Leônis da Silva

Encontrados 16 pensamentos de Leônis da Silva

O dia vestiu-se de luto,
e transformou-se em noite.
Apagou seu lampião do céu,
e acendeu seu abajur de prata.

Chegou cansado,
Arquejante,
Enlutado.

Deitou-se, mas não dormiu.
Ligou o rádio
Eram seis em ponto.

''Santa Maria, mãe de Deus,
Rogai por nós pecadores''.

Desligou

Acendeu um cigarro,
fez fumaça,
e desenhou São Jorge.
Na luz quarto crescente
Do abajur de prata.

Leônis da Silva
Inserida por onne

A terra seca
O vento que não sopra
os pássaros que não cantam
o sol que estremece as árvores;
Secas.
Maria na janela.
o sol queimando o vento
o vento que não sopra
o sol queimando Maria na janela
o bem-te-vi que não canta
Soalheira e silencio
Ar morto e viscoso
o céu sem nuvens
janela sem Maria
Um fim de janeiro, nos confins do sertão.

Leônis da Silva
Inserida por onne

No espelho dos teus olhos, Maria…
- bem-te-vis -
estradas de terra,
planícies de espinhos,
poeira suspensa,
... e só.

No voar dos teus cabelos, Maria...
-suiriris-
cancelas sem trancas,
peões com boiadas,
arames farpados,
...e só.

No vermelho dos teus lábios, Maria....
-colibris-
trovões de verão,
rajadas de vento,
uivando em meu peito,
...sem dó.

Leônis da Silva
Inserida por onne

CRISE DOS 13 ANOS
Tudo eu!
Tudo eu!
Tudo eu!...

... e assim,

engolindo o pranto
engasgando de cólera,
entre espasmos e soluços.
...
Um dia eu vou me embora...
Tomo chá de sumiço.
fujo dessa casa,
e não volto jamais.

Eu vou,
Um dia eu vou...
Na calada da noite,
por aquela portão, e em ponta de pés.

Me vou aos diabos e nem olho pra trás.
Que adoeçam de angustia e saudades de mim.

Sem deixar nem bilhete.
eu juro que vou.
...
... e assim,

mitigando choro,
abrandando os soluços
e cessando a cólera...
...
-Mãe, tem café??

Leônis da Silva

Há um pedaço de mim
que é noite
sem luz,
sem estrelas

(...)

O outro,
é luminescência.

Há um pedaço de mim
que é tormenta
vendaval,
furacão

(...)

O outro
aurora boreal.

Há um pedaço de mim
que é vulcão
explosão
chuva ácida

(...)

O outro
copos de neve.

Há um pedaço de mim
que é calor
ardentia
troposfera

(...)

O outro
cru inverno
frio polar
mesosfera.

Há um pedaço de mim
que te almeja e tem saudades

(...)

O outro também.
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
Este poema foi composto em uma noite de tempestades e calmarias, sob um céu nublado, sem lua e sem estrelas. Os relógios marcaram as 0:40hs e os termômetros 13 °. A pressão atmosférica era de 010.00mb, a humidade relativa dor ar de 93%, e os ventos sopravam a 13km / h.

Leônis da Silva
Inserida por onne

Nem a mesma rua,
Nem as mesmas casas,
nem as mesmas flores na janela.
As flores eram agora outras,
e outro também eram o seu perfume.
Meus pés pisavam outra rua,
Meus olhos, contemplavam outras faces.
Eles também eram outros.
Talvez mais duros, talvez mais frios.
Talvez por que não viu sua face,
Talvez por que não viu suas flores.
Senti areia sobre minhas córneas,
espinhos no meu coração,
e sob meus pés, paralelepípedos.

Leônis da Silva
Inserida por onne

É madrugada profunda
o vento das relvas bafeja
como se chamasse pelos guardiões da noite.
Meu peito é tácito e meus pulsos trepidam
Meus olhos são vaga-lumes encandecidos pelos faróis dos portos
Nenhuma luz trasmontana
Nenhuma estrela fugaz
Tudo é silêncio, escuridão e vazio.

Leônis da Silva
Inserida por onne

Acenderei mil velas e farei penitências
Queimarei meus lábios com vinagre e abrirei meu peito
com mil navalhas.
Meus olhos arrancarei e atirarei aos corvos.
Eloi! Eloi! Derramei uma lágrima de meu sangue impuro sobre o pó da estrada.
Eloi! Não vejo tua face.
Cuspirei no chão, farei lodo e cobrirei minhas chagas.
Eloi! Meu peito inflama e minha alma abrasa.
Eloí, Eloí, lemá sabaktani?

