua floresta o qual brincava de índio e outras vezes de filmes de faroeste o qual costumava assistir, a mãe do menino contrata um homem baixinho, meio corcunda pelo peso da vida, com os olhos azulados pelo desgaste do tempo, a mãe ficou sabendo que se tratava de uma pessoa muito pobre, mas que fazia questão de trabalhar para se sustentar e assim o fez, o homem começou ao amanhecer, o menino estava na escola o qual adorava desenhar escutar as histórias do bairro em que vivem, seus professores eram todos moradores do bairro, assim que o menino chegou a casa, sua mãe preparou um prato de comida e uma jarra com água fresca pediu que o levasse para o jardineiro, ele aproveitou e sentou se no chão perto daquele homem com o rosto tão enrugado as mãos tremula, ele pegou o prato de comida, tirou o chapéu preto desbotado ou talvez fosse cinza, agradeceu e começou a comer, o menino então pergunta qual era o seu nome, ele com uma voz roca e pausando diz Picidone, o menino achou estranho e disse que nunca tinha conhecido ninguém com este nome e perguntou o porquê da sua mãe dar este nome, o jardineiro então com uma lagrima nos olhos respondeu que não sabia o porquê deste nome, o menino viu as lagrimas em seus olhos azulados pelo tempo, mas nada falou o menino então pergunta por que ele era corcunda e andava com aquela bengala feita de um galho de árvore, o menino na sua inocência não entendia que as pessoas envelhecem para ele as pessoas nasciam como ele (Criança) ou como o senhor Picidone, antes que ele respondesse, a mãe chama o menino e diz para ele deixar o jardineiro almoçar sossegado, o menino pergunta a mãe se ele mora perto, se era o homem corcunda do filme, ele é rico ou pobre, o menino não entendia o porque tinha pobres e ricos, na escola a Professora explicava que no mundo existiam pessoas ricas e pessoas pobres, o menino indagou a Professora porque não pegava o dinheiro de todo mundo e depois dividia igual para todos, assim ninguém seria pobre, esta indagação lhe custou um bilhete no caderno pedindo para sua mãe ir até a escola falar com a Professora (estava em plena Ditadura e a Professora queria saber onde o menino tirou aquela ideia), o menino então retornou para o quintal onde o senhor Picidone trabalhava, mostrou algumas plantas e flores que ele teria que tomar cuidado para não cortar, ficou mais um pouco por ali mexendo nas minhocas que saiam da terra misturada nos matos, o sol começa a se recolher o menino leva o senhor Picidone até o portão e diz até amanhã, ao entrar em casa começa a fazer perguntas a sua mãe e ela com toda paciência explica que o senhor Picidone era muito pobre, um homem da roça muito sofrido e que precisava trabalhar para poder comer e ter um lugar para dormir, o menino não entendia o porque, o porque ele era pobre, o porque ele era corcunda, o porque ele andava com uma bengala, o porque ele tinha a pele escura, o menino fora criado respeitando todas as pessoas, raças, religiões sem se importar com a cor da pele e se era rico ou pobre e assim ele foi dormir cheio de duvidas e inconformado porque a vida era assim tão desigual, no dia seguinte na escola ele contou para os amiguinhos sobre o jardineiro Picidone, que ele era igual o homem do filme (corcunda de notre dame), o menino era muito atento, se preocupava com as injustiças da vida, assim que chegou em casa correu para o fundo do quintal para ver o jardineiro, novamente ao se sentar para almoçar o menino começa a perguntar e o senhor Picidone lhe conta que nasceu na Bahia e seus pais eram escravos em uma fazenda, ele nasceu na lei do Ventre Livre, mas teve que esperar completar dezoito anos para vir trabalhar com seu tio que já estava aqui trabalhando na fazenda, ele dizia que tudo ali era uma grande fazenda que com o passar dos anos foi transformada em chácaras e depois em lotes e que ali as margens do córrego onde o menino morava era uma plantação de algodão feita por arrendatários, uma família de japoneses que plantou bambus nas margens esquerda do córrego, onde o menino costumava brincar se pendurando nos bambus e envergando o até a outra margem do córrego, contou lhe também que todas as ruas eram de terra e só existia uma trilha de carroças, sobre a primeira construção de dois andares ( a casa do português Sr. Antônio), a construção da linha do trem, a construção da principal Avenida que cortou o bairro no meio, a primeira igreja e assim muitas coisas que serviram para o menino tanto na escola como em sua vida, e assim foi por uma semana as conversas com o jardineiro, mas não só um jardineiro, o Senhor Picidone, um homem que não sabia ler e escrever, más que tinha uma grande sabedoria e que dera grande contribuição na formação do menino e daquele dia em diante passou a ver com frequência aquele homem franzino, curvado pelo tempo, olhos azulados pelo desgaste da vida com seu terninho e chapéu desbotados e sua bengala feita de um galho de árvore, foi doloroso pro menino quando o Senhor Picidone aos cento e três anos de idade partiu deste mundo, então o menino chorou, mas nunca esqueceu as histórias daquele jardineiro com o nome de Picidone...
(Ricardo Cardoso)

