Pablo Neruda

151 - 175 do total de 167 pensamentos de Pablo Neruda

PEÇO SILÊNCIO

Agora me deixem tranquilo.
Agora se acostumem sem mim.

Eu vou cerrar os meus olhos.

Somente quero cinco coisas,
cinco raízes preferidas.

Uma é o amor sem fim.

A segunda é ver o outono.
Não posso ser sem que as folhas
voem e voltem à terra.

A terceira é o grave inverno,
a chuva que amei, a carícia
do fogo no frio silvestre.

Em quarto lugar o verão
redondo como uma melancia.

A quinta coisa são os teus olhos,
Matilde minha, bem-amada,
não quero dormir sem os teus olhos,
não quero ser sem que me olhes:
eu mudo a primavera
para que me sigas olhando.
Amigos, isso é quanto quero.
É quase nada e quase tudo.

Agora se querem, podem ir.

Vivi tanto que um dia
terão de por força me esquecer,
apagando-me do quadro-negro:
meu coração foi interminável.

Porém porque peço silêncio
não creiam que vou morrer:
passa comigo o contrário:
sucede que vou viver.
Sucede que sou e que sigo.

Não será, pois lá bem dentro
de mim crescerão cereais,
primeiro os grãos que rompem
a terra para ver a luz,
porém a mãe terra é escura:
e dentro de mim sou escuro:
sou como um poço em cujas águas
a noite deixa suas estrelas
e segue sozinha pelo campo.

Sucede que tanto vivi
que quero viver outro tanto.

Nunca me senti tão sonoro,
nunca tive tantos beijos.

Agora, como sempre, é cedo.
Voa a luz com suas abelhas.

Me deixem só com o dia.
Peço licença para nascer.

Pablo Neruda
18 compartilhamentos

Em um beijo, saberás tudo o que calei.

Pablo Neruda
3 compartilhamentos

Sentir o amor das pessoas que nós amamos é um fogo que alimenta a nossa vida.

Pablo Neruda
Inserida por pensador

Amo-te como se amam certas coisas obscuras, secretamente, entre a sombra e a alma.

Pablo Neruda
382 compartilhamentos

Quero fazer contigo
o que a primavera faz com as cerejas.

Pablo Neruda
11 compartilhamentos

Para que nada nos amarre,
que não nos una nada.

Pablo Neruda
Inserida por pensador
1 compartilhamento

Lágrimas não derramadas
esperam em lagos pequenos?

Ou serão rios invisíveis
que correm para a tristeza?

Pablo Neruda
Inserida por canismajor
1 compartilhamento

Por que não nos deram grandes
meses que durem um ano?

Pablo Neruda
Inserida por canismajor
1 compartilhamento

Quem saiu a viver por mim
quando eu dormia ou enfermava?

Pablo Neruda
Inserida por canismajor
1 compartilhamento

Filhos ...
'' Fizeste-me ver a claridade do mundo e a possibilidade da
alegria. Tornaste-me indestrutível, porque, graças a ti, não termino em mim mesmo. ''

Pablo Neruda
3 compartilhamentos

Para o meu coração basta o teu peito,
para a tua liberdade as minhas asas.
Da minha boca chegará até ao céu
o que dormia sobre a tua alma..."

Pablo Neruda
2 compartilhamentos

Loving is short, forgetting is long.

Pablo Neruda
Inserida por patricinha69
1 compartilhamento

Just knowing you're out there thinking about me,
Caring about me, makes me feel safe
So all my fears, all my yesterdays wash away,
And only hope remains in the promise of your embrace.

You make me thank god
for every mistake I ever made,
Because each one led me down the path
that brought me to you.

And when we finally come together,
I want you to hold me all night.
Stroke my hair,
tell me I'm a woman, and
show me you're a man.
Until there was only now;
you, and I, and now.

I do not ask of the night explanations,
I wait for it,
and it envelops me
And so you and bread and light and shadow are.
I'll be back when the wind and fates and chance bring me back.

Pablo Neruda
Inserida por misaelmissao
1 compartilhamento

A Noite na Ilha

Dormi contigo toda a noite
junto ao mar, na ilha.
Eras doce e selvagem entre o prazer e o sono,
entre o fogo e a água.

Os nossos sonos uniram-se
talvez muito tarde
no alto ou no fundo,
em cima como ramos que um mesmo vento agita,
em baixo como vermelhas raízes que se tocam.

0 teu sono separou-se
talvez do meu
e andava à minha procura
pelo mar escuro
como dantes,
quando ainda não existias,
quando sem te avistar
naveguei a teu lado
e os teus olhos buscavam
o que agora
— pão, vinho, amor e cólera —
te dou às mãos cheias,
porque tu és a taça
que esperava os dons da minha vida.

Dormi contigo
toda a noite enquanto
a terra escura gira
com os vivos e os mortos,
e ao acordar de repente
no meio da sombra
o meu braço cingia a tua cintura.
Nem a noite nem o sono
puderam separar-nos.

Dormi contigo
e, ao acordar, tua boca,
saída do teu sono,
trouxe-me o sabor da terra,
da água do mar, das algas,
do âmago da tua vida,
e recebi teu beijo,
molhado pela aurora,
como se me viesse
do mar que nos cerca.

- Em "Os Versos do Capitão"

Pablo Neruda
Inserida por misaelmissao
1 compartilhamento

Morre lentamente quem se torna escravo do hábito, repetindo todos os dias os mesmos percursos, quem não muda a marca, quem não se arrisca vestir uma nova cor, quem não fala com quem não conhece.
Morre lentamente quem evita uma paixão, quem prefere o preto no branco e os pingos nos "is", em vez de um remoinho de emoções, justamente aquelas que fazem brilhar os olhos, aquelas que fazem de um bocejo um sorriso, aquelas que fazem bater o coração diante dos erros e dos sentimentos.
Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz no trabalho, quem não arrisca a certeza pela incerteza para prosseguir um sonho, quem não se permite ao menos uma vez na vida, fugir dos conselhos sensatos.
Morre lentamente quem não viaja, quem não lê, quem não escuta música, quem não acha graça em si mesmo.
Morre lentamente quem destrói seu amor próprio, quem não se deixa ajudar.
Morre lentamente quem passa os dias se lamentando da própria sorte ou da chuva contínua.
Morre lentamente quem abandona um projeto antes de comecá-lo, quem não faz perguntas sobre assuntos que não conhece, ou quem não responde quando lhe perguntam sobre algo que domina.
Evitamos a morte em pequenas dores, lembrando sempre que estar vivo requer um esforço muito maior do que o simples fato de respirar.
Só a ardente paciência nos levará a conquistar uma esplêndida felicidade.
Texto de Pablo Neruda- Livro- A dança da Paz.

Pablo Neruda
26 compartilhamentos

É como se você estivesse pegando fogo por dentro.
A lua vive no forro de sua pele.

Pablo Neruda
Inserida por pensador

Tenho fome da sua boca, da sua voz, do seu cabelo,
e ando pelas ruas sem comer, calado,
não me sustenta o pão, a aurora me desconcerta,
busco no dia o som líquido dos seus pés.

Estou faminto do seu riso saltitante,
das suas mãos cor de furioso celeiro,
tenho fome da pálida pedra das suas unhas,
quero comer a sua pele como uma intacta amêndoa.

Quero comer o raio queimado na sua formosura,
o nariz soberano do rosto altivo,
quero comer a sombra fugaz das suas pestanas

e faminto venho e vou farejando o crepúsculo
te procurando, procurando o seu coração ardente
como um puma na solidão de Quitratue.

Pablo Neruda
Inserida por pensador