Biografia de Fabrício Carpinejar

Fabrício Carpinejar

Fabrício Carpinejar é um poeta, jornalista e professor universitário, tem diversos livros publicados e também é reconhecido por seus blogs.

Carpinejar, como ele próprio assina, nasceu em Caxias do Sul - Rio Grande do Sul, no dia 23 de outubro de 1972. Logo cedo foi morar em Porto Alegre, onde mais tarde cursou Jornalismo na Universidade Federal do Rio Grande do sul (UFRGS). No primeiro ano da faculdade publicou seu primeiro poema na revista da Faculdade de Comunicação.

Carpinejar ganhou destaque por suas obras literárias e também por seus vários blogs onde publica muitos de seus textos e escreve sobre outros assuntos pertinentes, como futebol. É também muito requisitado para participar de eventos e dar palestras.

No início, Carpinejar trabalhou na imprensa, e em 1998 publicou seu primeiro livro: “As Solas do Sol”. Desde então, Carpinejar escreveu diversas obras, entre elas: "Meu Filho, Minha Filha", "Canalha", "Diário de Um Apaixonado" e "Mulher Perdigueira". Foi agraciado com diversos prêmios, como o "Prêmio Nacional Olavo Bilac" da Academia Brasileira de Letras no ano de 2003.

Acervo: 276 frases e pensamentos de Fabrício Carpinejar.

Frases e Pensamentos de Fabrício Carpinejar

...Os amigos são para toda a vida, ainda que não estejam conosco a vida
inteira. [...] Amizade não é dependência, submissão. Não se tem amigos
para concordar na íntegra, mas para revisar os rascunhos e duvidar da
letra.É independência, é respeito [...] O que é mais importante: a
proximidade física ou afetiva?[...]Assim como há os amigos imaginários
da infância, há os amigos invisíveis da maturidade. Aqueles que não
estão perto podem estar dentro. [...] Amigo é o que fica depois da
ressaca. É glicose no sangue.A serenidade.

Meu maior medo é viver sozinho e não ter fé para receber um mundo diferente e não ter paz para se despedir. Meu maior medo é almoçar sozinho, jantar sozinho e me esforçar em me manter ocupado para não provocar compaixão dos garçons. Meu maior medo é ajudar as pessoas porque não sei me ajudar. Meu maior medo é desperdiçar espaço em uma cama de casal, sem acordar durante a chuva mais revolta, sem adormecer diante da chuva mais branda. Meu maior medo é a necessidade de ligar a tevê enquanto tomo banho. Meu maior medo é conversar com o rádio em engarrafamento. Meu maior medo é enfrentar um final de semana sozinho depois de ouvir os programas de meus colegas de trabalho. Meu maior medo é a segunda-feira e me calar para não parecer estranho e anti-social. Meu maior medo é escavar a noite para encontrar um par e voltar mais solteiro do que antes. Meu maior medo é não conseguir acabar uma cerveja sozinho. Meu maior medo é a indecisão ao escolher um presente para mim. Meu maior medo é a expectativa de dar certo na família, que não me deixa ao menos dar errado. Meu maior medo é escutar uma música, entender a letra e faltar uma companhia para concordar comigo. Meu maior medo é que a metade do rosto que apanho com a mão seja convencida a partir com a metade do rosto que não alcanço. Meu maior medo é escrever para não pensar.
(trecho de Pais e filhos maridos e esposas II)

Uma relação nem sempre termina porque não é feliz. Às vezes termina para preservar a felicidade da memória.

Alguém dentro de mim mente para me proteger.

O AMOR NO COLO

A dor não pede compreensão, pede respeito. Não abandonar a cadeira, ficar sentado na posição em que ela é mais aguda.

Vejo homens que não têm coragem de terminar o relacionamento. Que não esclarecem que acabou. Que deixam que os outros entendam o que desejam entender. Que preferem fugir do barraco e do abraço esmurrado. Saem de mansinho, explicando que é melhor assim: não falar nada, não explicar, acontece com todo mundo.

Encostam a porta de sua casa (não trancam) e partem para outra vida.

Não é melhor assim. Não tem como abafar os ruídos do choro. O corpo não é um travesseiro. Seca com os soluços.

Não é melhor assim. Haverá gritos, disputa, danos. É como beber um remédio, sem empurrar a colher para longe ou moldar cara feia. É engolir o gosto ruim da boca, agüentar o desgosto da falta do beijo.

Será idiota recitar Vinicius de Moraes: "que seja infinito enquanto dure". A despedida não é lugar para poesia.

Haverá uma estranha compaixão pelo passado, a língua recolhendo as lágrimas, o rosto pelo avesso. Haverá sua mulher batendo em seu peito, perguntando: "Por que fez isso comigo?"

Haverá a indignação como última esperança.

Haverá a hesitação entre consolar e brigar, entre devolver o corte e amparar.

Vejo homens que somente encontram força para seduzir uma mulher, não para se distanciar dela.

Para iniciar uma história, não têm medo, não têm receio de falar.

Para encerrar, são evasivos, oblíquos, falsos. Mandam mensageiros.

Não recolhem seus pertences na hora. Voltarão um novo dia para buscar suas coisas.

Não toleram resolver o desespero e datar as lembranças. Guardam a risada histérica para o domingo longe dali.

Mas estar ali é o que o homem precisa. Não virar as costas. Fechar uma história é manter a dignidade de um rosto levantado, ouvindo o que não se quer escutar. Espantado com o que se tornou para aquela mulher que amava. Porque aquilo que ela diz também é verdade. Mesmo que seja desonesto.

Desgraçadamente, há mais desertores do que homens no mundo.

Deveriam olhar fora de si. Observar, por exemplo, a dor de uma mãe que perde seu filho no parto.

O médico colocará o filho morto no colo materno. É cruel e - ao mesmo tempo - necessário. Para que compreenda que ele morreu. Para que ela o veja e desista de procurá-lo. Para que ela perceba que os nove meses não foram invenção, que a gestação não foi loucura. Que o pequeno realmente existiu, que as contrações realmente existiram, que ela tentou trazê-lo à tona. Que possa se afastar da promessa de uma vida, imaginar seu cheiro e batizar seu rosto por um instante.

Descobrir a insuportável e delicada memória que teve um fim, não um final feliz. Ainda que a dor arrebente, ainda é melhor assim.