Ariane de Moura

1 - 25 do total de 84 pensamentos de Ariane de Moura

O arco da flecha

⁠Deslizando entre os dedos ,deixando
Seu veneno, que por sua vez seria
Seu néctar.
Descobriu meu corpo nu ,
Impôs sobre mim o seu poder que
Emanava dos seus olhos ,
Aurora cintilante , és o sol que irradia
Meu amanhã , a área quente e fria .
Dissipa de mim o aroma, suspira de
Me seu ardor.
Conte para me nossa história de amor .

Inserida por Ariane28

Dona

Tem os olhos mais profundos que a imensidão do mar , parece uma tempestade reivindicando o que é seu por direito , eu sou sua ela diz .
É como o arder do calor nos dias de noites longas , é como o assoprar do vento em tardes frias do pôr do sol.
Azul turquesa , balançava eminente no meu coração , dois passos para frente .....
Suspirou , um, dois, três , pensou suspirou
Dane - se ela pensou ...
Em fim me beijou .

Inserida por Ariane28


Paliativo

Peça-me , ao brilhar com seus passos na minha direção, conturbe minha mente
Inundando , isso ou aquilo de emoção.
Quente , frio , bom ruim eu já nem sei .
Fui levada pela emoção , traída pelo meu pobre coração....
Que castigo, que castigo tão somente eu nessa ilusão.
Fiz morada no suspiro, balanceiro sonhar .
Quem és tu , querida , quem és a me indagar.

Inserida por Ariane28

Alma vagante

Abra os olhos , abra os olhos meu cérebro repetiu .
Vem como sono vagarosamente
Alma intima, vozes sons semelhantes
Eu já te vi antes , indagou-me .
Não certamente eu não me esqueceria respondi .
Inquieto coração faz tremer o peito
Que de não ter jeito se cansou de ter ilusão.

Inserida por Ariane28

Vidro

Embaçando o box do banheiro
A água fervente passeia no meu corpo
Escorre da cabeça ao pés , passa pelo meu corpo e sai pelo ralo .
Inundando- me flui as ideias .
Quanta coisa boa eu posso fazer outras nem tanto não eu deveria cruzo as pernas e me encosto na parede, escuro úmido mas não frio .
É tão quente que consigo suar enquanto me molho .
Aquela sensação na nuca de ser observando aquele arrepio na pontas da orelha.
Sumiu o sussurro .

Ausência⁠


Quantas vezes a espera , se faz presente na ocasião , amores perdidos distendidos
Remanescentes da dor e da ilusão ,
Quem sabe atros sensação , cúmplices amantes , quem pode titular tal sentimento , quem ?
Aqui ali , quando , por onde ou porque .
O que o coração diz a você , bem se o coração é só um músculo porque ele dói quando sofremos , nem os físicos explica
Pobre coração , pobre musculo sentimental .

Inserida por Ariane28

⁠se esvai

É inútil cegar-me diante disso
Parece que o tempo ,me pregou uma peça
Ansioso coração
Mãos e pés suados
Olhar desviado
Pernas apertadas , contra as mãos
Entre os dedos foram embora
Tempo lembranças ilusão
Ram essa teoria da conspiração
Essa mania
Oh destino seu sem noção
Levou embora , trouxe de volta
Ahhhhh que droga
Como é que fica meu coração

Inserida por Ariane28

Aqui jaz um amor

⁠Pensei, respirel ahhhhhhhh
Abri a porta
E fui , eu fui embora de você
Fui embora das migalhas que me oferecia

Finalmente eu pude ir
Pude ver a aurora que em me encandeia
Eu fui
Fui embora de me

Quando para você eu abrirá a porta Finalmente eu pude respirar
Com o amanhecer ver o sol e sentir o calor Finalmente me libertei da prisão de ser sua

Finalmente a minha verdade nua e crua
Eu posso ver
Eu fui
Finalmente eu fui embora de você.

Inserida por Ariane28

Quebrou

Escureceu , de repente veio até me
Aquela sensação e se
Ao calar-me dei sinais , é o fim
É chegada a hora tão temida por mim

Hoje agora e para sempre lamentarei
Por ser tão tola assim
Em mil cacos meus cacos se partiram
Ensanguentados diluem a minha razão

Parece apagar vagarosamente
Aquela luz que brilhava firme
Hoje ofuscada pela desenlusão
Fim sem mais delongas

Sem sombras sem paixão
Somente o fim sem razão

Inserida por Ariane28

⁠Maçã podre

Mais uma vez eu estava só
Mais uma vez eu chorei sozinha
Entre as paredes escuras
E um travesseiro molhado

Dolorosamente me desfiz
Calei meus sentimentos de angústia
Senti cada linha se desfazer
Percebi devia ficar muda.

