Jessé Santos: Verdade à minha Pequena. Ou verdade pra...

Verdade à minha Pequena.
Ou verdade pra quem foi enquanto precisava ficar, ou pra quem ficou enquanto precisava partir.
Espio pela janela do meu quarto as nuvens se formando, a chuva se aproxima. Os ventos já sopram desde cedo, a temperatura desceu e todo esse clima que sinto só me dá desejo de escrever algo belo. De alcançar alguém, acalmar um coração, esmiuçar a saudade em palavras que virem poesias. Na última vez que choveu te encaixei numa música, falava sobre querer te conhecer e a certeza de que as coisas jamais seriam as mesmas sem você. Eu não pretendia nada disso, tu sabes, se dependesse de mim te colocaria no meu colo e te levaria por onde fosse, assim faria; eu não pretendia um dia sem você, nem uma semana ou um mês, nem uma vida sem você, porém agora me responde: quantos dias, quantas semanas, quanto tempo, vivendo uma vida que me assustava só em pensar? Entretanto, de alguma forma, me encontro aqui: vivendo. A distância pode ser chata, o tempo pode ser realmente um divisor de águas e o que fica de tudo isso é o que a gente permite levar consigo. Levo comigo uma imagem bonita de você, uma lembrança dos nossos encontros, a gente fugindo da chuva, a gente fugindo até mesmo de seus parentes que podiam nos pegar juntos, levo comigo você sorrindo das minhas leseiras e eu me perdendo sobre como seu sorriso era o que mais importava pra mim. Levo você comigo, Pequena. Fiz da saudade um elo pra não te esquecer e transformei em esperança, pois não se sabe qual a próxima carta escondida que a vida vai tirar da manga. Torço pra que essa carta seja você, não agora, mas quando estiveres andando descuidada da vida e por um truque de mágica nos encontrarmos em algum lugar. Até lá, ninguém sabe o que a vida vai trazer, e isso me assusta, mas me deixa feliz também. Estamos vivendo tempos de pequenas surpresas, conhecendo pessoas que jamais sonhávamos em conhecer, revendo pessoas que há muito não víamos. Esse deve ser o papel da vida, juntar e afastar de acordo com a necessidade, de acordo com o tempo. Quem sabe a próxima carta a ser puxada da sua mágica seja eu? Só me cabe esperar, torcer pra que você ainda tenha a carta com meu nome, que haja saudade e que você tenha me permitido levar consigo. Amanhã ou daqui alguns anos, a gente se bate. Reinventados. Redescobertos. No fim das contas, tudo acaba acontecendo.

1 compartilhamento
Inserida por Jess1989