Biografia de Raul Seixas

Raul Seixas

Quem foi Raul Seixas?

Raul Seixas (1945 - 1989) foi um cantor e compositor nacional que ficou conhecido como o “pai do rock brasileiro”. Carismático e original, o artista lançou grandes sucessos, como “Metamorfose Ambulante” e “Maluco Beleza”, que marcaram a sua época. 

Foto de Raul Seixas

 Início da vida e da carreira musical

Raul Seixas nasceu em Salvador, no dia 28 de junho de 1945. Desde muito cedo, seu percurso escolar foi atribulado, com várias reprovações e até boletim de notas falsificado. Segundo os relatos do próprio artista, ele só se importava com uma coisa: rock’n’roll. 

Durante a década de 60, se tornou vocalista da banda Os Panteras, com a qual lançou um disco, Raulzito e os Panteras (1968), que não obteve sucesso. Após ter se mudado para o Rio de Janeiro, passou a trabalhar como produtor musical até o começo dos anos 70. 

Sua grande oportunidade chegou em 1972, quando participou do Festival Internacional da Canção e foi contratado pela gravadora Philips.

Fama e maiores sucessos da discografia

O primeiro disco de Raul Seixas, Krig-ha, Bandolo! (1973) foi a confirmação imediata do seu talento, com músicas inesquecíveis como ”Metamorfose Ambulante”, “Ouro de Tolo” e “Mosca na Sopa”. 

Suas criações combinavam as referências internacionais do rock com ritmos da tradição brasileira. Os versos complexos que escrevia também chamavam a atenção, transmitindo reflexões existenciais e filosóficas. 

Movido por interesses místicos, ele se uniu ao escritor Paulo Coelho para criar uma comunidade hippie, a Sociedade Alternativa. A ditadura militar considerou que o grupo era uma organização terrorista. Os dois foram presos pelo DOPS (Departamento de Ordem Política e Social) e precisaram se exilar nos Estados Unidos da América. 

O lançamento do LP Gita (1974), inspirado no ocultista Aleister Crowley, foi o mais vendido do artista. Além de vencer o disco de ouro, o trabalho garantiu o seu regresso ao país. Os discos seguintes não foram tão consensuais entre a crítica, mas geraram hinos como “Eu Nasci Há Dez Mil Anos Atrás” (1976) e “Maluco Beleza” (1977). 

Seu último grande sucesso foi o LP A Panela do Diabo (1989), lançado logo após a sua morte, que venceu um disco de ouro póstumo e se tornou um dos mais vendidos da sua carreira.

Vida amorosa e familiar de Raul Seixas

Apaixonado por natureza, o cantor viveu grandes amores que ficaram documentados na sua biografia. Na juventude, namorou Edith Wisner, mas o pai da moça não aprovava a união. Para convencê-lo, estudou por meses e passou no vestibular para vários cursos, incluindo Direito. Em 1967, ele se casou com Edith e abandonou a faculdade. 

Da ligação entre os dois nasceu Simone, a primeira filha do cantor. Pouco tempo depois, a família precisou se exilar nos Estados Unidos, porque Raul estava sendo perseguido pela Polícia Militar. Quando ele regressou ao Brasil, a esposa preferiu ficar por lá com a criança e os dois se divorciaram. 

Em 1975, casou com Glória Vaquer e teve outra filha, Scarlet, mas o relacionamento durou apenas três anos. Posteriormente, ele se uniu a Angela Affonso Costa, mais conhecida como Kika Seixas, com quem teve a terceira filha, Viviane.

Doença, morte e legado do cantor

Foi no final dos anos 70 que Raul começou a enfrentar problemas de saúde causados pelo consumo excessivo de álcool. Além de ter uma doença no pâncreas, era diabético e caiu numa depressão quando seu contrato com a gravadora terminou. 

O artista passou por vários tratamentos, mas o vício foi afetando sua carreira e a capacidade de se apresentar. No dia 21 de agosto de 1989, Raul Seixas morreu de parada cardíaca, na sua casa em São Paulo. O corpo foi levado para Salvador e sepultado no Cemitério Jardim da Saudade. 

Seu trabalho continuou extremamente célebre, com álbuns póstumos, coletâneas de êxitos, livros, shows de tributo, filmes, programas televisivos, entre outras homenagens. As músicas do cantor ainda são regravadas por grandes nomes da atualidade, com letras inigualáveis e atemporais.

Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante

Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo

Acervo: 259 frases e pensamentos de Raul Seixas.

Frases e Pensamentos de Raul Seixas

A arte de ser louco é jamais cometer a loucura de ser um sujeito normal.

Ninguém tem o direito de me julgar a não ser eu mesmo. Eu me pertenço e de mim faço o que bem entender.

Quando morrer quero ser cremado... para que minhas cinzas alimentem as ervas e as ervas alimentem os loucos como eu.

Sou o que sou
porque vivo da minha maneira...
Você procurando respostas olhando pro espaço,
e eu tão ocupado vivendo...
Eu não me pergunto,
Eu faço!

O sonho do careta é a realidade do maluco.