Kamylla Cavalcanti: Se viram pela primeira vez numa...

Se viram pela primeira vez numa biblioteca, muita gente ao redor, ela exausta de tanto trabalho ele lá de pára-quedas tentando ajudar...atarefada nem percebeu nos olhares que ele a direcionava...muito trabalho,olhos inchados de noites mal dormidas,corpo cansado,cabelos mal tratados...como que iria imaginar que alguém notaria ela naquele estado?ele notou...e com tanto empenho que uma fileira de livros derrubou quando ela de relance o olhou.
O tempo passou...E ele na biblioteca nunca mais pisou...’que estranho,cadê o menino da impressora?’(ele havia consertado a impressora dela outrora) perguntava ela ‘sumiu’ respondia seus amigos.
Último dia em Fortaleza, todos malucos para curtir tudo que o trabalho não havia deixado aproveitar...’depois do expediente vamos ao pagode’ ela estava sem ânimo...cansada...com o mundo na cabeça e uma vontade de cai na cama e só acordar depois de três meses mas pensou ‘ah eu vou não tenho nada a perder’ e foi...tentou colocar a melhor roupa(estava se sentindo um caco)se maquiou com o maior empenho pra disfarçar as olheiras entrou no carro e prometeu se fazer feliz naquele dia...
Não demorou muito pra elas e suas amigas notarem o carro que as seguiam, cheio de funcionários e no meio de todos o menino da impressora que ela nem ao menos se lembrava o nome mas que naquela noite ela o achou especialmente bonito...o coração bateu e sentiu aquele frio no estômago...uma sensação estranha de ver na frente tudo que ela sempre quis...
O pagode estava cheio...pessoas afim de se divertir, dançar, azarar...de tudo menos ficar só...E os olhares deles se encontravam como que numa sinfonia...ela ria ele sem jeito desviava o olhar "uma dança ao menos...será que ele dança?"ele não dançava mas seu amigo o convenceu e ela o tirou pra dançar...desajeitado e tímido ela ria de não poder mais ‘eu não sei dançar te avisei’falava ele quando pela quinta vez seu pé pisou ‘não importa eu te ensino’ tentava passar segurança de uma professora de academia de dança... Saíram do pagode e foram pra outra balada...ele de perto dela não saia e a medida que eles conversavam ela se encantava... ela falava de um jeito que o deixava aprisionado,anestesiado ‘que voz doce’pensava ele 'não quero nunca mais parar de ouvi-la'...mas ele foi embora ‘tenho que levar os meninos pra o hotel’ a noite acabou pra ela naquele momento...de manhã foi à praia todos estavam menos ele...queria saber quem ele era não perguntou muito ‘será que seria bobo da minha parte perguntar dele ao seu melhor amigo?’ relutou enquanto pode mas perguntou, entre elogios e rasgação de seda de amigos de infância veio a informação mais importante daquela lista de coisas que ela já sabia só ao olhar pra ele ‘ele vai se casar...falta um mês...’ levou um tombo naquela hora ‘não pode ser’ sentiu uma dor mas suportou...respirou bem fundo e tentou olhar o mar e rir das bobagens dos amigos...
Voltou pra casa e do desejo de tê-lo não se livrou...o fato do coração dele ser de outro alguém não inibiu seus sentimentos que se aprofundavam cada dia que passava, mas enfim decidiu não mais se esconder...vou lutar...é ele quem eu quero ter...não vou deixar fugir essa sensação...entre conselhos e avisos pegou o telefone dele com uma amiga, demorou dois dias até ter coragem de ligar, e numa manhã de terça-feira ligou... ‘oi sou eu lembra de mim?’ ele lembrou...conversaram como dois amigos e nada mais...parecia que dos olhares apaixonados ele tinha se esquecido...mas ela não desistiu e sempre que podia ligava pra saber como ele estava...até que um dia decidiu dizer-lhe o que sentia ‘penso em você todos os dias...sei que não é certo mas não consigo fugir’ o silêncio do outro lado do telefone foi inevitável, foram os 2 minutos mais demorados de toda sua vida ‘também penso em você...desde o primeiro dia que te vi...fugi enquanto pude mas não posso mais evitar...’ nessa noite nenhum dos dois dormiu...a paixão fervilhava a dúvida de ambos ‘que confusão estou me metendo’...
