edineide almeida

Encontrados 3 pensamentos de edineide almeida

Doeu acordar e saber que você não estava mais ao meu lado...
Abrir os olhos e não te perceber;
Amanhecer sem o seu "bom dia";
Sem a tua boca na minha;
Não, não era inverno.
Era a primeira vez sem você;
O primeiro amanhecer sem teu beijo.
E o frio me cortava a pele,
Me agredia a alma,
Me tomava para si, como se permitido fosse.
Teu abraço que me esquantava o ventre,
Eu não o tinha mais...
Fui te perdendo, você me deixando,
E não tive voz, calei-me,
Não soube pedir: Fique mais um pouco.
Nem o sol quis ver-me,
Cobriu-se em uma pesada e negra nuvem,
Recusou-se ver os meus olhos
A te pedir: Não se vá...
Era tarde, você não me ouvia mais.

edineide almeida

Porque choramos?
Despejamos um mar de lágrimas
Pelo que não veio,
Ou apareceu e não era o que pretendíamos.
Desaguamos quando a desilusão bate na porta,
Ou quando na porta bate alguém
Com um maço de flores na mão.
Nos derretemos de alegria
Quando quem nos quer,
Adentra em nossas vidas.
Mas, também, vamos à lona
Quando nos desapontamos
Com quem viria trazer alegria.
Choramos sim,
Porque percebemos que somos vulneráveis,
Pequenosdiante a dimensão do desconhecido.
Fragilizados depencamos,
Como se fracos fossemos,
Porém, não é covardia.
É apenas a maneira que nos resta
De demonstrarmos que,
Ao chorar, temos a possibilidade
De nos reabilitarmos e de proibirmos que,
Outra vez,
Sejamos esfaqueados na alma.
Chorar é admitir que, certamente,
Aptos estaremos
Para que o novo não mais nos surpreenda.

edineide almeida

Hoje eu tomei um porre!
Fiz uma mistura de
Saudades e lembranças.
Misturei-as e estava
Pronto o drinque que me
Levaria onde eu queria ir.
Fiquei meio tonta,
Me embriaguei sem perceber,
Em leves goladas,
Cheguei em você.
Nem notei quantos copos enchí.
Lembro-me que poucos me bastaram,
Pois aí, eu já havia perdido a noção
De tempo, espaço, ou de onde poderia chegar.
Rapidamente uma gota salgada
Adentrou a uma última dose,
Era uma lágrima, uma única,
Que te suplicava.
Então outras desceram,
Me ví embriagada de
Saudades e lembranças.
E, como quem alcoolizado, de fato
Chamei, repetidas vezes, a nina
Que mora em mim...
Estava sim, ébria de
Saudades e lembranças.

edineide almeida
44 compartilhamentos