Wesley Diniz: PELOS CAMINHOS DA FLORESTA Ali está...

PELOS CAMINHOS DA FLORESTA

Ali está você caminhando em meio às sombras de uma floresta, escura, fria, sem flores ou frutos, ouvindo os sons que somente um coração é capaz de captar. Neste lugar mesmo durante o dia o breu se faz presente e toma conta de tudo. Hoje nem animais passam por ali. As aves ainda sobrevoam mas nenhuma toca o solo. Ver ele se tornou algo impossível, pois a vegetação cresceu, cobriu tudo, da raiz até as copas das árvores, na tentativa esmagadora de alcançar os raios de sol que se faz nos dias claros que você também já não mais vê. Dias estes que a floresta não faz mais questão, logo então, você também não! Ela já se acostumou com a escuridão e se tornou tão tortuosa que adentrar nela não é só um desafio, mas sim a incerteza aterradora se conseguiremos abrir algum caminho que nos permita passar. Mas que você consegue andar. Já não se pergunta mais o que tornou aquele lugar inóspito ou em que momento as altas árvores decidiram não deixar o sol tocar o chão. No fundo você sabe que são perguntas que somente ela poderá um dia responder para si. Porém, mesmo assim, mesmo encoberto, vê beleza ali, talvez essa seja o que torna aquele lugar tão especial. Sabe bem que cada folha conta uma história, que cada tentativa de alcançar a luz é um fato que não deve ser infringido e sim compreendido pois nosso coração também é como ela. Assim é vida dos que aqui caminham. Por isso então que aquele lugar tornou-se um lar para ti.
Até que um dia, uma forte tempestade chegou, tão grandiosa que algumas árvores derrubou. Você sentiu medo, sentiu frio, sentiu dor. Se viu sozinho como em tantas vezes e não sabia o que fazer até aquela tempestade passar. Tentou se esconder, mas era inútil porque por mais que a floresta fosse encoberto pela vegetação, elas não eram resistente, sem o sol se tornaram frágeis e delicadas, como seu coração, sendo assim feridas a cada chuva. E disso entendia bem.

E então a tempestade passou! E as clareiras que se abriram o que permitiu ver o céu ainda nublado, e mais uma vez você via beleza. As nuvens foram se dissipando, até que a claridade do sol chegou de vez e adentrou por todos os lugares. A luz era tão intensa, que você desacostumado com ela, fechava e apertava seus olhos pois ela os faziam doer. O calor te incomodava, cada raio de sol que sua pele tocava se esquivava, fugia dela e procurava de um lugar às sombras. E assim passou a ser a sua vida ali. No entanto, animais começaram a andar por lá. As aves já pousavam e sem que se desse conta, olhou tudo a sua volta e viu que as flores também brotaram, que novas plantas nasceram e naquela hora se viu rodeado de vida. Não que antes não houvesse, mas antes só você podia caminhar, e agora há outros com você, muitos também estão perdidos e era estranho aceitar aquele novo mundo.

Mas de nada adiantaria todos aqueles sinais se você não conseguisse ver também beleza nele. Nos acostumamos com as sombras, nós a cultivamos e não notamos nossa alma que como trepadeiras tentam subir desesperadamente as paredes de nosso coração e alcançar as altas copas a procura de luz. Essas tentativas da nossa alma se tornam tão angustiantes, seus gritos ressoam tão temerosos que não conseguimos atribuir esta dor a qualquer outra emoção e nesta confusão fechamos aquilo que está mais fácil e o que está ao alcance é o nosso coração. Então encoberto, ninguém mais o pode tocar.
Mesmo assim, constantemente a vida nos coloca em situações de tempestade. Coloca em nosso caminho pessoas que surgem também como tempestades. E de sinais em sinais nos mostra que vale a pena deixar a luz entrar. Que ela faz maravilhas, que ela transforma e renova. E que ceder a ela não é deixar de ser você mesmo porque sempre existirá um lugarzinho às sombras para se esconder. Um lugar só seu! Pois as sombras também se faz necessária, mas ser só escuridão é um ato de condenação. E você não tem que fazer isso. É preciso deixar a vida caminhar dentro de si e juntos tecer novas trilhas até o coração desta floresta.

As vezes vai acontecer de algumas tempestades causar mais danos que a outras, mas se observar bem as árvores ao chão verá que com o tempo a vegetação as encobre e logo nem se nota mais a ferida que havia ali. Mas isso só é possível quando deixamos a luz entrar e fazer o seu milagre. O tempo não apaga uma cicatriz mas te dá novos motivos para passar por cima dela e a vida sempre vai ser assim minha criança. Mas você pode decidir se vai ficar sozinho na escuridão ou se vai permitir alguém de caminhar contigo nela e juntos abrirem clareiras. Pode ser que sempre exista um vazio, pode ser que não saibamos ainda para onde ir ou o que estamos fazendo aqui mas isso não significa que não possamos tentar fazer da nossa estadia algo bom.
Saia, deixa a luz entrar em seus poros, faça coisas, mesmo que se sinta ridículo, desfrute, caia, se levante, se apaixone uma, duas, três ou mais vezes, não tem que ter a obrigação de ser a pessoa certa para a vida toda, todos que entram em nosso caminho entram por um motivo, permita este motivo de acontecer, mesmo que dure pouco porque senão também não verá a magia dele. Se durar para sempre, é uma grande dádiva dada, no entanto a vida não é só uma história de amor que não deu certo.

Você é mais que isso. Você é mais que este instante ruim pelo qual está vivendo. Você só está passando por ele você não é ele. Não se esquive da tempestade porque a mesma que por vezes destrói é a mesma que nos abre novos caminhos também.

A vida é uma tentativa.

Inserida por wesleydiniz