Ariadne Soiuky: Eu não sou de ferro, eu penso, eu...

Eu não sou de ferro, eu penso, eu sinto, tenho sentimentos... Choro quando é preciso , as vezes até quando é desnecessário, dou altas gargalhadas, adoro sorrir, fico triste, fico alegre, depende da situação. Não consigo ser indiscreta quanto ao que sinto, prefiro demonstrar do que sofrer calada, não sou do tipo de pessoa que tem vergonha de dizer o que sente, de dizer que ama, de fazer gestos e tomar atitudes de amor, demonstro facilmente para que todos saibam que quem eu amo é sempre único.

Adoro ver o pôr-do-sol, gosto de sentir o cheirinho de terra molhada, sou louca por perfume, não vivo sem chocolate, sou bem criança as vezes, mas quem não tem uma criança dentro de si?

Acordo cedo para ir à aula e volto tarde, me esforço , mas nem sempre consigo o desempenho que preciso para atingir minhas metas, me decepciono com coisas inúteis e relevo as mais absurdas.

Me escondo do dia e as vezes o escuro me dá medo, sou sensível a palavras agressivas e odeio palavras de conforto que venham acompanhada de falsidade.

Gosto de fazer amizades, sou boa com as palavras, sei ser uma amiga legal para todas as horas, adoro ajudar quem precisa e oferecer meu ombro à alguém que precise, assim como muitas vezes quem precisa sou eu. Posso ser vista cmo falsa por querer sempre ajudar aos outros, mas não, eu só desejo o bem de quem convive comigo. Gostar de fazer amizades, não significa que tenho milhões de amigos, mas simplesmente tenho ao meu lado e conservo aqueles que realmente me fazem bem. Me apego muito rápido as pessoas, não gosto disso, pois muitas me magoam sem saber, por não me conhecerem direito.

Adoro conversar com pessoas mais velhas que tenham uma tragetória de vida parecida com a minha, sinto que me entendem com mais facilidade e que desse modo não irão me decepcionar, mas isso não é verdade. Embora eu sempre deposite total confiança em alguns, sempre há aqueles que te flertam pelas costas...

Eu adoro me jogar aos quatro ventos, sentir a brisa bater em meu rosto, sentir o poder da liberdade, sentir calafrios, tremedeira nas pernas, friozinho na barriga ...
Já tentei entender o que se passa na cabeça de pessoas que cometem crime, assédio, matam, abusam, mas não consegui, me senti um tanto quanto fraca, mas logo percebi que não tem explicação.

Não achei resposta para muitas das perguntas que ousei fazer, agora fico na curisosidade tentando me entender...

Sou livre para me expressar tomar devidas atitudes e opinar, mas as vezes o medo me impede de grandes realizações. As vezes me sinto fraca por não consegur passar por cima da minha falta de segurança, já procurei ajuda, mas ainda não obtive resposta... Tentei organizar meus pensamentos e fazer uma limpa no meu baú, mas as cicatriz nele deixadas, isso não mais tem cura. Cicatrizes boas e ruins, algumas trazem dor , outras saudades, outras lembranças, recordações... Poderia viver sem muitas delas, mas são bem estas que não me deixam!

São tantos mmentos, tantas coisas que queremos e não podemos, tantas lugares que desejamos estar, tantas pessoas queremos ter, mas muitas delas não nos convém...

Já tive altas vezes, vontade de desistir, desistir não sei do que, mas de me isolar do mundo e esquecer que eu existo, talvez... desistir de viver!

Entao será que alguém consegue me entender??

5 compartilhamentos
Inserida por AriadneG