Lavados com água salgada
Separados como o bem e mau
Sufocados reprimidos
Engasgados , refletidos
Po fim.

Cuspidos ...

Inserida por Ariane28

⁠Amor doente

Veio como brisa nos dias quentes de verão
Soprou feito tempestade acenando o fim
Encandeia com o sorriso
A primeira miragem.


Saciei meus devaneios , relutei com a despedida
Impetuosa inconstância
Revelaste algo dentro de me
Quem seria além de te.

Sois o rio que derrama as águas
O vinho que mata minha sede
E seca minha boca
Infortúnio é te amar.

Minha bruxa maléfica

Inserida por Ariane28

⁠intocável

Por entre as ruas e vielas
Por todas as cartas amarelas pelo tempo
Em cada pétala que cai
Em cada gota de chuva .

Entre os fios do meu cabelo negro
Em cada minina particula
Naquela sala cor de folha seca ,
Dancei ,com a sintonia perfeita.

Brilhava ao amanhecer
Era seus olhos fugindo da ira
Era meu eu quente naquela pira
Eu queimei você.

Inserida por Ariane28

Violei-me ⁠

As palavras são cuspidas da minha boca
Vagarosamente, empurradas para fora
Jorradas como rio em forte correnteza
Destilando da garganta pela língua.

Em um engasgar seco eu repeti
Estou dissipada, navegou no meu sangue
Me encabulou zombando de mim
Jogo na mesa quem da as cartas?

Suspense , mistério não tão mistério assim
Envergonhado pior de todos os golpes baixos ,
Essa piada o amor .

Inserida por Ariane28

O lamento do violão

Da janela , a chuva caia
Escorria nos vidros
Dançava gota a gota
Faziam ziguezagues .

Meus olhos acompanhavam
De um lado para o outro
Tic tac, tic tac
Voltas e meia com os polegares.

Um passo um suspiro,
Declinando a cabeça
Lamentava por algo perdido
Ou simplesmente

Por não ter nada a dizer ...

Inserida por Ariane28

O gosto das uvas

Revirei-me outra vez
A cama fez jus ao meus pensamentos
Meus segredos sonhos ,meus medos , Derrepente aquela sensação ,

Aquela de, encontrei eu achei
Achei o que eu procurava ,
Pobre mente atormentada .
Insana infundada ,

Dar me as mãos e só flutue
Pise nos degraus imaginários
E sonhe junto a me
Essa história sem pudor.

Quem é você ?
Quem és tu que chegas de mansinho Aproximando uma pedra por vez .
Um estalar de garganta , um dois três

É vinho,tinto ,suave, seco, tardio doce
Ou passado , eu não sei
A me só me resta esperar
Por esse breve encontro talvez.

Inserida por Ariane28

⁠Relatos de quatro rodas

Meros pés pernas andantes
Tapados conformados
Hipocrisia todos os dias
Passo a passo .

Palavras e palavras confusas
Sou só mais um mortal
De conflitantes pensamentos
De esperas revoltantes

O que diz a sua mente
Melhor o que guarda
Sorrisos , choro alegria pedidos
Dor desespero

Rum nesse passar infinito
Nesse declínio maldito
O tempo, gozador do ser .

Inserida por Ariane28

⁠Ida

Talvez eu fique por aí
Só talvez eu me negue a ir ,
Sinto o gosto do sangue morno na boca
O ferrugem do travar dos dentes.

Aquela porta escura que não deve ser aberta
Aquele fio de angústia
Que sai do peito esvaindo pelas costelas
A sensação do assoviar da morte .

Alguém puxa o fio
Eu sinto na minha carne
Palavras ,infinitas palavras despedida
Pobre alma ,vagante atormentada.

Inserida por Ariane28

⁠cupido

O que é amar pra você
Uma explosão de dor
Agonia se agarrar nos detalhes
É cegar-se pra não ver .

Permitir que alguém invada você
Toda dor causada cria uma casca
Uma ferida que não sara
Não cicatriza.