Ricardo Cardoso
Inserida por ricardo_cardoso
1 compartilhamento

O menino e o baile de garagem
O menino está crescendo, tem pressa de viver tudo, nos meados dos anos 70 eram comuns bailinhos feitos em garagens e assim o menino pela primeira vez fora convidado para um baile na garagem de um dos amigos de seu primo, tinha um globo e luz negra, era pequena, ele ajudou a montar os equipamentos e no final da tarde lá foi ele para o seu primeiro baile, já tinha alguns de seus amiguinhos no local e também uma linda menina com cabelos longos pretos e com a pele morena, ela dançava com suas coleguinhas, como era de costume falar, seria uma seleção de musicas quente (seis musicas) e uma seleção de musicas lentas (quatro musicas), o menino ficou observando como se dançava as quentes e as lentas, ele arriscou alguns passos e depois de algum tempo já descontraído com seus amigos, arriscou chamar aquela linda menina de cabelos pretos para dançar a próxima seleção de lentas, a menina que também o olhava o tempo todo aceitou, ele ficou ansioso a espera da próxima seleção, ficou por ali próximo da menina com medo que outro a chama se, então anunciaram (Próxima seleção lenta, chama seus pares e vamos dançar), foi a primeira vez que ele ouvia aquela linda canção, dançando com aquela linda menina, o menino se aproxima da menina pegando a pela mão, levando a até o centro do salão, coloca a sua mão esquerda no ombro da menina e sua mão direita na cintura, fecha os olhos e sente o pulsar do coração daquela linda menina embalados pela musica de Chris De Burgh - Flying
Voando, nunca achei que aprenderia a voar assim
Eu pensei que eu gastaria minha vida inteira tentando,
já que estar voando é aquela antiga arte de manter um pé no solo...
Mentindo, eu jamais pensei que pararia de mentir
Eu pensava que perderia tudo isso suspirando,
Já que mentir é aquela antiga arte de esconder palavras que nunca serão encontradas
Chorando, eu pensava que nunca pararia esse pranto,
Eu pensava que eu sempre sonharia com minha morte
Já que chorar é aquela antiga arte de derramar rios de lágrimas
Oh morrendo, eu jamais me imaginaria ver morrendo,
Eu pensava passar minha vida inteira voando,
já que morrer é aquela antiga arte de manter o mundo girando
Suspirando, eu pensei que nunca ia deixar de suspirar
Eu sempre pensei que continuaria chorando,
Já que suspirar é aquela antiga arte de pôr pra fora toda sua tristeza
E tentar, jamais pensei que passaria minhas estações tentando ,
Eu pensei que poderia parar de mentir,
Já que tentar é aquela antiga arte de provar que o mundo é redondo
Oh voar oh oh, mentir oh oh, chorar oh oh, suspirar oh oh,
tentar oh oh, e morrer oh oh,
