Rafael Archer: E assim sem saber quanto tempo me resta...

E assim sem saber quanto tempo me resta vou levando minha vida. Meu passado ainda me traz muitas lembranças, todas as marcas que trago e não consigo apagar me castigam de alguma forma, é um sentimento sufocante que me prende a situações que não quero mais viver. Nunca fui bom em me cuidar, sempre fiz tudo ao extremo e passei muitas vezes dos limites e transgredi algumas regras pensando que ser rebelde era provar que eu era maior. Meu maior engano era pensar que fazendo isso seria feliz, meus amigos ficariam impressionados, não medi o mal que isso a mim causava.
Olho hoje pro presente sem muitos anseios, queria apenas aquietar meus demônios e aprender a conviver pacificamente com aquilo que não sou.
Hoje me vejo egoísta e sem vontade de apreciar futilidades que outras pessoas veneram. Me tornei ser inquietante, em busca de uma explicação maior pro que aparentemente é a vida em sociedade. Muitas vezes me pego pensando em me isolar, mas me basta um dia inteiro em minha própria companhia pra ver que seria insuportável aceitar essa condição.
Não procuro ninguém quando saio na noite, tento me encontrar em meio aos sorrisos e abraços de amigos e amantes que vejo na minha frente, será que me pus tanto a me encontrar que toda essa gente me é chata? Sou ser instrospectivo que se permite mostrar os dentes quando tento em uma roda de pessoas que não vejo graça nenhuma mostrar algum interesse, minha vontade só é sair dali o mais rápido possível.
Penso todo dia que tenho cada vez menos tempo pra realizar, mas me sinto incapaz de mudar a situação, de fazer, de sair do conforto e enfrentar a felicidade plena de me encontrar naquilo que creio fará algum sentido na minha vida. Ando vazio, amores vazios, garrafas vazias, coração cheio de emoções que se aprisionam com medo de mais uma vez se desapontar ao se entregar.
Ando meio assim, meio assado, meio levando com a barriga, levo do jeito que vão me guiando, vou levando e cada vez mais recluso, perdendo cada dia mais minha identidade que agora questiono se algum dia tive. A tristeza me é recorrente, se tornou amiga, permiti que muitas pessoas levassem meu melhor e me sinto vazio.
Trago a tristeza dos outros, as angústias, os medos, anseios e absorvi isso ao longo dos anos, de pessoas que passaram na minha vida, queria ser o salvador, mostrar a felicidade que trazia, e por fim aceitava os sentimentos negativos como recompensa.
Sempre me doei mais do que podia, me sinto esgotado, entreguei minha alma algumas vezes nesse caminho, toquei pessoas aonde já não existia mais vontade de se viver, mas meu castigo foi perder a minha própria vida.
E sem saber como viver esses tempos difíceis vou levando, um dia de cada vez que é pra não me assustar.
Engraçado como tenho me permitido, deixo pessoas entrarem na minha vida de forma natural e novamente chego à conclusão que eles só vem pegar o que querem, depois me deixam vazio e vão embora sem dizer adeus.
Esse mundo se tornou frio, tudo se consegue facilmente na outra esquina, em outra pessoa, em outro coração, não se precisa mais ter zelo, paciência, a vida realmente foi reduzida a momentos e nada mais.
Eu quero mais que isso, quero pelo menos a chance de tentar, de me mostrar, que não pare no meio.
Ando meio frustrado com os aspectos e consequências que uma vida pensante me causa, sinto dor e tristeza toda vez que me exponho, mas não aprendo, sou literal, quem sabe um dia cruze alguém com as mesmas características, quem sabe exista alguém disposto a ser mais que momento, que seja mais que até logo.

Inserida por RafaelArcher