Corte as asas de um pássaro
E ele não voará
Quebre o coração de alguém
E até respirar fica difícil .

Sim meu coração foi partido
Esmagado pisoteado
Mastigado
Servido

Inserida por Ariane28

"⁠Maldita seja


Eu não sabia que amar doía tanto
Eu não imaginava
Que me destruiria
Nunca pensei.

Quão dilacerante seria
Dar meu coração
Uma praga desconfortante
Dor escruciante .

Luta de amor e ódio eterno
Quando um não , doía até os ossos
Que queres que te faça
Maldita seja .

Maldita bruxa devassa
Deveria queimar-te ,
Mas a única coisa que queima
É meu desejo de te .

Malditas labaredas
Eu sou a própria fogueira .

Inserida por Ariane28



Mais uma madrugada
Em que a insônia
O abismo sem fim me engole,
Mais um finito tempo .

Entre espaço e pensamentos
Corroe, roendo
As minhas borboletas no estômago
Que hoje não passam de cinzas .

Que amargam a minha boca
Que me causam enjôos
Mais um dia em que a única coisa que muda
É o meu humor.

"Arco iris"

Serei pra sempre sua,
Vagas palavras dentro do meu coração
Que se partiu em pedaços
Não tão vagas assim.

Aquelas palavras escritas que gritaram,
Pra sempre para todo sempre
Até alguém ouvir
Tanto a ser dito, nada que os sentidos Possam ouvir

Mergulhei
Aqui estou eu, tomada atordoada
Ai ,coração maldito
So fazes zombar de me

Escreverei milhões de palavras
Pintarei todas as ruas de azul rosa ou amarelo ou vermelho
Eu beijarei seus pés e sentirei seu cheiro Minha, minha eu repito

"Sua"
Eu escutei

Ariane de Moura

Inserida por Ariane28

⁠Quando um vaso se quebra

Cavando uma saída sem fim
Doi quando eu respiro
Meu coração sangra
E meus olhos se molham

São duas linhas distintas, em caminhos separados
Não importa quantas vezes eu chore
Sera minhas mãos a enxugar meu próprio rosto.

Como explicar tanta dor
Como te fazer viver e sentir
Escrevendo as aqui
Como te mostrar aquela pontada?

Seguida de falta de ar
Junto a engasgo de melancolia
Como dizer escrevendo , sinto ,
Eu sinto , sinto se partirem

Como ossos secos
Jorram como sangue de uma artéria
Como cinzas quentes
De uma árvore em chamas

Inserida por Ariane28

Te venero

Tempestade, furacão de sentimentos mútuos
Dilacerou meu coração , arremessando
Minha alma nesse mar de paixão

Chovia em mim e molhava minha boca
Desejando , minha pele e meus beijos quentes
Escorria pelo meu corpo com a boca

Sentia meu cheiro , eu sentia seu
Você me chamava , eu te ouvia
Te seguia , eu tinha sede de você
Queria beber te como vinho

Queria sugar te como mel em meus dedos
Queria deslizar minha língua e sentir
Cada gosto seu
Não é da carne , e do desejo é do beijo
Seu seu cheiro

Seus beijos seu delírio por mim
Minha , sua ,sua suspira geme
Pra mim
Bebe da minha boca
Nosso fogo e desejo

Eu ⁠ louca por te

Inserida por Ariane28

⁠Minhas palavras

Eu dou um passo no escuro
Navego entre as linhas do destino
Eu brinco com cada palavra
Dedilhada nas cordas de um violão.

Eu não digo as palavras ,
Eu as transpiro,
As faço carne da minha carne
As faço sentir por se próprias .

São viscerais , do profundo
Metódicas consistentes
Quase com vidas
Se não, vivas.

Você pode dançar com elas
Canta-las educa-las endireita-la
Melhor sussurra-las , grita-las
Por fim guarda-las .

Inserida por Ariane28


"Infame

Olhei e vi seus olhos
Naquelas gotas de chuva
Que molhava seus cabelos
Dançamos .

Estava hipnotizada , com seu ar de que
Nós podemos ser tudo que quisermos ser
O mundo é seu é meu é nosso
Nas linhas tênue do seu corpo .

Fio a fio eu puxei, te trouxe pra mim
Daquela água que escorria de você
Eu bebi , destilando pela minha boca
Encurralada não resisti .

Pedi um beijo ,
Quando me negou
Eu o tomei pra mim.

Inserida por Ariane28