Alisson Oliveira: >> A beleza que não morre De que...

>> A beleza que não morre

De que adianta celebrar a beleza,
se no passar das primaveras
as flores murcham,
as pétalas caem,
e o brilho que era intenso, ofuscante,
de repente, ao anoitecer da grande selva,
Não passa de alguns poucos vaga-lumes rodeando as árvores
em busca de lesmas e caramujos para saciar sua fome,
e mesmo assim, até os próprios bichinhos iluminados,
desaparecem depois de míseros dois ou três anos de vida.
Então, por que celebrar a beleza que é tão sensível e passageira?

Talvez a sensibilidade do observador não foque sua exaltação sobre a beleza daquilo que morre, daquilo que passa, mas na celebração daquilo que fica, daquilo que marca.

E como os diamantes valiosos, o prudente observador guarda pra si os sentimentos da beleza que se torna eterna ao ser contemplada, uma fonte viva de cores; sabores; amores.

E assim, o que era pra ser uma beleza pálida, sem cor,
tornou-se uma esperança plantada no peito,
uma colorida lembrança semeada na mente,
viva em cada movimento,
em cada marola de vento.
Soprando da primavera seu eterno frescor.

1 compartilhamento
Inserida por alisson-oliveira