Itarcio A. L.: A vida é mesmo estranha. Pior do que o...

A vida é mesmo estranha. Pior do que o comentário previsível da maioria sobre essa frase ser óbvia, é a constatação de que ela faz sentido na realidade mais limpa de imposições.

Você já quis algo que não sabia o que era? As vezes saudades de uma pessoa que se foi, ou de um sonho que se perdeu. Essas duas podem ser igualmente tristes, se o sonho for a única coisa que você tiver na vida.

Eu me reverso entre variados e excêntricos gostos e vontades, com pouco sentido ou sentido nenhum, milhões de sensações em doses curtas e longas, superficiais e profundas, - em uma explicação excessivamente limitada. Me incomoda o sentir demais, como se qualquer arranhadura fosse uma hemorragia que necessitasse de cirurgia, cada vento frio congelasse o corpo todo e me cremasse a qualquer fraco aquecer.

Mas o sentir demais não me intriga tanto quando a variação com que alterno entre os estados de espírito. Posso amar em demasia ou não expressar sequer reação de sentimento, e isso pode sim ser sincero. Quando já definimos, mesmo que confusos, escolhas que nos levam a diferentes caminhos, a pior decepção provavelmente acompanhe o primeiro amor, o inocente e a posterior perda mental da inocência. Se caso der sorte, tu pode fazer parte do percentual mínimo, aquele das pessoas que se casaram por algo maior que decisão inteligente.

Eu posso ser de direita e esquerda, conservador ou rebelde, encarar as tecnologias facilitadoras como evolução humana ou como razão de todos os problemas. As vezes quero abraçar todas as pessoas, em outras explodir o mundo inteiro. A louca sensação de querer resolver coisas que fogem de minhas capacidades em soluções drásticas e me mantenho apático aos meus verdadeiros problemas. Confio e desconfio em milésimos do tempo. Posso ser alegre e triste, ser taxado de termos modinhas, (aqueles que usam pra nos limitar); viajar entre os extremos e não demonstrar nenhum deles, ou mesmo expressar o que por dentro não existe, desenhar sobre o rosto formas que escondam o que não quero que vejam. As vezes gostaria de ser mais específico, é esquisito não poder me definir. Todas essas possibilidades que juntas formam milhares de outras me cansa o pensamento. Amo e odeio em simultâneo, e as vezes não encontro palavras pra descrever o que sinto. Me irrita explicar a raiva quando esta domina, ou mesmo a tristeza quando conceituá-la só a faz crescer. Talvez por isso correr do mundo em momentos assim continua sendo a melhor opção.

As pessoas nos perguntam, e não significa que queiram mesmo saber sua situação ou vai sentar de teu lado e ouvir teus problemas. A pergunta é algo incrível. Mesmo que não falemos nada, o silêncio é uma resposta livre de interpretações. Não se esconde tantos mistérios e segredos quanto em um ou mais segundos de silêncio em momentos ditos decisivos. Nossa aptidão em dar importância a palavras, sons, imagens, voz. A subjetividade do silêncio em suas reações parece parar o tempo, e só importa um sentido, todos os outros param ao seu momento.

Por aí já encontrei vários possíveis amores, muitos 'quases esquecidos' entre as poucas chances de deixarem o virtual. A distância é cruel em sua essência, torna possível a aproximação parcial, que resiste por algum tempo a ausência física até o encantamento do explorar o desconhecido diminui e torna tudo talvez tão igual antes, talvez ainda mais vazio, ou talvez até melhor, - parafraseando Exupéry.

Eu prossigo só, e ainda sem entender nada. Companhia é ilusão. Somos corpos solitários e sempre seremos, companhia é um estado, não uma condição. Se sujeita as mudanças do tempo, dependendo de outras pessoas pra sensações além do comum. Quanto dura esses momentos é o que define quanta motivação temos na vida. E tem gente que não tem nada, sozinho só. Esses sim viram de perto a face do abandono.

Me falta o ar, desaparecem as palavras, pensar consome, cansa, e pensar demais entristece. Sempre voltamos do caminho dos questionamentos com mais dúvidas do que fomos. Uma coisa aqui e ali resgata resquícios de forças, sorrisos, e eu posso não sorrir hoje, mas nenhum momento tem controle do tempo. Acontecem quando e quanto deveria. São tantos momentos vagando no ar, momentos bons tu procura, momentos ruins te acham.

2 compartilhamentos
Inserida por itarcio