Ismael Azevedo: É permissível a mim por mim, saber que...

É permissível a mim por mim, saber que posso trabalhar até a exaustão e não me sentir cansado para o dia posterior, pois o trabalho é uma força motriz. Sentir os sabores e provar que sempre haverão dissabores, e que esses dissabores são tão importantes quando o mais saboroso caviar, afinal assim entenderei melhor a razão que move cada um, e dessa forma levar cada um a viver a vida numa boa. Amar incondicionalmente e provar que somos condicionados por nós mesmos a acreditar em amores que são loucuras, e que essas loucuras serão sempre as motivadoras das nossas vidas amorosas, de minha vida amorosa (quando tenho uma). E dessa forma aprender que só há uma razão para a vida, que é apenas viver, independentemente de qualquer outra coisa devemos viver, viver muito, por que tudo na vida haverá de passar, e amanhã sempre poderá ser um dia melhor.
Bastando a mim fazer valer cada, lágrima, suor, sorriso, dor, choro, abraço, afago, tantas outras coisas que definimos como: Carinho, Atenção, Emoção -; Não devemos desperdiçar, devemos usar tudo quando vier. Se for lágrima que venha rios delas, se for dor que seja pior que um dente cariado, se for grito que minhas cordas vocais rasguem, se for sorriso que eu não me importe com as forças de expressões faciais que porventura não saiam mais de meu rosto já cheio delas.
Quero apenas lembrar que devo me permitir ser intenso o quanto quiser ser. Que minha mãe (nossa mãe) me pôs no mundo, para o mundo. E lembrar ainda que no final tudo será sempre eu e eu mesmo, enterrado, cremado ou apenas abandonado, mas serei apenas eu, um amontoado daquilo que fui e boas histórias ou estórias na boca dos demais para aos ventos das conversas que se vão, animá-los com aquilo que fui ou que dizem ter sido em vida, coisas que não fui, mas in mortis ei de ser.

1 compartilhamento
Inserida por MaelAzevedo