Fabrício Carpinejar

26 - 50 do total de 256 pensamentos de Fabrício Carpinejar

MEDO DE SE APAIXONAR
Fabrício Carpinejar

Você tem medo de se apaixonar. Medo de sofrer o que não está acostumada. Medo de se conhecer e esquecer outra vez. Medo de sacrificar a amizade. Medo de perder a vontade de trabalhar, de aguardar que alguma coisa mude de repente, de alterar o trajeto para apressar encontros. Medo se o telefone toca, se o telefone não toca. Medo da curiosidade, de ouvir o nome dele em qualquer conversa. Medo de inventar desculpa para se ver livre do medo. Medo de se sentir observada em excesso, de descobrir que a nudez ainda é pouca perto de um olhar insistente. Não suportar ser olhada com esmero e devoção. Nem os anjos, nem Deus agüentam uma reza por mais de duas horas. Medo de ser engolida como se fosse líquido, de ser beijada como se fosse líquen, de ser tragada como se fosse leve. Você tem medo de se apaixonar por si mesma logo agora que tinha desistido de sua vida. Medo de enfrentar a infância, o seio que criou para aquecer as mãos quando criança, medo de ser a última a vir para a mesa, a última a voltar da rua, a última a chorar. Você tem medo de se apaixonar e não prever o que pode sumir, o que pode desaparecer. Medo de se roubar para dar a ele, de ser roubada e pedir de volta. Medo de que ele seja um canalha, medo de que seja um poeta, medo de que seja amoroso, medo de que seja um pilantra, incerta do que realmente quer, talvez todos em um único homem, todos um pouco por dia. Medo do imprevisível que foi planejado. Medo de que ele morda os lábios e prove o seu sangue. Você tem medo de oferecer o lado mais fraco do corpo. O corpo mais lado da fraqueza. Medo de que ele seja o homem certo na hora errada, a hora certa para o homem errado. Medo de se ultrapassar e se esperar por anos, até que você antes disso e você depois disso possam se coincidir novamente. Medo de largar o tédio, afinal você e o tédio enfim se entendiam. Medo de que ele inspire a violência da posse, a violência do egoísmo, que não queira repartir ele com mais ninguém, nem com seu passado. Medo de que não queira se repartir com mais ninguém, além dele. Medo de que ele seja melhor do que suas respostas, pior do que as suas dúvidas. Medo de que ele não seja vulgar para escorraçar mas deliciosamente rude para chamar, que ele se vire para não dormir, que ele se acorde ao escutar sua voz. Medo de ser sugada como se fosse pólen, soprada como se fosse brasa, recolhida como se fosse paz. Medo de ser destruída, aniquilada, devastada e não reclamar da beleza das ruínas. Medo de ser antecipada e ficar sem ter o que dizer. Medo de não ser interessante o suficiente para prender sua atenção. Medo da independência dele, de sua algazarra, de sua facilidade em fazer amigas. Medo de que ele não precise de você. Medo de ser uma brincadeira dele quando fala sério ou que banque o sério quando faz uma brincadeira. Medo do cheiro dos travesseiros. Medo do cheiro das roupas. Medo do cheiro nos cabelos. Medo de não respirar sem recuar. Medo de que o medo de entrar no medo seja maior do que o medo de sair do medo. Medo de não ser convincente na cama, persuasiva no silêncio, carente no fôlego. Medo de que a alegria seja apreensão, de que o contentamento seja ansiedade. Medo de não soltar as pernas das pernas dele. Medo de soltar as pernas das pernas dele. Medo de convidá-lo a entrar, medo de deixá-lo ir. Medo da vergonha que vem junto da sinceridade. Medo da perfeição que não interessa. Medo de machucar, ferir, agredir para não ser machucada, ferida, agredida. Medo de estragar a felicidade por não merecê-la. Medo de não mastigar a felicidade por respeito. Medo de passar pela felicidade sem reconhecê-la. Medo do cansaço de parecer inteligente quando não há o que opinar. Medo de interromper o que recém iniciou, de começar o que terminou. Medo de faltar as aulas e mentir como foram. Medo do aniversário sem ele por perto, dos bares e das baladas sem ele por perto, do convívio sem alguém para se mostrar. Medo de enlouquecer sozinha. Não há nada mais triste do que enlouquecer sozinha. Você tem medo de já estar apaixonada.

