Layara Sarti: Um coração dilacerado e o resgate....

Um coração dilacerado e o resgate.
Nobre garota dos olhos de jabuticaba que escondia tormentas passadas secretadas somente a ela, tinha decidido de vez não sofrer mais, cansou das idealidades não respeitadas, arrancou teu coração em um só movimento brusco e rude, guardou em um baú com detalhes de ouro e prata, trancou a sete chaves, todas umas diferente da outra, na ponta havia um pequeno coração cravado de cor escarlate, um arame farpado envolveu todo baú e colocado dentro de uma caixa maior, trancou e o jogou no mar, foi afundando calmamente, indo para o fundo do oceano, escondendo-se. O vento lhe fazia carícias suaves, teu coração por mais doce que seja foi jogado no mar, só o mais nobre cavalheiro o resgataria e tomaria para si, por mais que odiasse fazer isso, era a coisa certa, era o que tinha que ser feito. Fantasiava todos os dias, que um dia apareceria alguém que salvasse teu coração, ria com gosto e chorava esperanças, tão só e solitária, perdida em seus dramas banais que lhe enchiam a cabeça durante as matinas e os crepúsculos. Em uma noite singular, pôde ter ouvido o barulho de uma pedrinha titilar em tua janela, agarrou-se no lençol florido, e colocou uma mão sob teus olhos, amedrontada, imaginou coisas insanas e de um mundo longínquo, uma segunda pedrinha foi lançada e em seguida viu a sombra de mãos refletindo na cortina, deveria ter pelo menos um ato de coragem, arrancou-se da cama, foi abrindo as cortinas, com as mãos tremendo incessantemente, fechou os olhos por alguns segundos e depois de a cortina estar toda aberta, foi abrindo os olhinhos devagarzinho. Oh céus! Difícil de acreditar, se alguém lhe contasse acharia que era lorota, mexeu nas mechas de cabelo e ajeitou o sorriso, jorrava esperança pelos teus olhos, voltou a acreditar no amor, teu coração fora resgatado das profundezas do mar. Zé estava todo molhado segurando o baú na frente dela, olhou-a no fundo dos olhos negros e balbuciou algumas palavras, eternizo-te Zé. Meu rapaz corajoso e destemido que se atreveu a explorar as profundezas do mar imaculadas, cura meu coração e o guarde contigo, beije-o suavemente e não o abandone. Sussurra amor nos ouvidos para quem deseja ouvir, grita felicidade e esqueça esse passado doentio e escrupuloso que andara me aterrorizando por várias noites inquietantes, se esconda pela casa, atrás das portas, perto das roseiras ou debaixo dos pisos, mas se esconda, para que minha ânsia de te encontrar todos os dias pela manhã não suma, que seja contínuo, quando pensar que estás atrás de mim, sentir teu calor chegando perto do meu corpo, entrarei em uma vertigem exagerada, duplique tua fragrância na cama, levantes primeiro e faça café, você ou eu, com pouco açúcar, nossa vida já é doce demais. Saia para trabalhar e prometa-me voltar e eu prometo te esperar, aguardando você, de certo e inquietante, tal amor acompanhado e de tal ternura, eu tão singular me vi plural.

1 compartilhamento
Inserida por layarasarti