Paulo Augusto: Vôo, sim! Na fantasia despida das Tuas...

Vôo, sim!

Na fantasia despida das Tuas poesias.
Vejo, sim!
Pela luminosidade do Teu sorriso.
Reflito, sim!
No brilho dos Teus olhos.
Respiro sim!
No ar quente que expiras...
E a mim, inspira estes
Sonetos sem Teu nome.

Navego, sim!
Nas tempestades advindas dos Teus versos.
De ventos tão fortes - que não assinas...
Que de tão flamantes
- sacolejaram e incendiaram
as velas da minha nau sem rumo.

Caminho, sim!
Nos Teus poemas em busca de um horizonte.
Parto sem rotas nem mapas.
Sem guias e sem vias.
Mas, abro portas,
Atravesso pontes,
Transponho montes e,
Encontro fontes que saciam
A sede, que me provocas!

A mim, pouco importa aonde vou chegar...
Tampouco sei o que vou buscar.
Só sei que na volta sempre me assusto...
Trago dentro de mim o que não busco?...
Mas, vazio não volto!

Na ida algo levei dentro de mim
No meio do caminho algo deixei.
Na volta, colhi o que plantei
Engrandeci com o que aprendi.

Pois, se nas pedras tropeçei e caí
a passagem dos outros não impedi.
Essa é a lição que tirei dessa viagem que fiz:
Plante uma flor e semearás: Amor.

O Amor, é como uma flor e a erva daninha
- existe em todos os caminhos da nossa vida.
Ele nasce, cresce se nós não o cultivarmos...
Ele morre!
Soneto Solene

1 compartilhamento
Inserida por vesthaluna