Fabrício Carpinejar
672 compartilhamentos

Evoluir não é melhorar. A lagarta jura que a borboleta é a sua decadência.

Fabrício Carpinejar
59 compartilhamentos

Até hoje não diferencio os cogumelos venenosos dos sadios. Como descobrir o que mata sem morrer um pouco por vez?

Fabrício Carpinejar
247 compartilhamentos

A vida com erros de ortografia
tem mais sentido.
Ninguém ama com bons modos.

Fabrício Carpinejar
296 compartilhamentos

- Desejo passar o resto da minha vida com você.
- Não, uma vida com você nunca será resto.

Fabrício Carpinejar
287 compartilhamentos

Chega um momento
em que somos aves na noite,
pura plumagem, dormindo de pé,
com a cabeça encolhida.
O que tanto zelamos
na fileira dos dias,
o que tanto brigamos
para guardar, de repente
não presta mais: jornais, retratos,
poemas, posteridade.
Minha bagagem
é a roupa do corpo.

Fabrício Carpinejar
93 compartilhamentos

Liberdade na vida é ter um amor para se prender.

Fabrício Carpinejar
108 compartilhamentos

Os amigos são próprios de fases: da rua, do Ensino Fundamental, do Ensino Médio, da faculdade, do futebol, da poesia, do emprego, da dança, dos cursos de inglês, da capoeira, da academia, do blog. Significativos em cada etapa de formação. Não estão em nossa frente diariamente, mas estão em nossa personalidade, determinando, de modo imperceptível, as nossas atitudes.
Quantas juras foram feitas em bares a amigos, bêbados e trôpegos? Amigo é o que fica depois da ressaca. É glicose no sangue. A serenidade.

Fabrício Carpinejar
395 compartilhamentos

O amor tem uma consciência louca do futuro, de fazer passado com o futuro. A paixão vive fora do tempo. O amor vive no tempo porque deixa rastros. Paixão se esquece, e amor nem enterrando acaba.

Fabrício Carpinejar
704 compartilhamentos

"Na infância.. Bastava sol lá fora e o resto se resolvia."

Fabrício Carpinejar
481 compartilhamentos

Não deixo de acreditar nas coisas porque não existem. Eu também posso me inventar para elas.

Fabrício Carpinejar
119 compartilhamentos

"Atendi o pedido de meus pais, de não falar com estranhos e até hoje não me escuto."

