Bernardo Soares,: O patrão Vasques. Vejo de lá hoje,...

O patrão Vasques. Vejo de lá hoje, como o vejo hoje de
aqui mesmo — estatura média, atarracado, grosseiro com limites
e afeições, franco e astuto, brusco e afável — chefe, à
parte o seu dinheiro, nas mãos cabeludas e lentas, com as
veias marcadas como pequenos músculos coloridos, o pescoço
cheio mas não gordo, as faces coradas e ao mesmo tempo
tensas, sob a barba escura sempre feita a horas. Vejo-o,
vejo os seus gestos de vagar enérgico, os seus olhos a pensar
para dentro coisas de fora, recebo a perturbação da sua ocasião
em que lhe não agrado

O patrão Vasques. Tenho, muitas vezes, inexplicavelmente, a hipnose do patrão Vasques. Que me é esse homem, salvo o obstáculo ocasional de ser dono das minhas horas, num tempo diurno da minha vida? Trata-me bem, fala-me com amabilidade, salvo nos momentos bruscos de preocupa- ção desconhecida em que não fala bem a alguém. Sim, mas por que me preocupa? É um símbolo? É uma razão? O que é?

1 compartilhamento
Inserida por AlguemOuNinguem