Eduardo Pádua: Queria entender o que pretende o...

Queria entender o que pretende o coração, quando apronta destas que deixa a gente sem palavras, com as mãos tremulas e um aperto tremendo nele próprio. Ah, coração ingrato de tanto sofre pelo próprio desengano chega a parar, para mostra que existe, e que mesmo sabendo que não se pode controlar, volta a bater mesmo descompassado pela dor da perda. Queria entender esse órgão miserável, enganador que faz confundir amizade, com amor. Amor! Este adjetivo impróprio, incerto, ignóbil, que machuca mais do que constrói e que nos prende em um caleidoscópio eterno, numa metamorfose de sentidos que às vezes não nos leva a nada.
Mais se amar é sofre, e ter um coração, e viver na incerteza. Vivo, vivo pela ilusão de saber que amei mais do que podia, e que irei sofre mais do que eu queria.
Tentei descrever o que passava pelo teu coração mais parei em um obstáculo maior, a incerteza de um futuro, que te coloca distante do meu...
Oh, órgão ingrato, sem amor próprio não sabes que não podes profetizar e nem muito mesmo ver o futuro, como se atreve a adivinhar o sentimento alheio... Perdoa, perdoa, por favor, por querer tentar predizer o que tu sentes, mas aceita o meu sentimento que dele eu tenho certeza é verdadeiro e esta lá, não sei dizer o que é com exatidão, mas tem me deixado sem palavras, com as mãos tremulas e um tremendo aperto no coração quando estou longe de você.

2 compartilhamentos
Inserida por poetarum