Marie von Ebner-Eschenbach

1 - 25 do total de 31 pensamentos de Marie von Ebner-Eschenbach

A força de vontade dos fracos chama-se teimosia.

Quanta gente sem talento ousa comentar a obra dos talentosos, dizendo: "Se soubesse fazer isto, tê-lo-ia feito melhor.".

O amor é tormento, a falta de amor é morte.

Na juventude, aprendemos; na maturidade, compreendemos.

Aprender constantemente e involuntariamente é próprio do génio.

Em cada homem de talento existe, escondido, um poeta; ele manifesta-se no escrever, no ler, no falar ou no ouvir.

A humildade torna-nos invulneráveis.

Os seres aos quais servimos de amparo são para nós um apoio na vida.

A virtude também é uma arte. Eis porque ela tem duas espécies de discípulos: os que a praticam e os que a admiram.

Aprender constantemente e involuntariamente é característico do génio.

O mundo pertence aos que querem possuí-lo, e é desprezado por aqueles que o deveriam possuir.

Todo o homem prefere manter contato com um velhaco bem-educado a mantê-lo com um santo mal-educado.

É mau se os dois cônjuges se aborrecem mutuamente; porém é muito pior se apenas um deles aborrecer o outro.

Há duas categorias de seres inteligentes: aqueles cujo espírito irradia e os que brilham: os primeiros iluminam à sua volta, os segundos mergulham-nos nas trevas.

Pouco vale a crítica que acredita só poder julgar uma obra de arte conhecendo as circunstâncias em que ela nasceu.

Haveria muito menos mal no mundo, se o mal não pudesse ser feito sob a aparência do bem.

Ter experimentado muitas coisas ainda não quer dizer que se tem experiência.

Nada se desperdiça tantas vezes e inexoravelmente como as oportunidades que se nos revelam todos os dias.

Na mocidade aprendemos, na velhice compreendemos.

Não acreditamos em reumatismo nem em amor verdadeiro até o primeiro ataque.

Confiar é uma prova de coragem e ser fiel uma prova de força.

Contentar-se com pouco é difícil, contentar-se com muito, impossível

"Os homens se assemelham aos vinhos: a idade estraga os maus e melhora os bons."

Somos tão fúteis que nos importamos mesmo com a opinião daqueles que não nos importam.

Excessões não são sempre a confirmação da regra antiga; elas podem também ser o precursor de uma nova regra.