Naeno Rocha: PENSO Acordo de madrugada como de...

PENSO

Acordo de madrugada como de espanto,
Olho para o teu lado e não vejo o teu lado,
Tampouco vejo o teu corpo ali.
Corro à porta, abro o visor e não vejo,
As marcas escuras das árvores
Que sempre estiveram ali.
E não te vejo, chamo e não te escuto,
Saio... e recuso ver o que vejo,
A ausência de tudo,
Cadê o mundo, em mim dentro, perguntam,
Cadê teu sono... tudo foi como retirado,
Por máquinas silenciosas enquanto eu dormia.
Mas meu amor, o que queriam como o meu amor,
Já que me deixaram, e eu só não sou semente
Para repovoar o mundo. Porque o meu amor
Foi confundido com uma porta, um armário,
O que queriam com isso, já conseguiram,
Já formiga o meu corpo inteiro por esta façanha,
De extremo mau gosto, um pressuposto jeito
De me deixarem louco.
Só que o que não sabem é que já levantei louco,
Eu não tenho amor, eu grito e morro por um inexistente,
Eu não tenho casa e a porta que eu abrira
Foi a mesma que abro quando estou insone
Rolando no leito desta calçada, abri o meu coração.
E quando abro o meu coração tudo se escapa,
A natureza, que não reconheço ser,
As sombras múltiplas que considero ser eu,
Amor, eu nunca tive, mal sei chamar a palavra,
Por achar bonita e simbólica aprendi,
Ouvindo de outros que tinham,
E passavam de dedos laçados por sobre esta calçada.
naenorocha

1 compartilhamento
Inserida por naenorocha