Biografia de Clarice Lispector

Clarice Lispector

Clarice Lispector (1920 - 1977) foi uma escritora e jornalista brasileira que nasceu na Ucrânia e se mudou para o nosso país durante os primeiros anos de vida. Considerada uma das maiores autoras nacionais do século XX, ela ficou eternizada sobretudo pelas obras de romance, contos e crônicas. 

Alguns dos seus livros, como A Paixão Segundo G.H. (1964), Felicidade Clandestina (1971) e A Hora da Estrela (1977), são verdadeiros clássicos da literatura brasileira. 

Clarice Lispector por Maureen Bisilliat

Origens e juventude da autora

Chaya Pinkhasovna Lispector nasceu no dia 10 de dezembro de 1920, em Tchetchelnik, na Ucrânia. Seus pais eram judeus russos que tiveram que abandonar a Europa, com as filhas, devido ao aumento da perseguição antissemita. 

Quando tinha apenas 2 anos, ela chegou ao Brasil com os pais e as irmãs mais velhas, Leah e Tania, depois de uma longa viagem de navio. Aqui, seu nome foi alterado, para ser mais parecido com o idioma português: assim, Chaya se tornou Clarice. 

A família se estabeleceu em Recife por muito tempo, onde a mãe das meninas faleceu. O amor pela literatura surgiu ainda durante a infância: com apenas 9 anos, Clarice já escrevia peças de teatro e contos. Mais tarde, ela se mudou para o Rio de Janeiro com o pai e as irmãs, onde cursou Direito na Universidade Federal. 

Começou a trabalhar na imprensa, em 1942, colaborando posteriormente com publicações como “A Noite”, “Diário da Noite”, “Correio da Manhã”, “Manchete” e “Jornal do Brasil”. Um pouco mais tarde, também se iniciou no campo da tradução literária. 

Inspirada por grandes autores do Modernismo, como Fernando Pessoa e Carlos Drummond de Andrade, ela continuou escrevendo longo da juventude. 

Carreira literária e maiores sucessos 

Em 1943, Clarice lançou a sua primeira obra, o romance Perto do Coração Selvagem, que apresentava uma visão interiorizada do mundo e da adolescência. O livro foi bem acolhido pela crítica e galardoado com o Prêmio Graça Aranha, marcando o início de uma carreira brilhante. 

Seu gênio literário foi confirmado através de diversos livros que conquistaram a admiração de leitores e críticos. A obra Laços de Família (1960) reúne contos da autora que narram epifanias do cotidiano. Já A Paixão Segundo G.H. (1964) é um romance fascinante que acompanha o encontro inesperado de uma mulher com uma barata. 

Em Felicidade Clandestina (1971), encontramos narrativas breves que se centram nas temáticas da infância, da adolescência e das relações familiares. A Hora da Estrela (1977), seu romance mais célebre, segue o destino solitário de Macabéa, uma nordestina vivendo no Rio de Janeiro. 

Sua produção literária é extensa e diversa, entre romances, contos, crônicas e obras infantis. Entre as suas traduções, se destacou o romance de terror Entrevista com o Vampiro (1977), da norte-americana Anne Rice.

Uma das vozes mais importantes da terceira geração do Modernismo brasileiro, Clarice sobrepõe cenas cotidianas com profundas reflexões psicológicas, filosóficas e existenciais, possibilitando um mergulho na vida interior e secreta dos sujeitos, no universo particular de cada um. 

Vida privada e familiar de Clarice Lispector 

Clarice começou a namorar Maury Gurgel Valente quando ambos estudavam na Faculdade de Direito; após a formatura, ele se tornou diplomata. Em 1943, quando ela obteve a nacionalidade brasileira, os dois se casaram e passaram a viver em Botafogo. 

No ano seguinte, o marido precisou viajar para a Europa e a autora teve que acompanhá-lo. Primeiro, o casal se fixou em Nápoles, na Itália, onde ela se tornou voluntária num hospital militar. Depois, passou longas temporadas na Suíça e nos Estados Unidos, devido às obrigações do diplomata, viajando também pelo resto da Europa e pelo continente africano. 

Pedro Lispector Valente, o primeiro filho, nasceu em 1948. Alguns anos depois, em 1953, nasceu Paulo Gurgel Valente. Os períodos que a escritora passava longe do Brasil foram piorando os seus sintomas de depressão. Assim, em 1959, ela pediu o divórcio e se mudou, com os filhos, para o Rio de Janeiro. 

Morte e legado da escritora

Após uma luta contra o câncer de ovário, Clarice Lispector faleceu em 9 de dezembro de 1977, na véspera de completar 57 anos. Dois dias depois, seu corpo foi sepultado no Cemitério Israelita do Caju. 

Suas obras se tornaram cada vez mais populares, principalmente a partir da década de 80. Surgiram novas edições, coletâneas póstumas, traduções para outros idiomas e diversos trabalhos acadêmicos centrados na sua escrita. 

Em 2009, o historiador e crítico norte-americano Benjamin Moser descreveu a sua trajetória em Clarice, Uma Biografia, satisfazendo a curiosidade dos leitores sobre uma autora que sempre foi considerada enigmática e até incompreensível. 

Porque há o direito ao grito. Então eu grito.

(Clarice Lispector, A Hora da Estrela)

Acervo: 1876 frases e pensamentos de Clarice Lispector.

Frases e Pensamentos de Clarice Lispector

Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro.

Clarice Lispector
52 mil compartilhamentos

Renda-se, como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei. Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento.

Clarice Lispector
41 mil compartilhamentos

Sim, minha força está na solidão. Não tenho medo nem de chuvas tempestivas nem das grandes ventanias soltas, pois eu também sou o escuro da noite.

Clarice Lispector
25 mil compartilhamentos

Liberdade é pouco. O que eu desejo ainda não tem nome.

Clarice Lispector
14 mil compartilhamentos

Saudade é um pouco como fome. Só passa quando se come a presença. Mas às vezes a saudade é tão profunda que a presença é pouco: quer-se absorver a outra pessoa toda. Essa vontade de um ser o outro para uma unificação inteira é um dos sentimentos mais urgentes que se tem na vida.

Clarice Lispector
16 mil compartilhamentos