Fernando Ordani: Lições e vidas. Enquanto o inferno...

Lições e vidas.

Enquanto o inferno não se aquece, multidões não se agitam, minha face não se faz aflita, disponho de um breve momento...
Um lamento, um contrassenso, um hino que enaltece minha superação, pois se vivo estou, alguma serventia que seja para me descobrir...sinto que ainda tenho;
Verdades que se ocultam por debaixo da couraça que se cria, calos e cicatrizes que se fecham, algumas feridas;
Não sei se alma morreu, não sei se corpo e mente que minta para mim diariamente, ainda é o que me mantém...
Não sei, se corpo já partiu...jaz no horror eterno de um torpor, sinto que seja simplesmente algo que remete à face daquilo que outrora fora eu, contudo alma e essência ainda contém;
Não sou louco, tal qual ao loquaz que em palavras mais se perde do que se encontra, sequer sobre suas verdades compreende...
Não sou são, tal qual ao normal...que creia ser especial por demais para que seja humano, finge para si mesmo sentir, se contradiz, com suas próprias lições não aprende;
Não visto teus sapatos, não pago tuas contas, mas ao menos conheço meu lugar, perdido por entre as letras que emitem mensagens que teu ego não permite ler...
Se, são músculos e letras que me restam, se é força, se é um alter ego que me faça crer que supero...sobre os dias caminho com semblante austero para que quem me odeia, nada possa perceber;
Algumas coisas lhe são destinadas, algumas pessoas possuem palavras...
Outras, se das palavras de suposta sabedoria não dispõem...terão o mundo das idéias para ver de perto, coisas que por Platão, lhe foram presenteadas;
Supera ou supõe, transforma ou se conforma...o poema resiste em seu mistério para quem saiba decifrar, um corpo esquálido jaz num cemitério de lástima, para quem resista em mudar...
Ser deveras humano e coerente com palavras proferidas por uma boca que supostamente saiba amar;
Se por acaso nada saiba, omita tua voz, sossega teu pensar...
Apega-te ao teu torpor, anula teu existir, apaga teu parco iluminar, se sustenta pela muleta que lhe faça em seus titubeios, ainda se rastejar;
Vida ainda há para viver, se algo não deu certo pra você...tudo é livre para das palavras discordar;
Outro caminho seguir, por coisas que sejam sublimes de fato, em teu quarto escuro que esconde teu tesouro...os desígnios de tua oração com discordâncias, de teu olhar;
Dentro de si, somente para ver se algo existe que não sejam desgraças, em teu âmago de amarguras, jazidas de ouro de tolo...de superfícies para prospectar;
Ou, quiçá...para sempre sentar-se e esperar, mas se é espera que lhe apetece, teu ânimo arrefece, tua boca de infelicidades atrozes, certifique-se de fechar.

1 compartilhamento
Inserida por fernandoordani