sendo que morrer é aquela antiga arte de crescer flores no chão,
Sim, é assim...
Foi a primeira musica que marcaria para sempre uma passagem de sua vida, a primeira dança o primeiro de muitos bailes, dançou as quatros musicas, era a última seleção, era o fim daquele primeiro dia de baile, o menino acompanhou a menina até o portão de sua casa que ficava na mesma rua, deu um beijo no rosto macio daquela que seria sua parceira de dança em muitos outros bailes na mesma garagem e todos os finais de semana o menino lá estava e novamente chamando aquela linda menina para dançar, as musicas eram as mesmas, mas o menino queria mesmo era estar ao lado da menina a qual ele a desejava como sua namorada, mas não tinha coragem de revelar e um dia, depois de meses o baile de garagem não mais tocaria a canção que marcou sua vida e o menino não dançou mais com aquela linda menina de cabelos pretos, pele morena, rosto macio, não sentiu mais o seu coração pulsar no embalo da musica. O menino novamente deixou um pouquinho do seu coração naquela linda menina e partiu, mas todos os finais de semana ele iria para festas e bailinhos de garagens, em um desses bailes ele encontrou a menina da escola, a menina de cabelos loiros e olhos azuis, seu coração quase saltou pela boca ao lembrar o quanto aquela menina o fez feliz os quatros anos juntos no primário, ele jamais esquecera que aquela menina para sempre seria a sua primeira namoradinha...
(José Augusto – Primeiro Amor)
Foi numa festa outro dia
Que eu te encontrei a dançar
Namoradinha de infância
Sonhos da beira do mar
Você me olhou de repente
Fingiu que tinha esquecido
E com um sorriso sem graça
Me apresentou ao marido
E o resto da noite dançou pra valer
Se teus olhos me olharam fingiram não ver
No meu canto eu fiquei entre o riso e a dor
Lembrando do primeiro amor
Pra me beijar precisava
Ficar na ponta dos pés
Eu tinha então oito anos
Mas te menti que eram dez
Lembro você orgulhosa
Da minha calça comprida
Vínhamos juntos da escola
Sem qualquer medo da vida
E o resto da noite dançou pra valer
Se teus olhos me olharam fingiram não ver
No meu canto eu fiquei entre o riso e a dor
Lembrando do primeiro amor
Sábado tinha dinheiro
Pra te levar ao cinema
Onde com medo pegava
Tua mãozinha pequena
Nossos castelos de areia
Sonhos perdidos no ar
Jogo de bola de meia
E um refrigerante no bar
E o resto da noite dançou pra valer
Se teus olhos me olharam fingiram não ver
No meu canto eu fiquei entre o riso e a dor
Lembrando do primeiro amor,Lá-rá-lá-lá-rá
A menina diz que sempre se lembraria do primeiro namoradinho, o menino não sabe se ela ainda o lembra,
“E no seu canto ele ficou entre o riso e a dor”.
(Ricardo Cardoso)