Fabrício Carpinejar
270 compartilhamentos

Adeus, meu amor, logo nos desconheceremos. Mudaremos os cabelos, amansaremos as feições, apagarei seus gostos e suas músicas. Vamos envelhecer pelas mãos. Não andarei segurando os bolsos de trás de suas calças. Tropeçarei sozinho em meus suspiros, procurando me equilibrar perto das paredes. Esquecerei suas taras, suas vontades, os segredos de família. Riscarei o nosso trajeto do mapa. Farei amizade com seus inimigos. Sua bolsa não se derramará sobre a cadeira. Não poderei me gabar da rapidez em abrir seu sutiã. Vou tirar a barba, falar mais baixo, fazer sinal da cruz ao passar por igrejas e cemitérios. Passarei em branco pelos aniversários de meus pais, já que sempre me avisava. O mar cobrirá o desenho das quadras no inverno. As pombas sentirão mais fome nas praças. Perderei a seqüência de sua manhã - você colocava os brincos por último. Meus dias serão mais curtos sem seus ouvidos. Não acharei minha esperança nas gavetas das meias. Seus dentes estarão mais colados, mais trincados, menos soltos pela língua. Ficarei com raiva de seu conformismo. Perderei o tempo de sua risada. A dor será uma amizade fiel e estranha. Não perceberei seus quilos a mais, seus quilos a menos, sua vontade de nadar na cama ao se espreguiçar. Vou cumprimentá-la com as sobrancelhas e não terei apetite para dizer coisa alguma. Não olharei para trás, para não prometer a volta. Não olharei para os lados, para não ameaçá-la com a dúvida. Adeus, meu amor, a vida não nos pretende eternos. Haverá a sensação de residir numa cidade extinta, de cuidar dos escombros para levantar a nova casa. Adeus, meu amor. Não faremos mais briga em supermercado, nem festa ao comprar um livro. Não puxaremos assunto com os garçons. Não receberemos elogios de estranhos sobre nossas afinidades. Não tocaremos os pés de madrugada. Não tocaremos os braços nos filmes. Não trocaremos de lado ao acordar. Não dividiremos o jornal em cadernos. Não olharemos as vitrines em busca de presentes. O celular permanecerá desligado. Nunca descobriremos ao certo o que nos impediu, quem desistiu primeiro, quem não teve paciência de compreender. Só os ossos têm paciência, meu amor, não a carne, com ânsias de se completar. Não encontrará vestígios de minha passagem no futuro. Abandonará de repente meu telefone. Na primeira recaída, procurará o número na agenda. Não estava em sua agenda. Não se anota amores na agenda. Na segunda recaída, perguntará o que faço aos conhecidos. As demais recaídas serão como soluços depois de tomar muita água. Adeus, meu amor. Terá filhos com outros homens. Terá insônia com outros homens. Desviará de assunto ao escutar meu nome. Adeus, meu amor.

Fabrício Carpinejar
184 compartilhamentos

Não desejo encontrar alguém que me complete, é pouco, mas que me transborde, até o final cansar e ser só início.

Fabrício Carpinejar
139 compartilhamentos

Agradeço meus limites. Não me suportaria infinito. Os limites são vantagens.

Fabrício Carpinejar
103 compartilhamentos

Temos a ilusória sensação de que estamos certos. Mas o certo é nunca usar o poder ou a superioridade para impor uma perspectiva. Só ganha no amor quem não quer ganhar.

Fabrício Carpinejar
185 compartilhamentos

Se alguém me achar, me devolva.

Fabrício Carpinejar
153 compartilhamentos

Quando estamos sozinhos, somos pela metade.
Quando somos dois, somos um.
Quando deixamos de ser um dos dois, não somos nem a metade que começamos a história.

Fabrício Carpinejar
72 compartilhamentos

A paz me deixa nervoso - acho sempre que é tédio.

Fabrício Carpinejar
33 compartilhamentos

Abaixo as melhores máximas que eu já li do Fabrício Carpinejar:

"Escrever não é desistir de falar, é empurrar o silêncio para fora."

"Liberdade na vida é ter um amor para se prender."

"A cafonice é sutil. Basta abrir o terceiro botão da camisa e o homem elegante já se torna brega."

"Os piores estragos são feitos por quem avisa que não queria incomodar."


"As traças só devoram os livros que não são folheados."

"O preconceito é um pensamento parado."

"Há gente que escolhe um prato no cardápio e pede para tirar praticamente tudo dele. Já é um outro prato."

"Egoísmo: quando sou generoso comigo."

"Se você acredita que ninguém está reparando quando você dirige, por que sempre é avisado quando a porta do seu carro está aberta?"

"Há gente que confunde amizade com desleixo e deixa o amigo sempre para depois."

"Quando alguém diz que se sente em casa, desconfie, pode não ser um elogio."

"Muitos não suportam a democracia. Não toleram a ideia de ser um voto vencido."


"O gênio não é o que tem boas ideias, é o que reconhece e aceita as ideias dos outros."


"Cama tem que ser espaçosa para renunciarmos a folga e ficarmos apertados um no outro."


