Bruna Ramos dos Santos

Encontrados 8 pensamentos de Bruna Ramos dos Santos

Solidão
Aumenta na multidão
Como pode?

Bruna Ramos dos Santos
Inserida por BrunaRamos

Amadurecer demais é apodrecer. Tornar-se incômodo, azedo, mal cheiroso, intolerável.

Bruna Ramos dos Santos
Inserida por BrunaRamos

Queria expor toda minha ingratidão ao meu receio
Mas ele foi embora quando fui sincera

Bruna Ramos dos Santos

As palavras ditas são restos de coisas
Que fogem do nosso coração, quando cheio
Elas precisam sair
Nem que seja pela boca

Bruna Ramos dos Santos
Inserida por BrunaRamos

Entre minhas palavras traduzo um contexto
Que nem se interessa em ter fim ou começo.
Eu sou assim mesmo...
Meio cão sem dono,
Sem endereço.
Minha vida é Deus
Não os meus planos.
Entre palavras descrevo fragmentos dos meus pensamentos
Que ousam confundirem-se com meus sentimentos a todo instante.

Bruna Ramos dos Santos

Amor do Avesso

O amor machuca
Chega de repente
Invadi sem olhar pra ti

O amor...
Ele não é da gente
Ele é um ambulante
Com fome, desesperadamente com fome!
Que está passando e se aloja
E sai sem se despedir

O amor é um indigente
Com frio nos pés querendo se esquentar

O amor é fogo é vento é ar
São as formas vitais da minha solidão acompanhada por ele
O amor não é uma companhia
O amor é um clichê
Que sufoca a liberdade
Que atinge o coração
Prometendo felicidade
Sabe-se lá por que...
E por quê não?

Bruna Ramos dos Santos
Inserida por BrunaRamos

Amor impróprio

Tem coisas minhas que eu não sei onde guardei:
Minha sutil forma de encerrar um amor quando não é amor
Assim mesmo sem cicatriz, nem bom dia.
A doce maneira de improvisar um sorriso
Quando não há graça.
A imaginação, enfim...
Aquela forma poética de rimar os dias.

Onde eu coloquei meu Deus?
Deve ter evaporado de tanto que corri
To tentando decifrar os rastros
Mas, estão gastos.
(Pelo menos eu sobrevivi)

Como estou perdida
E não encontro os fragmentos
Isso leva um tempo
E gera certo medo
Vou te deixar amor
Escorregar entre os meus dedos
E quando eu me encontrar
Se não quiser mais segurar a minha mão
Eu a usarei pra acenar
Esfregar os olhos depois do choro
E juntarei elas frente a face
Com os joelhos dobrados, ignorando a dor
Pedindo assim
Que eu nunca mais me perca
Quando encontrar um amor

Bruna Ramos dos Santos

Pra chegar lá...

Pra dar certo, ora temos
Mania de andar contra a maré
Erguer os braços, pular onda
Forçar, forçar
Pra chegar lá

No trajeto, nada reto
Engolir areia é brincadeira
Os olhos ardem, peixe cru na goela
E lá vai ela
Contra a maré
Passos largos, pular, pular
Forçar, forçar
Chegar rápido lá

E lá no fundo
Que ingratidão
Fui apesão
Pra me afogar?

Quem sabe se tivesse dito
Não sei nadar...
Prefiro peixe frito, água doce e mergulhar.

Bruna Ramos dos Santos
Inserida por BrunaRamos