Tânia Raquel de S. Monção: MIRAGEM NO BANHEIRO Estava no meu porto...

MIRAGEM NO BANHEIRO

Estava no meu porto seguro, meu cais
Salguei a água do chuveiro
Te vi meio ao vapor: é miragem
A quanto tempo te esperei, meu marinheiro
Ensaboa minhas costas e massageia
Sinto você, desejo insano
Rebolo para que venha me degustar
Tenho em mente pensamentos profanos
Mergulhe nessa água
Segura no colo a tua sereia
Provoque espasmos e arritmia
Enquanto o sangue ferve nas minhas veias
Aperte minha cintura
Não deixe escapar jamais
Me delicio com seu corpo molhado
Me molho cada vez mais... Vejo você delirar
E por um instante você desaparece
Sinto que está chegando seu ápice, seu êxtase
Meu corpo implora, te obedece

Agora me ajoelhei de frente
Talvez fosse mesmo um deus, anjo ou miragem
Minha boca já se encheu d'água
Contemplando tua imagem
Estou com meus lábios carnudos
No teu membro a envolver
Minha boca está cheia
Bebi-te demoradamente...
Até você quase desfalecer
Pena que quando eu mais te desejo
Você some... Depois torna a aparecer...

Se gostou curta/siga:
Face: Versos Sem Vergonha
Instagram: @versossemvergonha

1 compartilhamento
Inserida por tania_raquel_moncao