Ricardo Cardoso
Inserida por ricardo_cardoso
1 compartilhamento

O menino e a Professora
Década de 70, o menino está em uma nova escola, (Professora Eunice Laureano da Silva), novos professores, tudo é novo, precisa fazer novos amigos, as meninas logo se empolgam com o novo aluno e isso enfurece os meninos que lá já estudam desde o primário é inevitável às brigas, o menino não gosta de violência e por várias vezes leva socos e pontapés sem reagir, pois se ignorarem, eles o deixaram em paz, o menino faz várias amizades com os meninos e meninas da sua sala e também de outras, fica popular na escola e muitas meninas mandam bilhetinhos pedindo para namorar ele, uns e outros meninos ainda tentam assusta ló dizendo que vai pegar ele na saída, ele então resolve dar um basta nesta situação, acertou a briga do lado de fora da escola, o menino saiu com um olho roxo, mas deixou dois meninos com vários hematomas pelo corpo, isso o deixou mais popular ainda e todos os outros meninos o respeitavam depois dele ter brigado com dois, porem o menino se sentiu mal por esta primeira briga e que por sinal fora a última, seus professores eram ótimos, mas tinha uma Professora de artes (Sandra) a mais bela da Escola, o qual o menino a admirava, ela tinha os cabelos castanhos, compridos e usava óculos, deveria ter uns vinte e cinco anos mais ou menos, seu perfume contagiava o menino que a olhava com um olhar penetrante o qual ela ficava encabulada, de todas as matérias com seu ótimos Professores, o menino se destacou nas de artes, o menino começou a desenhar, pintar e até arriscou fazer uma escultura de barro, pegou gosto pelas artes, em um concurso de artes na Escola o menino fez uma pintura abstrata (feito com anilina em papel canson), ficou com vergonha de entregar diante os desenhos de outros amiguinhos, mas com a insistência da Professora ele entregou seu trabalho e quando ela abriu ficou encantada, levou a sala dos Professores para mostrar e todos queriam aquele trabalho, isto o fez se dedicar ainda mais as artes, o qual ele nunca mais parou e a Professora, ah, ela ainda continuava encabulada com os olhares daquele menino que insistia a olhar profundamente, o menino percebeu que tinha um olhar diferente capaz de deixar as meninas loucas por ele, um certo dia na hora do recreio o qual ele ficava com seus coleguinhas brincando de pega - pega ou paralisado ( tinha que receber o beijo no rosto de uma menina para poder se mexer) um de seus amiguinhos grita paralisado, ele assim o fez e qual fora a surpresa do menino, uma das mais belas menina da escola se aproximou e deu um beijo na boca, foi o despertar do menino, foi como o beijo da princesa no sapo, o menino daquele dia em diante parou de ficar correndo feito louco pelo pátio da Escola, agora o menino ficava paquerando as meninas, as convidando para tomar um refrigerante na cantina e assim foram várias meninas, vários beijos, vários refrigerantes, vários bilhetes no caderno para sua mãe e varias ida para a Diretoria por estar namorando nos corredores e a Professora de artes continuava linda com seu perfume ensinando e desfilando entre as carteiras da sala de aula, certo dia a Professora passando a lição na lousa e explicando a lição ela olhou pro menino e se aproximou e lhe perguntou o porque ele a olhava daquele jeito, que a deixava encabulada, o menino então a olhou dentro dos olhos e disse que ela era muito linda, que a admirava, ela responde ao menino que ele era muito novo e que ela era noiva de um rapaz o qual ele já havia visto no portão da escola esperando a, e assim o menino continuou a olhar por mais um tempo até que novamente ele iria deixar tudo àquilo para traz no seu passado, pois outra escola ele iria estudar e aquela Professora de artes seria uma lembrança em sua memória, mas foi mais que isto, foi envolve ló para sempre nas artes, pintura de telas, desenhos, esculturas e poesias:
Morena Menina
Morena menina, teu olhar me fascina
Teu sorriso me alegra
Teu cheiro me embriaga
Tua voz me conquista
Teu jeito de mulher menina me faz sonhar
Sonhar!
Voltar no tempo...
Ficar com você
Ah! Morena, menina
Que me faz sonhar!
(Ricardo Cardoso)