Durante dias dormiam sempre com a voz um do outro desejando boa noite... a paixão parecia não mais caber nas palavras nem nos poemas que ele a recitava...decidiram se ver ‘domingo no shopping da cidade’ antes marcaram um almoço ele não pôde ir mas ela no seu trabalho foi lhe encontrar, estava lindo...de vermelho...com um olhar doce de quem esperou a vida toda pra encontrá-la...ele a viu e não conseguiu parar de abraçá-la a sensação de que ela iria embora pra nunca mais voltar o atormentava...não se beijaram mas se sentiram...se abraçaram incontáveis vezes e se olharam...embriagados de uma paixão que nascera com data e hora marcada pra morrer...
Domingo de sol...Vestido lilás...cabelos cor de mel...olhos negros,fortes...inevitavelmente apaixonados.Às 14 horas lá estava ela no banquinho da praça de alimentação, linda, emocionada...sentindo lá no fundo que poderia sonhar...que hoje o luau que ele a prometera iria acontecer...que hoje os beijos que ele a desejara iria receber...hoje ele iria ser dela e ela dele...Mas o tempo passou...seu olhar começou a desfalecer e no celular uma mensagem veio avisar ‘não poderei ir...acho que o destino não nos quer’ chorou...como uma menina que se perdeu dos pais em pleno shopping em dia de natal chorou...e saiu de lá voando...foi a primeira praça que viu e entre lágrimas prometeu nunca mais ligar...nunca mais nele pensar... Não cumpriu...quando ele a pediu pra ligar não exitou...ligou e se derreteu ao ouvi-lo dizer ‘você não me merece...’ voltaram a se falar e a paixão só fez aumentar...já não conseguia dormir sem com ele falar...sabia que estava perdida mas uma semana antes do casamento dele, marcou o último e derradeiro encontro e disse entre lágrimas ‘depois desse dia acabou meu Deus,mas preciso tê-lo nem que seja pela primeira e última vez...’
Nesse dia saiu cedo do trabalho...foi pra casa e dentro do ônibus chorou...sentiu o ardor de uma despedida inevitável e raiva de si mesmo por nutrir um sentimento que não ia dar em nada só em dor...chegou em casa tomou um banho e da primeira vez que olhou o armário viu o mesmo vestido lilás ‘acho que vou usá-lo’ se arrumou e recebeu uma mensagem teve medo de ler...mas leu ‘liga pra mim agora plis’ ligou...ele disse que iria se atrasar pois iria provar o terno do casamento ela concordou mas quando desligou o telefone se sentiu a mais boba de todas por fazer isso com ela ‘não adianta ele não me ama o suficiente pra acabar com essa farsa mas dessa farsa não vou mais participar’ de ser mera coadjuvante ela cansou...ligou pra ele e como uma última chance perguntou ‘você quer sair comigo?acha que valerá a pena’ o silêncio do outro lado da linha respondeu...’seja feliz’ suspirou com uma dor que não sabia que podia existir... desligou o telefone e se encolheu em sua cama prometeu a Deus não mais chorar mas chorou... No dia do casamento dele colocou o celular pra despertar às 10 da manhã hora oficial do casamento...acordou ligou o som e escutou a canção que tanto os embalaram:
'[...]Já que você não está aqui
O que posso fazer
É cuidar de mim...
Quero ser feliz ao menos
Lembra que o plano era ficarmos bem...'
Voltou a dormir entre lágrimas e culpa e sonhou entrando numa igreja com decoração de copos de leite...em tons de vinho e prata...ele de terno preto,gravata cinza...ela linda de um vestido que reluzia,brilhava...os olhos de ambos brilhavam como numa noite de lua cheia...'sim, eu aceito'!

1 compartilhamento
Inserida por kamylla23