"Porta-retrato é gaiola de gente."

"As árvores é que começaram com essa moda de tatuar o nome do amado na pele."

"O twitter é o guardanapo digital."

"Sou generoso para proteger meu egoísmo. Dou um livro de presente para não emprestar o meu exemplar."

"Direito de resposta só existe em relações sem passionalidade. Nos casais com fúria, a resposta é um dever."

"Da foto quadrada do porta-retrato à foto redonda da lápide. Viver é cortar arestas."

"O culpado por viver será aquele que vai dizer "desculpe por qualquer coisa"."

"Não sou homem certo para você. O problema é que tampouco sou o errado."

"O avô do twitter é o parachoque do caminhão."

"Acreditar na ausência de Deus é também uma fé."

"Casamos para perder a razão e nos separamos para defendê-la."

"Total contradição do amor: queremos conhecer quem amamos e, ao mesmo tempo, desejamos que seja imprevisível."

"Quem confessa os erros não significa que está arrependido, pode estar se antecipando à crítica."

"Não me tornei mais verdadeiro com o tempo, fiquei apenas sem paciência."

"Escrevo somente quando recebo ordens. Por isso tenho dupla personalidade. Sou vassalo de mim."

"A maior frustração para quem gosta de brigar é ouvir que tem razão no início da conversa. Terá que desativar seu arsenal de argumentos."

"O pecado não me constrange, o que me constrange é explicá-lo."

"Há gente que ama mas odeia estar apaixonada por aquela pessoa."

"O amor é perversamente sutil. Amar e gostar de amar podem não acontecer ao mesmo tempo."

"A verdade envergonha bem mais do que a mentira."

"A sinceridade não pode ser maior do que a educação."

"Quando o homem alega que ela entendeu errado, ele quer dizer que ela entendeu rápido demais."

"Casa mal-assombrada não é quando está vazia e abandonada, é quando fica cheia de parentes."

"Relações não terminam enquanto um dos dois não se declarar culpado."

"A ambição da fofoca é virar denúncia."

"Sofremos antecipado para não sofrer tudo de uma vez e acabamos por sofrer tudo de uma vez várias vezes."

"Quem pede conselho amoroso quer apenas que o amigo concorde com aquilo que já definiu em segredo."

"O elogio não me amolece, mas me enrijece."

"Quando uma frase atinge o maior sucesso e se transforma em provérbio, ninguém mais lembra do seu autor. A glória é o anonimato."

"Mal-educado não é o que deixa alguém falando sozinho, é quem fica falando sem se importar em ser ouvido."

"O cinismo é uma raiva muito educada."

"Não desprezo o boato. Toda notícia foi antes fofoca."

"Quando um não quer, daí é que os dois brigam."

Fabrício Carpinejar
15 compartilhamentos

...Os amigos são para toda a vida, ainda que não estejam conosco a vida
inteira. [...] Amizade não é dependência, submissão. Não se tem amigos
para concordar na íntegra, mas para revisar os rascunhos e duvidar da
letra.É independência, é respeito [...] O que é mais importante: a
proximidade física ou afetiva?[...]Assim como há os amigos imaginários
da infância, há os amigos invisíveis da maturidade. Aqueles que não
estão perto podem estar dentro. [...] Amigo é o que fica depois da
ressaca. É glicose no sangue.A serenidade.

Fabrício Carpinejar
2.6 mil compartilhamentos

Até que a morte nos separe é muito pouco pra mim. Preciso de você por mais de uma vida.

Fabrício Carpinejar
391 compartilhamentos

"O mundo não é limitado, reduzimos o mundo pela preguiça de enxergar."

Fabrício Carpinejar
48 compartilhamentos

O que se adia não será cumprido depois."

Fabrício Carpinejar
33 compartilhamentos

"Machucamos com a voz, mas para torturar mesmo só com o silêncio."

Fabrício Carpinejar
1.6 mil compartilhamentos