Ricardo Cardoso
Inserida por ricardo_cardoso
1 compartilhamento

O menino e o conto de fadas
O menino continua sua busca sem saber o que, é um sentimento qual ele não consegue explicar, ele escreve poesias e versos, fala de amor, indiferenças, desigualdades, mas não se encontra, certo dia decide pintar uma tela, decide pintar em preto e branco, pois estava sem ânimo e sem alegria, seus trabalhos o acompanham, quando esta alegre escreve alegrias, pinta cores como a um arco íris, mas decide fazer alguns traços pretos em uma tela branca, surgiu em suas pinceladas uma linda menina de cabelos curtos e negros com um olhar meigo e uma boca o qual no futuro sairia um belo sorriso, algumas horas depois ele decide deixar sua obra inacabada, e assim por três anos a tela ficou em um canto do ateliê, certo dia, o menino acreditava que havia tido todos os amores de uma vida, ai vem o destino e muda tudo, se surpreende com uma menina filha de um comerciante (Salim), ele se entusiasma com aquela linda menina de cabelos negros, olhos puxados e com um sorriso contagiante, há muito tempo o menino não mais sorria, ele havia feito uma escolha e achava que seria para sempre, mas tudo mudou, toda aquela tristeza se transformou em alegria de viver, a alegria de escrever poesias, de passear no parque ou simplesmente sentar a beira do lago e observar os cisnes, o menino tem medo, foram tantas decepções, tantas juras de amor quebradas, tantas poesias apagadas, tantas lagrimas derramadas, o menino tem medo, mas as conversas continuam e novas poesias são escritas, uma nova pagina em sua vida começa, o menino quer escrever uma nova história sem magoas, sem medos, sem sombras do passado e decide continuar cortejando aquela linda menina filha do Oriente, filha do Turco, ou melhor, filha do Libanês comerciante, apesar da proximidade o menino não a conhecia, talvez pela diferença de idade, pra menina não tem importância esta diferença e ela aceita ser cortejada e escreve poesias para o menino do olhar sedutor o qual ela faria sorrir novamente para a vida e assim os dois começaram um lindo romance como de um conto de fadas, com passado e presente de acontecimentos inexplicáveis, como aquela pintura feita há três anos antes deste encontro o qual retrata a menina filha do Oriente, o menino não entende como pôde fazer de sua pintura inacabada uma menina tão especial com tanto amor a lhe oferecer, o menino, apaixonado, escreve poesias e devaneios, sentimentos e medos, solidão e amor, seria o que ele procurava o tempo todo sem saber o que era, seria uma lembrança de vidas passadas ou seria loucura de um poeta, loucura ou não, eles se amam, se entregam, deliram uma vida em poesias, uma vida de passeios, aventuras e também lagrimas por decisões difíceis em suas vidas, por fim decidem que o melhor a fazerem, seria por um ponto final naquele amor, novamente o menino com lagrimas nos olhos, uma dor no coração partiu, (como tantas outras coisas boas em sua vida que o deixou), ao passar nos locais onde estivera com sua amada, ele a procurava em cada canto do caminho, estava ele novamente com o olhar triste e não mais sorria, dias andando nos lugares que outra hora lhe trouxera tantas alegrias ao lado de sua amada, certo dia em uma dessas andanças, ele a encontra, sentada de cabeça baixa e chorando, o menino se aproxima colocando sua mão em seu ombro, os dois se olham com lagrimas nos olhos, com um nó na garganta e se cumprimentam, sem dizer mais nada um ao outro, o menino partiu, andou por horas e não aguentando aquela dor ele volta, corre pelas ruas, ele sabe onde encontra lá, então ele corre e na praça ele a vê, a menina corre ao seu encontro e com todos os olhares da praça, eles se beijam e no abraço apertado, sussurros de amor, lagrimas de alegria, no coração a certeza da felicidade, a certeza de escreverem uma nova história, como a de um conto de fadas e assim o menino e a menina começam uma nova vida com poesias, artes, teatros, passeios no parque, no trem, no castelo, nas tardes de quarta e no cálice ardente da paixão, o menino percebe que aquela busca por algo que sempre o perseguia, acabará e que a menina do Oriente, a tela inacabada era o seus sonhos e devaneios que virou realidade,
Conto de Fadas
Entre Bruxas e Fadas,
Ciganas e Índios,
seus olhos brilham
Na cidade antiga
Entre castelos e trens,
entre passado e futuro
Caldeirão de Bruxa!
A dança do Índio,
no flash, eu e você
Nas cartas futuro juntos!
Na cidade antiga,
eu e você nos olhares,
das Ciganas, das Bruxas,
dos Índios, da Cidade antiga
No incenso o perfume do Oriente
Na menina do Oriente, um beijo!
Das bruxas magias alegrias,
sangue de dragão!
Das fadas Gnomos e Duendes, um encanto
Entre Bruxas e Fadas,
eu e você, no castelo, no trem,
na Cidade Antiga, entre Índios e Ciganas
Um café quente, amor nos beijos trocados eu e você
No perfume do Oriente,
entre Bruxas e Fadas,
Ciganas e Índios,
a menina do Oriente, um beijo!