Leônis da Silva
Inserida por onne

Nos encontraremos no fim da tarde na mesma esquina de outrora.
Nos cumprimentaremos tímidamente sem olhar nos olhos
Sentaremos no mesmo café. Na mesma mesa de antes.
Pediremos dois cafés negros
-Com adocante senhor!
-Estas de dieta?
- Tô sim. Mas não que eu precise, sabe…
Tomaremos dois cafes negros. Um com açúcar cristal, outro com sacarina.
Trocaremos tímidamente meias palvras
-Senti sua falta…
Olharemos fixamente ao fundo da xicara e lacônicamente ao fundo do olhos.
Tomaremos o ultimo gole. Trocaremos meio sorriso.
-Clareaste os dentes?
-Sim, mas não que eu precise, sabe…
Tocaremos as mãos e logo os lábios.
Mudou tanto seu beijo. Já não é como antes
- É a sacarina. Deixa um sabor metálico, sabe…

Leônis da Silva
Inserida por onne

Venta lá fora. As janelas batem com ímpeto
tapando a vista de um céu misterioso.
o crepitar das arvores fazem notas musicais
São notas Graves. Sinistras.

Meu peito palpita agudo
Quiçá viestes com o vento que bate na minha porta.
Eras tu.

Oi, te trago flores silvestres . Sinta.
São rosas mosquetas colhidas dos vales
Cuidado com o espinhos.

Uma nota almíscar paira pela sala. Meu peito late grave
São notas do vento. Das arvores que crepitam. Das flores de rosa mosqueta
Você não veio. Veio a lembrança trazido pelo vento
A nota almíscar pairando pela sala.

Leônis da Silva
Inserida por onne

Te guardarei no armário Amélia
dentro de caixas amarelas
forradas de papel camurça.
Nos domingos tristes
te abrirei.
Olharei nos teus olhos pretos
e brancos.
Tragarei as lagrimas.
e afogarei os meus olhos.

Leônis da Silva
Inserida por onne

Os céus das minhas noites
Tem mais noites que estrelas

Às vezes as estrelas do meu céu
Deslizam pelo breu da noite
e se afogam no mar

São estrelas cadentes
metamórficas
Passageiras

Levam consigo a luz
Deixam rastros de poeira

Então eu fecho os meus olhos
por puro medo do escuro
e no escuro
rezo uma prece as três Marias virgens

Leônis da Silva
Inserida por onne

Ficas de vez em mim
E seremos um só corpo
e um só espirito

Adentraremos nas
Profundezas um do outro
E encontraremos o eu lírico
dos nossos corpos

Cantaremos juntos
o nosso cântico de amor
e espantaremos os corvos
que insistem em consumir-nos

Habita em mim
e seremos uma só carne
a mesma sangue
e o; mesmo sopro

Anoiteceremos então
de corpos dados
e de corpos dados
amanheceremos.

Leônis da Silva
Inserida por onne

Passava-se as tardes
entre trepadeiras
boa noites
cravos brancos
e dormideiras

As tardes eram sempre as mesmas

Os mesmos lírios
A mesma sala vazia
Os mesmos livros

Drumond
Lispector
Florbela
o menino
e a laranjeira em flor

Lá fora
abelhas enlouquecidas
embriagadas de polen
e perfume de azhar


As noites eram quase eternas

O morrer das prosas
crepitar da lenha
coaxar dos sapos

O menino e os lírios

candeeiro aceso
Refletindo os sonhos
No espelho dos olhos

Leônis da Silva
Inserida por onne

Meu Deus!

Olhai do alto os montes
a terra infértil e os desertos áridos

Semeai dálias, gerânios, e cravos brancos

Soprai a brisa do teu hálito fresco
Refrescai o ermo
Enxugai as frontes

Oh Deus!

Cultivai dálias
gerânios
e cravos brancos

Perfumai os vales
as pradeiras secas
e o deserto hostil do coração dos homens.

Leônis da Silva
Inserida por onne

Queria amanhecer-te
Respirar teu hálito de café fresco
carregado de açúcar
e orvalho.
Inalar teu cabelo
e sufocar-me de almíscar.

Mas tu me olhavas com os olhos da noite
Ofuscados de breu
Todavia sem brilho.

Queria dizer-te que tudo foi um pesadelo
Que a nossa laranjeira continuava em flor
e que as abelhas estavam enlouquecidas
pela primavera.

Mas tu me olhavas com os olhos de ontem
Muralhas de pedras
ofuscados de breu

Então respirei o hálito da matina
não o teu.
Um inebriante perfume de azahar
bafejado pela laranjeira em flor.

Leônis da Silva
Inserida por onne