(O menino e a menina continuam escrever suas histórias e poesias juntos em um grande amor).
(Ricardo Cardoso)

Ricardo Cardoso
Inserida por ricardo_cardoso
1 compartilhamento

Mil e uma razões
Mais um dia ao seu lado
Poderia dizer mil e uma razões para ficar com você ou deixa lá
Falarei das razões que me fazem ficar com você
Uma linda mulher, inteligente, um coração de ouro, determinada, sensível como uma flor, chora por uma poesia, por uma musica, porem forte como o cedro
Companheira, amiga, conselheira, me mostrou um novo horizonte , me fez ver o meu valor, trouxe-me a esperança perdida
Ensinou-me que o amor existe, sem sufocar, sem dor, sem diferenças
Mais um dia ao seu lado e eu só lembro - me das mil e uma razões que me fazem ficar com você...
(Ricardo Cardoso)

Ricardo Cardoso
Inserida por ricardo_cardoso

Estamos no mesmo barco, remando pro mesmo lado e chegaremos juntos ao sucesso da vida!
(RC)

Ricardo Cardoso
Inserida por ricardo_cardoso

A magnitude da vida só é consistente, quando se tem ao nosso lado uma pessoa perseverante...
(RC)

Ricardo Cardoso
Inserida por ricardo_cardoso

Compreensão
As vezes não sou compreendido
No silêncio da alma
No agito da vida
As vezes não sou compreendido
Nas minhas palavras
Nos meus poemas
As vezes não sou compreendido
No meu olhar
No meu ser
As vezes não me compreendo
Não ser compreendido...
( Ricardo Cardoso)

Ricardo Cardoso
Inserida por ricardo_cardoso

O Poeta na insônia da noite cria um novo dia radiante
(RC)

Ricardo Cardoso
Inserida por ricardo_cardoso

Eu fico aqui escutando a noite e sentindo o seu sono, te olhando e pensando se é verdade ou delírio, se é amor ou loucura, se você é real ou fruto de uma mente do amor de um poeta, só sei que sinto a noite, você e meu coração te amando...
(RC)

Ricardo Cardoso
Inserida por ricardo_cardoso

4:00 da manhã, não sei se faço um chá pra dormir, ou um café pra despertar....
(RC)

Ricardo Cardoso
Inserida por ricardo_cardoso

Se seu olhar enxergar o meu, vai descobrir que o meu silêncio...nada significa.
(RC)

Ricardo Cardoso
Inserida por ricardo_cardoso

Quando a noite chega tudo fica claro, a poesia vem até mim, entre o ontem e o hoje escrevo o amanhã...
(RC)

Ricardo Cardoso
Inserida por ricardo_cardoso

Os personagens de uma história são o que gostaríamos de ser ou não é um conflito de ideias e pensamentos misturado com a vida do autor...
(Ricardo Cardoso)

Ricardo Cardoso
Inserida por ricardo_cardoso